SENTIDOS DE SAÚDE, DOENÇA E CUIDADO PARA UM PACIENTE COM TRAUMATISMO CRÂNIO-ENCEFÁLICO

  • Júlia de Paula Oliveira Universidade Federal de Goiás, Regional Jataí
  • Mayna Ferreira Lima Universidade Federal de Goiás, Regional Jataí
  • Cintia Bragheto Ferreira Universidade Federal do Triângulo Mineiro - UFTM
Palavras-chave: saúde, doença, psicologia da saúde.

Resumo

O objetivo desse trabalho foi compreender os sentidos do processo saúde-doença-cuidado para um paciente com traumatismo crânio-encefálico. Para tanto, utilizaram-se entrevistas semiestruturadas, gravadas e transcritas na íntegra em conjunto com relatos clínicos de atendimentos individuais do paciente. Os dados foram analisados embasados na literatura do campo das doenças crônicas disponível em artigos e livros indexados. A análise mostrou que a concepção de saúde para o paciente, antes e após o trauma, assim como a de doença não sofreram mudanças significativas. Entretanto, o trauma promoveu no paciente a adoção de práticas mais alinhadas à saúde. Portanto, aponta-se a relevância do cuidado multiprofissional direcionado a essa população, na tentativa de potencializar a saúde e a autonomia, mesmo na presença da enfermidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Júlia de Paula Oliveira, Universidade Federal de Goiás, Regional Jataí
Curso de Psicologia
Mayna Ferreira Lima, Universidade Federal de Goiás, Regional Jataí
Curso de Psicologia
Cintia Bragheto Ferreira, Universidade Federal do Triângulo Mineiro - UFTM
Curso de Psicologia.

Referências

Aragaki, S. S., Lima, M. L. C., Pereira, C. C. Q., & Nascimento, V. L. V. (2014). Entrevistas:

negociando sentidos e coproduzindo. In M. J. P. Spink, J. I. M. Brigagão, V. L. V. do Nascimento, & M. P. Cordeiro (Orgs.), A produção de informação na pesquisa social: compartilhando ferramentas. (pp. 57-72). Rio de Janeiro: Centro Edelstein de Pesquisas Sociais.

Bogdan, R., & Biklen, S. (1994). Investigação qualitativa em educação: uma introdução à teoria e aos métodos. Porto: Porto Editora.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. (2013). Diretrizes de atenção à reabilitação da pessoa com traumatismo cranioencefálico. Brasília: Ministério da Saúde.

Borges, C. C., Mishima, S., & McName, S. (2008). Da autonomia à responsabilidade relacional: explorando novas inteligibilidades para as práticas de saúde.

Revista Interinstitucional de Psicologia, 1(1), 8-19.

Caetano, J. P. M., Fernandes, M. V., Marcon, S. S., & Decesaro, M. N. (2011). Refletindo sobre as relações familiais e os sentimentos aflorados no enfrentamento da doença crônica. Ciência, cuidado e saúde, 10(4),845-852. DOI: 10.4025/cienccuidsaude.v10i4.18331

Ferreira, H. P., Martins, L. C., Braga, A. L. F., & Garcia, M. L. B. (2012). O impacto da doença crônica no cuidador. Revista Brasileira de Clínica Médica. São Paulo, 10(4), 278-284.

Gasparelo, C., Sales, C. A., Marcon, S. S., & Salci, M. A. (2010). Percepções de mulheres sobre a repercussão da mastectomia radical em sua vida pessoal e conjugal. Ciência, cuidado e saúde, 9(3), 535-542.

Gaudêncio, T. G., & Leão, G. M. (2013). A epidemiologia do traumatismo crânio- encefálico: um levantamento bibliográfico no Brasil. Revista Neurociências, 21(3), 327-434. DOI: 10.4181/RNC.2013.21.814.8p.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2009). A qualidade da informação sobre a mortalidade no Brasil recente e avaliação do impacto das causas violentas no número de anos de vida perdidos. Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, Indicadores Sociodemográficos e de Saúde no Brasil: Autor.

Lyons, A. C., & Chamberlain, K. (2006). Health Psychology: a critical introduction. New York: Cambridge. DOI: 10.1017/CBO9780511807985.

Mota, C., Trad, L.A.B., & Villas Boas, M.J.V.B. (2012). O papel da experiência religiosa no enfrentamento de aflições e problemas de saúde. Interface - Comunicação, Saúde, Educação, 16(42), 665-675. DOI: 10.1590/S1414-32832012000300007.

Oliveira, C. M., & Casanova, A. O. (2009). Vigilância da saúde no espaço de práticas da atenção básica. Ciência & Saúde Coletiva, 14(3), 929-936. DOI: 10.1590/S1413-81232009000300029.

Reis, J. (2007). Educação para saúde: reprodução ou construção? Passividade ou atividade? In: Trindade, I. & J. A. C. Teixeira (Orgs.), Psicologia nos cuidados de saúde primários (pp. 65-78). Lisboa: CLIMEPSI Editores.

Roland, J. S. (1995) Doença crônica e o ciclo de vida familiar. In: B. M. S. W. Carter, & M. S. W. McGoldrick (Orgs.), As mudanças no ciclo de vida familiar: uma estrutura para a terapia familiar (pp. 373-392). Porto Alegre: Artmed.

Spink, M. J. P. (2000). Desvendando as teorias implícitas: Uma metodologia de análise das representações sociais. In: P. Guareschi, S., & Jovchelovitch (Orgs.), Textos em representações sociais (pp. 117-145). Petrópolis: Vozes.

Teston, E. F., Santos, A. L., Cecilio, H. P. M., Manoel, M. F., & Marcon, S. S. (2013). A vivência de doentes crônicos e familiares frente a necessidade de cuidado. Ciência, cuidado e saúde, 12(1), 131-138. DOI: 10.4025/cienccuidsaude.v12i1.21721.

Publicado
2017-06-26
Como Citar
Oliveira, J. de P., Lima, M. F., & Ferreira, C. B. (2017). SENTIDOS DE SAÚDE, DOENÇA E CUIDADO PARA UM PACIENTE COM TRAUMATISMO CRÂNIO-ENCEFÁLICO. Perspectivas Em Psicologia, 21(1). https://doi.org/10.14393/PPv21n1a2017-03