A IMPORTÂNCIA DO NARRAR E DO BRINCAR: UMA VISÃO PSICANALÍTICA

  • Fausto Pereira da Silva Universidade Federal de Goiás, Regional Jataí - UFG/RJ
  • Maria de Fátima Pessoa de Assis Universidade Federal de Goiás, Regional Jataí - UFG/RJ
Palavras-chave: brincar, narrar, psicanálise, infância.

Resumo

Vivemos em tempos acelerados, onde não há espaço para o descanso e para a espera, onde tudo precisa acontecer no aqui e agora. Este cenário produz efeitos danosos para as experiências infantis, dificultando a elaboração mental do vivido. O objetivo do presente estudo é resgatar a importância da narratividade e do brincar num mundo marcado pela utilização insana do tempo. Trata-se de uma pesquisa bibliográfica e teórica a partir de estudos clássicos e referentes aos últimos cinco anos. Verificou-se que o brincar e o narrar são importantes formas para a criança lidar com aspectos centrais do seu psiquismo, a partir dos quais pode apropriar-se do seu self e do seu meio, de acordo como seu desenvolvimento emocional e intelectual.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fausto Pereira da Silva, Universidade Federal de Goiás, Regional Jataí - UFG/RJ
Curso de Psicologia
Maria de Fátima Pessoa de Assis, Universidade Federal de Goiás, Regional Jataí - UFG/RJ
Curso de Psicologia

Referências

Bettelheim, B. (2002). A psicanálise dos contos de fadas (16ª ed.). Paz e Terra.

Corso, D. L., & Corso, M. (2006). Fadas no divã: psicanálise nas histórias infantis. Porto Alegre: Artmed.

Costa, A. M., Cadore, C., Lewis, M. d., & Perrone, C. M. (jan./jun. de 2013). Oficina terapêutica de contos infantis no CAPSi: Relato de uma experiência. Barbarói, 235-249.

Ferro, A. (1995). A técnica na psicanálise infantil: a criança e o analista da relação ao campo emocional. Rio de Janeiro: Imago.

Gonçalves, M. d., & Braga, A. A. (2015). Era uma vez... Os contos de fadas como recurso terapêutico com crianças hospitalizadas. Revista Psicologia, Diversidade e Saúde, 4, 5-20.

Granato, T. M., Corbett, E., & Aiello-Vaisberg, T. M. (jan./mar. de 2011). Narrativa interativa e psicanálise. Psicologia em estudo, 16, 157-163.

Gutfreind, C. (2010). O terapeuta e o lobo: a utilização do conto na psicoterapia da criança. Rio de Janeiro: Artes e Ofícios.

Honoré, C. (2005). Devagar. Rio de Janeiro: Record.

Lemos, A. C., & Silva, N. C. (Jan/Jul de 2012). A função terapêutica da arte de contar histórias. Intersemiose, I(1), 7-23.

Lins, M. I. (2006). Consultas terapêuticas (2ª ed.). São Paulo: Casa do psicólogo.

Meira, A. M. (Jul./Dez. de 2012). A educação, o brincar e a infância contemporânea. Revista de Educação PUC, 17(2), 173-179.

Morabito, C. R., Sei, M. B., & Arruda, S. L. (2012). Em defesa do brincar e do conto de fadas no desenvolvimento da criança. Ommia Saúde, 9, 67-82.

Oliveira, A. J. (2009). Uma questão de tempo. In: S. Pripas, Cronos Ensandeciso: sobre a agitação no mundo contemporâneo (p. 167). São Carlos: EdUSCar.

Pereira, V. O., & Lemos, M. F. (Jul/Dez de 2013). A função terapêutica dos contos de fadas: sentimentos e conflitos humanos. Perspectivas em Psicologia, 17(2), 102-114.

Port, F. L., Henkin, R. S., Feijó, L. P., & Brum, E. H. (Nov. de 2014). Contando recontando... Subjetivando: A importância terapêutica da psicanálise no grupo de contos. Anais da VIII Mostra Científica do Cesuca, 305-310.

Pripas, S. (2009). Cronos ensandecido: sobre a agitação do mundo moderno. São Carlos: EduFSCar.

Pripas, S. (2009). O ser sem tempo. In: S. Pripas, Cronos ensandecido: sobre a agitação no mundo contemporâneo (p. 167). São Carlos: EdUFSCar.

Radino, G. (2003). Contos de fadas e realidade psíquica: a importância da fantasia no desenvolvimento. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Safra, G. (2005). A face estética do Self: teoria e Clínica. São Paulo: Unimarco.

Safra, G. (2006). Desvelando a memória do humano: o brincar, o narrar, o corpo, o sagrado, o silêncio. São Paulo: Sobornost.

Safra, G. (2011). Curando com histórias (2ª ed.). São Paulo: Sobornost.

Silva, D. R., Machado, I., Lacerda, L. D., & Menegotto, L. M. (2015). Alice e a escolha de uma caminho possível entre a fantasia e a realidade: a utilização dos contos na clínica infantil. Revista Saúde e Desenvolvimento Humano, 39-49.

Souza, J. O., & Assis, M. d. (Jan/Jun de 2014). O brincar e o narrar: oferta de espaços potenciais em um mundo acelerado. Perspectivas em Psicologia, 18(1), 57-74.

Winnicott, D. W. (1975). O brincar e a realidade. Rio de Janeiro: Imago.

Winnicott, D. W. (1983). O ambiente e os processos de maturação. Porto Alegre: Artmed.

Zatti, C., & Kern, C. D. (Set/Dez de 2014). A importância dos contos de fadas como instrumento de trabalho para a psicoterapia infantil. Revista da Sociedade de Psicologia do Rio Grande do Sul, 14(2), 06-17.

Publicado
2017-06-26
Como Citar
Silva, F. P. da, & Assis, M. de F. P. de. (2017). A IMPORTÂNCIA DO NARRAR E DO BRINCAR: UMA VISÃO PSICANALÍTICA. Perspectivas Em Psicologia, 21(1). https://doi.org/10.14393/PPv21n1a2017-05