RISCOS PSICOSSOCIAIS NO TRABALHO: CONCEITOS, VARIÁVEIS E INSTRUMENTOS DE PESQUISA

  • Aline Jacinto Universidade do Vale do Itajaí
  • Suzana da Rosa Tolfo Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC
Palavras-chave: fatores psicossociais, fatores de risco, trabalho.

Resumo

O artigo apresenta uma revisão da literatura sobre riscos psicossociais no trabalho, explorando as principais teorias para definir os mesmos. Os riscos psicossociais no trabalho passaram a ser tema de interesse de estudos na Europa de forma mais acentuada, a partir do ano de 2000, haja vista os altos índices de suicídios nas empresas europeias. Apesar de existirem diversos estudos recentes sobre os riscos psicossociais no trabalho, não há uma única teoria para explicá-lo. Há duas principais vertentes teóricas que sustentam a temática dos riscos psicossociais, entre elas: a Psicodinâmica do Trabalho e as Teorias de Estresse. Constatou-se que algumas variáveis são privilegiadas nos diferentes modelos teóricos referentes aos riscos psicossociais no trabalho.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Aline Jacinto, Universidade do Vale do Itajaí
Curso de Psicologia
Suzana da Rosa Tolfo, Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC
Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Departamento de Psicologia.

Referências

Agência Europeia para a Segurança e Saúde no Trabalho (2010). Inquérito europeu das empresas de riscos novos e emergentes (ESENER). Disponível em: http://osha.europa.eu/pt/publications/reports/pt_esener1-summary.pdf/view.

Álvarez, C. C. B. (2012). Riesgo psicosocial intralaboral y "burnout" en docentes universitarios de algunos países latinoamericanos. Cuadernos de Administración, 28(48), 117-132.

Araújo, T. M. (1999). Trabalho e distúrbios psíquicos em mulheres trabalhadoras de enfermagem. Tese de Doutorado em Saúde Pública. Universidade Federal da Bahia. Salvador, BA.

Araújo, T. M., Graça, C. C., & Araújo, E. (2003). Estresse ocupacional e saúde: contribuições do Modelo Demanda-Controle. Ciência & Saúde Coletiva, 8(4), 991-1003. DOI: 10.1590/S1413-81232003000400021.

Areias, M. E. Q., & Guimarães, L. A. M. (2004). Gênero e estresse em trabalhadores de uma universidade pública do Estado de São Paulo. Psicologia em Estudo, 9(2), 255-262. DOI: 10.1590/S1413-73722004000200011.

Borges, L. O., Guimarães, L. A. M.,& Silva, S. S. (2013). Diagnóstico e promoção da saúde psíquica no trabalho. In Borges, L. O. & Mourão, L., O trabalho e as organizações: atuações a partir da psicologia (pp. 580-618). Porto Alegre: Artmed.

Brant, L. C., & Minayo-Gomes, C. (2004). A transformação do sofrimento em adoecimento: do nascimento da clínica à psicodinâmica do trabalho. Ciência & Saúde Coletiva, 9(1), 2013-223. DOI: 10.1590/S1413-81232004000100021.

Costa, L. S., & Santos, M. (2013). Fatores Psicossociais de Risco no Trabalho: Lições Aprendidas e Novos Caminhos. International Journal on Working Conditions, 1(5), 39-58.

Dejours, C., & Abdoucheli, E. (1993). Itinerário teórico em psicopatologia do trabalho. In Dejours, C.; Abdoucheli, E. &Jayet, C., Psicodinâmica do trabalho: contribuições da escola dejouriana à análise da relação prazer, sofrimento e trabalho (pp. 119-145). São Paulo: Atlas.

Dejours, C. (2004). Addendum

Glina, D. M. R., Rocha, L. E., Batista, M. L.,& Mendonça, M. G. V. (2001). Saúde mental e trabalho: uma reflexão sobre o nexo com o trabalho e o diagnóstico, com base na prática. Cad. Saúde Pública, 17(3), 607-616. DOI: 10.1590/S0102-311X2001000300015.

Gollac, M., & Bodier M. (2011). Mesurerles facteurs psychosociaux de risque au travail pour les maîtriser (Relatório do Collège d

Guimarães, L. A. M. (2013). Fatores Psicossociais de Risco no Trabalho. In Ferreira, J. J. & Penido, L. O., Saúde mental no trabalho: coletânea do fórum de saúde e segurança no trabalho do Estado de Goiás (pp. 273-282). Goiânia: Cir Gráfica.

Guimarães, L. A. M.,& MacFadden, M. A. J. (1999). Validação para o Brasil do SWS© - Survey

Hirata, H. (2011). Tendências recentes da precarização social e do trabalho: Brasil, França, Japão. Caderno CRH, 24(1), 15-22. DOI: 10.1590/S0103-49792011000400002.

Karasek, R. A. (1979). Job Demand, job decision latitude, and mental strain: implications for job redesign. Administrative Science Quarterly, 24(2) 285-308. DOI: 10.2307/2392498.

Karasek, R. A. (1985). Job Content Questionnaire and User's Guide. Lowell (MA): University of Massachusetts.

Karasek, R. A. (1998). El modelo de Demandas-Control: enfoque social, emocional y fisiologico del risco de estres y desarrollo de comportamientos activos. In Organización Internacional Del Trabajo (OIT). Enciclopedia de Salud y Seguridade nel Trabajo (pp. 34.6-34.16). Genebra: OIT.

Karasek, R. A.,& Theorell, T. (1990). Healthy work: stress, productivity and there construction of working life. New York: Basic Books.

Mendes, A. M., & Ferreira, M. C. (2007). Inventário sobre Trabalho e Riscos de Adoecimento

Mendes, A. M. (2007). Da Psicodinâmica à Psicopatologia no Trabalho. In Mendes, A. M. B. (org.), Psicodinâmica do trabalho: teoria, método e pesquisa (pp. 29-48). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Ministerio de Empleo y Seguridad Social de la España. (2012). Guía de actuaciones de la inspección de trabajo y Seguridade social sobre riesgos psicosociales. Madrid: Lerko Print S.A.

Papaioannou, I., & Bilias, D. (2012). Psychosocial Risks at Work. Working and Living Environmental Protection, 9(1), 53-59.

Serafim, A da C., Campos, I. C. M., Cruz R. M.,& Rabuske, M. M. (2012). Riscos psicossociais e incapacidade do servidor público: um estudo de caso. Psicologia: Ciência e Profissão, 32(3), 686-705. DOI: 10.1590/s1414-98932012000300013.

Siegrist, J. (1996). Adverse health effects of high-effort/low-reward conditions. J Occup Health Psychol, 1(1), 27-41.

Siegrist, J. (2012). Effort-reward imbalance at work -theory, measurement and evidence. Department of Medical Sociology. Disponível em: http://www.uniklinik-duesseldorf.de/fileadmin/Datenpool/einrichtungen/institut_fuer_medizinische_soziologie_id54/ERI/ERI-Website.pdf. DOI: 10.1037/1076-8998.1.1.27.

Silva, C. F. (2006). Copenhagen Psychosocial Questionnaire. Fundação para a Ciência e para a Tecnologia. Análise Exacta: Portugal.

Silva, L. S., & Barreto, S. M. (2010). Adaptação transcultural para o português brasileiro da escala effort-reward imbalance: um estudo com trabalhadores de banco. Rev Panam Salud Publica, 27(1), 32-36. DOI: 10.1590/S1020-49892010000100005

Publicado
2017-06-26
Como Citar
Jacinto, A., & Tolfo, S. da R. (2017). RISCOS PSICOSSOCIAIS NO TRABALHO: CONCEITOS, VARIÁVEIS E INSTRUMENTOS DE PESQUISA. Perspectivas Em Psicologia, 21(1). https://doi.org/10.14393/PPv21n1a2017-04