ENTREVISTA DE ANAMNESE DA TERAPIA DO ESQUEMA PARA CRIANÇAS: ANÁLISES E REFLEXÕES

  • Fabíola Rodrigues Matos Universidade Federal de Uberlândia
  • Renata Ferrarez Fernandes Lopes Universidade Federal de Uberlândia
Palavras-chave: anamnese, terapia do esquema para crianças, esquemas desadaptativos iniciais.

Resumo

Esta pesquisa tem como objetivo analisar a entrevista de anamnese da Terapia do Esquema (TE), proposta por Loose, observando se é um instrumento adequado para elaboração de uma conceitualização de caso de acordo com os pressupostos da TE. A entrevista é composta por 12 perguntas, que objetivam investigar os recursos parentais e da criança. Observou-se que as perguntas são simples e objetivas, semi-estruturadas, avaliativas e categoriais. Há ênfase nas questões dedicadas à história da infância da criança na perspectiva dos pais e em EIDs presentes na história de vida dos mesmos. O roteiro permite hipotetizar a presença de EIDs, esquemas geracionais e modos de esquemas tanto nas crianças em seus primeiros anos de vida, como dos pais nesse mesmo período.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fabíola Rodrigues Matos, Universidade Federal de Uberlândia
Mestrado em Psicologia
Renata Ferrarez Fernandes Lopes, Universidade Federal de Uberlândia
Instituto de Psicologia

Referências

Affonso, R. M. L. (2005). A importância da epistemologia no ensino da avaliação psicológica no processo psicodiagnóstico. Avaliação Psicológica, 4, 183-193.

Araújo, L. O., Feijó, L. P., Luz, I., Ernandez, C. C., Silva, J. D., & Oliveira, D. S. (2013). Reflexão conceitual e empírica da importância dos intrumentos de entrevista inicial: anamnese e genograma. Anais Da VI Mostra Científica Do Cesuca. Cachoeirinhas-Rs, 1, 1-12.

Cazassa, M. J. (2007). Mapeamento de esquemas cognitivos: validação da versão brasileira do Young Schema Questionnaire

Cazassa, M. J., & Oliveira, M. S. (2008). Terapia focada em esquemas: conceituação e pesquisas. Revista Psiquiatria Clínica, 35, 187-195. https://doi.org/10.1590/S0101-60832008000500003.

Castoldi, L., & Scheffel, M. (2006). Prática em saúde no âmbito da clinica-escolar a teoria. São Paulo: Casa Do Psicólogo.

Duarte, A. L. C., Nunes, M. L. T., & Kristensen, C. H. (2008). Esquemas Desadaptativos: revisão sistemática qualitativa. Revista Brasileira De Terapias Cognitivas, 4, 1-13.

Loose, C. (2011). Schematherapy For Children. Disponível Em Http://Www.Schematherapy- For-Children.De. Acesso em 13 de março de 2015.

Loose, C., Graaf, P., & Zarbock,G. 2013. Schematherapie Mit Kindern Und Jugendlichen. Basel: Beltz Verlag.

Lopes, R.F.F. (2015). Terapia do esquema em grupo com crianças e adolescentes. In: C. Neufeld (Org.), Terapia Cognitivo-Comportamental em grupo para crianças e adolescentes (pp.102-128). Porto Alegre: Artmed.

Lopes. R.F.F., & Lopes, E. J. L. (2013). Baralho Dos Problemas. Porto Alegre: Synopsis.

Lopes, J. B., & Melo, W. V. (2014). A compreensão da repercussão dos esquemas iniciais desadaptativos, através da teoria dos esquemas, para otimização dos tratamentos de traumas. Revista Saúde E Desenvolvimento Humano, 2, 75-86.

Manzini, E. J. (1991). A Entrevista na Pesquisa Social. Didática, 26, 149-158.

Manzini, E. J. (2003). Considerações sobre a elaboração de roteiro para entrevista semi- estruturada. In: M. C. Marquezine, M. A. Almeida, & S. Omote. Colóquios sobre pesquisa em educação especial (pp.11-25). Londrina: Eduel.

Manzini, E.J. (2004). Entrevista semi-estruturada: análise de objetivos e de roteiros. Seminário internacional sobre pesquisa e estudos qualitativo, anais a pesquisa qualitativa em debate. Bauru-SP, 1,1-10.

Ramos, M. I. P. (2011). A Entrevista de anamnese sob a ótica do referencial teórico psicodramático: uma contribuição para a psicopedagogia. Revista Psicopedagogia, 28, 97-102.

Rapaport, A., Piccinini, C. A. (2011). Maternidade e situações estressantes no primeiro ano de vida do bebê. Psico-Usf, 16, 215-225. https://doi.org/10.1590/S1413-82712011000200010.

Van Vreeswijk, M. F., Van, Broersen, J., & Nadort, M. (2012). The Wiley-Blackwell Handbook Of Schematherapy, Theory, Research, And Practice. Oxford: Wiley-Blackwell. https://doi.org/10.1002/9781119962830.

Triviños, A. N. S. (1987). Introdução a pesquisa am ciências sociais: A pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas.

Young, J. E., Klosko, J. S., & Weishaar, M. E. (2008). Terapia do Esquema. Porto Alegre: Artmed.

Young, J. E., & Klosko, J. S. (1994). Reiventing Your Life. New York: Plume Book.

Publicado
2017-06-26
Como Citar
Matos, F. R., & Lopes, R. F. F. (2017). ENTREVISTA DE ANAMNESE DA TERAPIA DO ESQUEMA PARA CRIANÇAS: ANÁLISES E REFLEXÕES. Perspectivas Em Psicologia, 21(1). https://doi.org/10.14393/PPv21n1a2017-09