AS CONSEQUÊNCIAS DA HISTERECTOMIA NA SEXUALIDADE FEMININA

  • Hanielly Cristinny Mendes Carvalho Universidade Federal de Goiás, Regional Catalão.
  • Moises Fernandes Lemos Universidade Federal de Goiás, Regional Catalão.
Palavras-chave: histerectomia, útero, sexualidade.

Resumo

A histerectomia, um dos procedimentos cirúrgicos mais realizados no Brasil, é caracterizada como a remoção total ou parcial do útero e, gera diferentes sentimentos nas mulheres, que consideram esse órgão o representante de sua feminilidade e sexualidade. Este estudo qualitativo objetiva avaliar quais as repercussões que a histerectomia causa na sexualidade feminina. Para sua efetivação, foram realizadas entrevistas semiestruturadas com quatro mulheres histerectomizadas, escolhidas intencionalmente. Essas entrevistas, submetidas aos procedimentos da Análise Fenomenológica Interpretativa, levantaram as seguintes categorias de análise: reações frente ao diagnóstico; corpo e identidade; sexualidade. Os resultados obtidos permitiram concluir que o nível socioeconômico que as participantes estão inseridas interfere no modo como vivenciam a histerectomia. As mulheres deste estudo têm sua identidade pautada no ato de ser mãe e deixam sua sexualidade em segundo plano, confirmando a ideia de que vieram ao mundo para procriação e satisfação do parceiro, excluindo o seu próprio prazer.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Hanielly Cristinny Mendes Carvalho, Universidade Federal de Goiás, Regional Catalão.
Curso de Psicologia
Moises Fernandes Lemos, Universidade Federal de Goiás, Regional Catalão.
Curso de Psicologia

Referências

Auge, A. P. F., Rossi, L. M. & Aoki, T (2009). Avaliação da sexualidade em mulheres submetidas à histerectomia para tratamento do leiomioma uterino. Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia, 31(10), 503-507.

Cosmo M. & Carvalho J. W. A. Pensando sobre o período pré-operatório na histerectomia. Revista da Sociedade Brasileira de Psicologia Hospitalar, 3(1), 27-30.

Eizirik, C.L. (2001). O ciclo da vida humana: uma perspectiva psicodinâmica. Porto Alegre: Artmed Editora.

Ferreira, R. M. B. & Lemos, M. F. (2016). A mulher e o câncer de mama: um olhar sobre o corpo adoecido. Perspectivas em Psicologia, 20(1), 178

Freire, A. C; & Mattos, J. S (1996). Humanização em saúde

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia E Estatística. Censo Demográfico de 2016. Disponível em: <http://www.cidades.ibge.gov.br/v3/cidades/municipio/5217401>. Acesso em: 13/06/2016.

Jamarino, A. M. (2009). Análise da percepção corporal e sexual de mulheres histerectomizadas. 52f. Trabalho de Conclusão de Curso. Enfermagem. Centro Regional Universitário de Espírito Santo do Pinhal, SP.

Machado, N. P. (2005). Interfaces do Câncer. Revista Brasileira de Cancerologia. São Paulo, 5 (28). Disponível em: . Acesso em: 04/06/2016

Marconi, M. A. & Lakatos, E. M. Fundamentos de Metodologia Científica. São Paulo: Editora Atlas.

Melo, M. C. B. D. & Barros,

Nunes, M. P. R. S., Gomes, V. L. O., Padilha, M. I., Gomes, G. C. & Fonseca, A.D. (2009). Representações de mulheres sobre a histerectomia. Escola Anna Nery, Revista de Enfermagem, 13(3), 574-581. https://doi.org/10.1590/S1414-81452009000300017.

Paula A F (2006). Câncer cérvico-uterino: uma ameaça (in)evitável? Rev Enferm UERJ, 14(1), 123-29.

Pires do Rio - Go (cidade). Disponível em: <http://www.piresdorio.go.gov.br/>. Acesso em: 13/06/2016.

Ramos, M. F. F. (2013). Os impasses da sexualidade feminina na obra de Freud. 79f. Dissertação (Mestrado em Psicologia) - Departamento de Psicologia, do Setor de Ciências Humanas Letras e Artes, Universidade Federal do Paraná, Curitiba.

Real, A. A., Cabeleira, M. E. P., Nascimento, J. R., Braz, M. M. & Pivetta, H. M. F. (2012). Os efeitos da histerectomia sobre a sexualidade feminina. Saúde (Santa Maria), 38 (2), 123-130. https://doi.org/10.5902/223658346581.

Salvador, R. T., Vargens, O. M. C. & Progianti, J. M. Sexualidade e histerectomia: mitos e realidade. Revista Gaúcha de Enfermagem. 29(2), 320-323.

Sbroggio, A. M. R., Osis, M. J. M. D. & Bedone, A. J. (2005). O significado da retirada do útero para as mulheres: um estudo qualitativo. Revista de Associação Médica Brasileira, 51(5), 270-274. https://doi.org/10.1590/S0104-42302005000500018.

Smith, A. J. & Eatough, V. (2010). Análise Fenomenológica Interpretativa. In: Breakwell, M. G. Schaw, C. F. Hammond, S. & Smith, J. A. Métodos de pesquisa em psicologia. (pp 324-338), Porto Alegre: Artmed.

Publicado
2017-06-26
Como Citar
Carvalho, H. C. M., & Lemos, M. F. (2017). AS CONSEQUÊNCIAS DA HISTERECTOMIA NA SEXUALIDADE FEMININA. Perspectivas Em Psicologia, 21(1). https://doi.org/10.14393/PPv21n1a2017-13