EXPEDIENTE

  • Comissão Editorial Revista Perspectivas em Psicologia
  • Comissao Editorial Revista Perspectivas em Psicologia
Palavras-chave: Psicologia, Educação, Saúde, Psicanálise.

Resumo

Expediente da Revista Perspectivas em Psicologia, volume 21, n. 1, jan/jun 2017.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Comissão Editorial, Revista Perspectivas em Psicologia
Editorial
Comissao Editorial, Revista Perspectivas em Psicologia
EDUFU - Editora da Universidade Federal de Uberlândia

Referências

Abiven, M. (2001). Para uma Morte mais Humana

Academia Nacional de Cuidados Paliativos (ANCP). (2013). Manual de cuidados paliativos. Rio de Janeiro: Diagraphic.

Adeleye, O. A., & Adebamowo, C. A. (2012). Factors associated with research wrongdoing in Nigeria. Journal of Empirical Research on Human Research Ethics, 7(5), 15-24.Retrieved from<http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/23324199> DOI: 10.1525/jer.2012.7.5.15.

Affonso, R. M. L. (2005). A importância da epistemologia no ensino da avaliação psicológica no processo psicodiagnóstico. Avaliação Psicológica, 4, 183-193.

Agência Europeia para a Segurança e Saúde no Trabalho (2010). Inquérito europeu das empresas de riscos novos e emergentes (ESENER). Disponível em: http://osha.europa.eu/pt/publications/reports/pt_esener1-summary.pdf/view.

Aguilar-Zinser, V., Irigoyen, M. E., Rivera, G.; Maupomé, G., Sánchez-Pérez, L. & Velázquez, C. (2008). Cigarette smoking and dental caries among professional truck drivers in Mexico, Caries Research, 42, 255-262, https://doi.org/10.1159/000135670.

Alisson, E. Má conduta científica é um problema global, afirma pesquisador. Agência Fapesp, 20 Agosto de 2014. Recuperado de<http://agencia.fapesp.br/ma_conduta_cientifica_e_um_problema_global_afirma_pesquisador/19643/>

Almeida, M., Lucena, F., Franzen, E. & Laurent, C. M. (2009). Processo de enfermagem na pratica clínica: estudos de caso realizados no Hospital de Clínicas de Porto Alegre. Artmed Editora.

Álvarez, C. C. B. (2012). Riesgo psicosocial intralaboral y "burnout" en docentes universitarios de algunos países latinoamericanos. Cuadernos de Administración, 28(48), 117-132.

Amorim, W. W.,& Oliveira, M. G. (2010). Cuidados no final da vida. Saúde Coletiva, 43(7), 198.

Anderson, D. G. & Riley, P. (2008). Determining standards of care for substance abuse and alcohol use in long-haul truck drivers. Nursing Clinics of North America, 43, 357-365. https://doi.org/10.1016/j.cnur.2008.04.003.

Andrusaitis, S. F., Oliveira, R. P. & Barros-Filho, T. E. P. (2006). Study of the prevalence and risk factors for low back pain in truck drivers in the state of São Paulo, Brazil. Clinics, 61, 503-510, from http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1807-59322006000600003&lng=pt. https://doi.org/10.1590/s1807-59322006000600003.

Angerami-Camom, V.A. (2009). Psicologia da Saúde: um novo significado para a prática clínica. (1ª. ed). São Paulo: Cengage Learning.

Apostolopoulosa, Y., Sonmezc, S., Shattelld, M. M., Gonzalese, C. & Fehrenbacher, C. (2013). Health survey of U.S. long-haul truck drivers: Work environment, physical health, and healthcare access. Work, 46,113-123.

Aragaki, S. S., Lima, M. L. C., Pereira, C. C. Q., & Nascimento, V. L. V. (2014). Entrevistas:

Araújo, L. O., Feijó, L. P., Luz, I., Ernandez, C. C., Silva, J. D., & Oliveira, D. S. (2013). Reflexão conceitual e empírica da importância dos intrumentos de entrevista inicial: anamnese e genograma. Anais Da VI Mostra Científica Do Cesuca. Cachoeirinhas-Rs, 1, 1-12.

Araújo, T. M. (1999). Trabalho e distúrbios psíquicos em mulheres trabalhadoras de enfermagem. Tese de Doutorado em Saúde Pública. Universidade Federal da Bahia. Salvador, BA.

Araújo, T. M., Graça, C. C., & Araújo, E. (2003). Estresse ocupacional e saúde: contribuições do Modelo Demanda-Controle. Ciência & Saúde Coletiva, 8(4), 991-1003. DOI: 10.1590/S1413-81232003000400021.

Areias, M. E. Q., & Guimarães, L. A. M. (2004). Gênero e estresse em trabalhadores de uma universidade pública do Estado de São Paulo. Psicologia em Estudo, 9(2), 255-262. DOI: 10.1590/S1413-73722004000200011.

Auge, A. P. F., Rossi, L. M. & Aoki, T (2009). Avaliação da sexualidade em mulheres submetidas à histerectomia para tratamento do leiomioma uterino. Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia, 31(10), 503-507.

Barbosa, M. C.S. & Horn, M. G.S. (2008) Projetos pedagógicos na educação infantil. Porto Alegre: Artmed.

Baruzzi, A. C., & Ikeoka, D. T. (2013). Terminalidade e cuidados paliativos em terapia intensiva. Revista da

Associação Médica Brasileira, 59(6), 528-530. https://doi.org/10.1016/j.ramb.2013.06.018

Bernard, J. M. (1986). Laura Perls: from ground to figure. Life Lines. Journal of Counseling and Development. February, 64, 367-373.

Bettelheim, B. (2002). A psicanálise dos contos de fadas (16ª ed.). Paz e Terra.

Bifulco, V. A., & Iochida, L. C. (2009). A formação na graduação dos profissionais de saúde e a educação para o cuidado de pacientes fora de recursos terapêuticos de cura. Revista Brasileira de Educação Médica, 33(1), 92-100. https://doi.org/10.1590/S0100-55022009000100013

Birdsey, J., Sieber, W. K., Chen, G. X., Hitchock, E. M., Lincoln, J. E., Nakata, A., Robinson, C. F. & Sweeney, M. H. (2015). National survey of US Long-Haul truck driver health and injury: health behaviors. Journal of Occupational and Environmental Medicine, 57, 201-206. https://doi.org/10.1097/jom.0000000000000338.

Bitencourt, A. G. V., el at. (2007). Condutas de limitação terapêutica em pacientes internados em Unidade de Terapia Intensiva. Revista brasileira de terapia intensiva, 19(2), 137-143. https://doi.org/10.1590/S0103-507X2007000200001

Bogdan, R., & Biklen, S. (1994). Investigação qualitativa em educação: uma introdução à teoria e aos métodos. Porto: Porto Editora.

Böing, E. & Crepaldi, M.A,. (2010). O Psicólogo na atenção básica: uma incursão pelas políticas públicas de saúde Brasileiras. Psicologia: Ciência e Profissão, 30(3), 634-649. DOI: 10.1590/S1414-98932010000300014.

Borges, C. C., Mishima, S., & McName, S. (2008). Da autonomia à responsabilidade relacional: explorando novas inteligibilidades para as práticas de saúde. Revista Interinstitucional de Psicologia, 1(1), 8-19.

Borges, L. O., Guimarães, L. A. M.,& Silva, S. S. (2013). Diagnóstico e promoção da saúde psíquica no trabalho. In Borges, L. O. & Mourão, L., O trabalho e as organizações: atuações a partir da psicologia (pp. 580-618). Porto Alegre: Artmed.

Botelho, L. L. R., Cunha, A. C. C., & Macedo, M. (2011). O método da revisão integrativa nos estudos organizacionais. Gestão e sociedade, 5(11), 121-136.

Brant, L. C., & Minayo-Gomes, C. (2004). A transformação do sofrimento em adoecimento: do nascimento da clínica à psicodinâmica do trabalho. Ciência & Saúde Coletiva, 9(1), 2013-223. DOI: 10.1590/S1413-81232004000100021.

Brasil (2011). Ministério da Ciência e Tecnologia, (2012) Estratégia Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação 2012-2015: Balanço das Atividades Estruturantes 2011. Brasília: Autor. Recuperado de<http://www.mct.gov.br/upd_blob/0218/218981.pdf>.

Brasil (2012). Resolução nº 466, de 12 de dezembro de 2012. (2013, junho 13) Regulamenta diretrizes e normas de pesquisas envolvendo seres humanos (revoga resoluções anteriores) Diário Oficial da União, Brasília: DF.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. (2013). Diretrizes de atenção à reabilitação da pessoa com traumatismo cranioencefálico. Brasília: Ministério da Saúde.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria Nacional de Assistência Social à Saúde (1997). ABC do SUS: doutrinas e princípios. Brasília: Ministério da Saúde.

Brazilian Meeting on Research Integrity, Science and Publications Ethics. I BRISPE Recuperado de <http://www.ibrispe.coppe.ufrj.br/>; II BRISPE, Recuperado de <http://www.iibrispe.coppe.ufrj.br/>.III

BRISPE, Recuperado de<http://www.wcri2015.org/in-the-news/25-iii-brispe.html>

Breschigliari, J., & Jafelice, G. (2015). Plantão Psicológico: ficções e reflexões. Psicologia: Ciência e Profissão, 35(1), 225-237. DOI: 10.1590/1982-3703000112014.

Caetano, J. P. M., Fernandes, M. V., Marcon, S. S., & Decesaro, M. N. (2011). Refletindo sobre as relações familiais e os sentimentos aflorados no enfrentamento da doença crônica. Ciência, cuidado e saúde, 10(4),845-852. DOI: 10.4025/cienccuidsaude.v10i4.18331

Camargo Jr, K. R. D. (2014). Publicar ou perecer, ou perecer por publicar (em excesso)?. Physis: Revista de Saúde Coletiva, 24(2), 337-339.Recuperado de<http://www.scielo.br/pdf/physis/v24n2/0103-7331-physis-24-02-00337.pdf>

CAPES (2011). Coordenação de aperfeiçoamento de pessoal de nível superior. Orientações Capes - Combate ao plágio. Brasília-DF. Recuperado de<https://www.capes.gov.br/images/stories/download/diversos/OrientacoesCapes_CombateAoPlagio.pdf>

Cardoso, D. H., Muniz, R. M., Schwartz, E.,& Arrieira, I. C. O. (2013). Cuidados paliativos na assistência hospitalar: A vivência de uma equipe multiprofissional. Texto Contexto & Enfermagem, 22(4), 1134-41. https://doi.org/10.1590/S0104-07072013000400032.

Carvalho, L., Alves, A., Passos, C., Lopes, F., Holanda, R., & Moreira, V. (2015). A ética do cuidado e o encontro com o futuro no contexto de uma clínica-escola em Fortaleza. Revista da Abordagem Gestáltica, XXI(1), 01-12.

Castoldi, L., & Scheffel, M. (2006). Prática em saúde no âmbito da clinica-escolar a teoria. São Paulo: Casa Do Psicólogo.

Castro, D. A. (2001). Psicologia e

Castro, E.K. & Bornholdt, E. (2004). Psicologia da saúde x psicologia hospitalar: definições e possibilidades de inserção profissional. Psicologia: Ciência e Profissão, 24(3), 48-57. DOI: 10.1590/s1414-98932004000300007.

Cavagioni, L. C., Bensenör, I. M., Halpern, A. & Pierin, A. M. G. (2008). Síndrome metabólica em motoristas profissionais de transporte de Cargas da Rodovia BR-116 no trecho Paulista-Régis Bittencourt. Arquivos Brasileiros Endocrinologia & Metabologia, 52(6), 1015-1023, from http://www.scielo.br/pdf/abem/v52n6/13.pdf. https://doi.org/10.1590/s0004-27302008000600013.

Cazassa, M. J. (2007). Mapeamento de esquemas cognitivos: validação da versão brasileira do Young Schema Questionnaire

Cazassa, M. J., & Oliveira, M. S. (2008). Terapia focada em esquemas: conceituação e pesquisas. Revista Psiquiatria Clínica, 35, 187-195. https://doi.org/10.1590/S0101-60832008000500003.

Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (CREMESP). Resolução nº 71 de 8 de Novembro de 1995. Diário Oficial do Estado, São Paulo, 1995.

Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo.

(2008). Cuidado Paliativo. São Paulo: CREMESP.

Corso, D. L., & Corso, M. (2006). Fadas no divã: psicanálise nas histórias infantis. Porto Alegre: Artmed.

Coser, J., Fontoura, S., Rizzi, C. & Fontoura, T. (2009). Triagem dos perfis lipídico e glicídico em caminhoneiros que trafegam no centro unificado de fronteira entre Brasil e Argentina. Revista Brasileira de Análise Clinica, 3, 223-228, from http://bases.bireme.br/cgi-bin/wxislind.exe/iah/online/?IsisScript=iah/iah.xis&src=google&base=LILACS&lang=p&nextAction=lnk&exprSearch=544447&indexSearch=ID

Cosmo M. & Carvalho J. W. A. Pensando sobre o período pré-operatório na histerectomia. Revista da Sociedade Brasileira de Psicologia Hospitalar, 3(1), 27-30.

Costa Filho, R. C., Costa, J. L. F., Gutierrez, F. L. B. R., & Mesquita, A. F. (2008). Como implementar cuidados paliativos de qualidade na unidade de terapia intensiva. Revista Brasileira de Terapia Intensiva, 20(1), 88-92. https://doi.org/10.1590/S0103-507X2008000100014.

Costa, A. M., Cadore, C., Lewis, M. d., & Perrone, C. M. (jan./jun. de 2013). Oficina terapêutica de contos infantis no CAPSi: Relato de uma experiência. Barbarói, 235-249.

Costa, A., & Zoltowski, A. (2014). Como escrever um artigo de revisão sistemática. InS. Koller., M. Couto., & J. Hohendorff (Orgs.), Manual de produção científica (55-70). Porto Alegre: Penso, 2014.

Costa, L. S., & Santos, M. (2013). Fatores Psicossociais de Risco no Trabalho: Lições Aprendidas e Novos Caminhos. International Journal on Working Conditions, 1(5), 39-58.

Cury, A. A. D. B. & Rosing, C. K. (2013). Self-plagiarism in scientific journals: an emerging discussion. Brazilian oral research, 27(6), 451-452.Retrieved from<http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1806-83242013000600451> DOI: 10.1590/S1806-83242013000600001

Czeresnia, D. (2003). O conceito de saúde e a diferença entre prevenção e promoção. Em: D. Czeresnia e C.M. Freitas (Orgs.), Promoção da Saúde: conceitos, reflexões, tendências (pp. 39-53). Rio de Janeiro: Editora Fiocruz.

Davydov, V.V. (1998). Problemas do ensino desenvolvimental: a experiência da pesquisa teórica e experimental na Psicologia. In: Revista Soviet Education, August/Vol XXX, N° 8, Davídov, V. V. La enseñanza escolar y el desarrollo psíquico. Moscú: Editorial Progreso.

De Marco, M.A. (2010). A face humana da medicina: do modelo biomédico ao modelo biopsicossocial. (2ª. Ed). São Paulo: Casapsi.

Dejours, C. (2004). Addendum

Dejours, C., & Abdoucheli, E. (1993). Itinerário teórico em psicopatologia do trabalho. In Dejours, C.; Abdoucheli, E. &Jayet, C., Psicodinâmica do trabalho: contribuições da escola dejouriana à análise da relação prazer, sofrimento e trabalho (pp. 119-145). São Paulo: Atlas.

Dimenstein, M.D.B. (1998). O psicólogo nas Unidades Básicas de Saúde: desafios para a formação e atuação profissionais. Estudos de Psicologia, 3(1), 53-81. DOI: 10.1590/S1413-294X1998000100004.

Duarte, A. L. C., Nunes, M. L. T., & Kristensen, C. H. (2008). Esquemas Desadaptativos: revisão sistemática qualitativa. Revista Brasileira De Terapias Cognitivas, 4, 1-13.

Dutra, E. (2013). Formação do psicólogo clínico na perspectiva fenomenológico-existencial: dilemas e desafios em tempos de técnicas. Revista da Abordagem Gestáltica, XIX(2), 205-211.

Eizirik, C.L. (2001). O ciclo da vida humana: uma perspectiva psicodinâmica. Porto Alegre: Artmed Editora.

Fanelli, D. (2009). How many scientists fabricate and falsify research? A systematic review and meta-analysis of survey data. PloS one, 4(5), e5738. Retrieved from<http://journals.plos.org/plosone/article?id=10.1371/journal.pone.0005738> DOI: 10.1371/journal.pone.0005738.

FAPESP (2014). Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo. Código de Boas Práticas Científicas. Recuperado de<http://www.fapesp.br/boaspraticas/FAPESP-Codigo_de_Boas_Praticas_Cientificas_2014.pdf>

FAPESP (2017). Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo. Sumários de Casos. Recuperado de<http://www.fapesp.br/8577>

Faria, N. J. (2005). Gestalt-Terapia, Subjetividade e Cultura. Em Holanda, A. F. & Faria, N. J. (Orgs.). Gestalt-terapia e Contemporaneidade: contribuições para uma construção epistemológica da teoria e da prática gestáltica. (p. 57-82). Campinas: Livro Pleno.

Feijó, G. (2006). A psicologia e o processo de humanização no hospital diante da relação enfermeiro- paciente. Trabalho de Conclusão de Curso de Graduação em Psicologia, Universidade do Sul de Santa Catarina, Palhoça.

Ferreira, A., Lopes, L., & Melo, M. (2011). O papel do psicólogo na equipe em cuidados paliativos junto ao paciente com câncer. Revista da Sociedade Brasileira de Psicologia Hospitalar, 14(2), 85-98.

Ferreira, H. P., Martins, L. C., Braga, A. L. F., & Garcia, M. L. B. (2012). O impacto da doença crônica no cuidador. Revista Brasileira de Clínica Médica. São Paulo, 10(4), 278-284.

Ferreira, P. D., & Mendes, T. N. (2013). Família em UTI: importância do suporte Psicológico diante da iminência de morte. Revista da SBPH, 16(1), 88-112.

Ferreira, R. M. B. & Lemos, M. F. (2016). A mulher e o câncer de mama: um olhar sobre o corpo adoecido. Perspectivas em Psicologia, 20(1), 178

Ferro, A. (1995). A técnica na psicanálise infantil: a criança e o analista da relação ao campo emocional. Rio de Janeiro: Imago.

Figueiredo M. T. A. (2006). Reflexões sobre os cuidados paliativos no Brasil. Prática Hospitalar, 8(47), 36-40.

Fittipaldi, A. Q. (2007). Construindo uma cultura de paz: a abordagem gestáltica como um instrumento. 123f. Dissertação (Mestrado em Psicologia) - Universidade de Brasília, Brasília.

Fonseca, A. C., & Fonseca, M. J. M. (2010). Cuidados paliativos para idosos na unidade de terapia intensiva: realidade factível. Scientia Medica (Porto Alegre), 20(4), 301-309.

Fonseca, S. F. A. (2012). Relatório prática clínica: Cuidados paliativos em cuidados intensivos Dissertação de Mestrado, Instituto Politécnico de Castelo Branco da Escola Superior de Saúde Dr. Lopes Dias, Castelo Branco, Portugal.

Forte, D. N. (2011). Associações entre as características de médicos intensivistas e a variabilidade no cuidado ao fim de vida em UTI. Tese de Doutorado, Faculdade de Medicina, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP. https://doi.org/10.11606/t.5.2011.tde-07122011-124313.

Fossi, L.B. & Guareschi, N.M.F. (2004). A psicologia hospitalar e as equipes multidisciplinares. Revista da SBPH, 7(1), 29-43.

Frazão, L.M. & Fukumitsu, K.O. (2014). Gestalt-Terapia. Conceitos Fundamentais. São Paulo: Summus.

Freire, A. C; & Mattos, J. S (1996). Humanização em saúde

From, I. & Miller, M. V. (1997). Introdução à edição do The Gestalt Journal. Em Perls, F. S.; Hefferline, R.; Goodman, P. (1951/1997). Gestalt-terapia. São Paulo: Summus.

Galvão, C. M., Mendes, K. D. S., & Silveira, R. C. C. P. (2010). Revisão integrativa: método de revisão para sintetizar as evidências disponíveis na literatura. Brevidelli M.M, Sertório SCM. Trabalho de conclusão de curso: guia prático para docentes e alunos da área da saúde. São Paulo: Iátrica, 105-26.

Gasparelo, C., Sales, C. A., Marcon, S. S., & Salci, M. A. (2010). Percepções de mulheres sobre a repercussão da mastectomia radical em sua vida pessoal e conjugal. Ciência, cuidado e saúde, 9(3), 535-542.

Gaudêncio, T. G., & Leão, G. M. (2013). A epidemiologia do traumatismo crânio- encefálico: um levantamento bibliográfico no Brasil. Revista Neurociências, 21(3), 327-434. DOI: 10.4181/RNC.2013.21.814.8p.

Glina, D. M. R., Rocha, L. E., Batista, M. L.,& Mendonça, M. G. V. (2001). Saúde mental e trabalho: uma reflexão sobre o nexo com o trabalho e o diagnóstico, com base na prática. Cad. Saúde Pública, 17(3), 607-616. DOI: 10.1590/S0102-311X2001000300015.

Gollac, M., & Bodier M. (2011). Mesurerles facteurs psychosociaux de risque au travail pour les maîtriser (Relatório do Collège d

Gonçalves, M. d., & Braga, A. A. (2015). Era uma vez... Os contos de fadas como recurso terapêutico com criancas hospitalizadas. Revista Psicologia, Diversidade e Saúde, 4, 5-20.

Granato, T. M., Corbett, E., & Aiello-Vaisberg, T. M. (jan./mar. de 2011). Narrativa interativa e psicanálise. Psicologia em estudo, 16, 157-163.

Grieger, M. C. A. (2007). Escritores-fantasma e comércio de trabalhos científicos na internet: a ciência em risco. Ver Assoc Med Bras, 53(3), 247-51.Recuperado de<http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-42302007000300023&lang=pt> DOI: 10.1590/S0104-42302007000300023.

Guedes, H. M., Brum, K. A., Costa, P. A & Almeida, E. F. (2010). Fatores de risco para o desenvolvimento de hipertensão arterial entre motoristas caminhoneiros. Cogitare Enfermagem, 15(4), 652-658, from http://revistas.ufpr.br/cogitare/article/viewFile/20361/13522. https://doi.org/10.5380/ce.v15i4.20361.

Guimarães, L. A. M. (2013). Fatores Psicossociais de Risco no Trabalho. In Ferreira, J. J. & Penido, L. O., Saúde mental no trabalho: coletânea do fórum de saúde e segurança no trabalho do Estado de Goiás (pp. 273-282). Goiânia: Cir Gráfica.

Guimarães, L. A. M., & MacFadden, M. A. J. (1999). Validação para o Brasil do SWS© - Survey

Gutfreind, C. (2010). O terapeuta e o lobo: a utilização do conto na psicoterapia da criança. Rio de Janeiro: Artes e Ofícios.

Haberkorn, A. (2004). A Atuação Psicológica na UTI. Em W. L. Bruscato; C. Benedetti & S. R. Lopes (Orgs.), A Prática da Psicologia Hospitalar na Santa Casa de São Paulo: Novas páginas em uma Antiga História. (pp. 99-108). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Heitman, E., &Litewka, S. (2011). International perspectives on plagiarism and considerations for teaching international trainees. In Urologic Oncology: Seminars and Original Investigations (Vol. 29, No. 1, pp. 104-108). Elsevier.Retrieved from<https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3038591/>. DOI: 10.1016 / j.urolonc.2010.09.014.

Helou, F. (2013). Frederick Perls, inquietações e travessias: da Psicanálise à Gestalt-terapia. 144f. Dissertação (Mestrado em Psicologia Clínica e Cultura) - Universidade de Brasília, Brasília.

Helou, F. (2015). Frederick Perls, vida e obra em busca da Gestalt-Terapia. São Paulo: Summus.

Henrique, I. F. S., Micheli, D., Lacerda, R. B., Lacerda, L. A., Formigoni, M. L. O. S. (2004). Validação da versão brasileira do teste de triagem do envolvimento com álcool, cigarro e outras substâncias (ASSIST). Revista de Associação de Medicina Brasileira, 50(2), 199-206, from http://www.scielo.br/pdf/ramb/v50n2/20784. https://doi.org/10.1590/S0104-42302004000200039.

Hermes, H. R., & Lamarca, I. C. A. (2013). Cuidados paliativos: uma abordagem a partir das categorias profissionais de saúde. Ciência & Saúde Coletiva, 18(9), 2577-2588. https://doi.org/10.1590/S1413-81232013000900012.

Higginson, I. J., & Evans, C. J. (2010). What is the evidence that palliative care teams improve outcomes for cancer patients and their families. The Cancer Journal, 16(5), 423-35. https://doi.org/10.1097/PPO.0b013e3181f684e5.

Hirata, H. (2011). Tendências recentes da precarização social e do trabalho: Brasil, França, Japão. Caderno CRH, 24(1), 15-22. DOI: 10.1590/S0103-49792011000400002.

Hofmann, B., Myhr, A. I., & Holm, S. (2013). Scientific dishonesty

Holanda, A. F. & Karwowski, S. L. (2004). Produção Acadêmica em Gestalt-terapia no Brasil: análise de Mestrados e Doutorados. Psicologia, Ciência e Profissão, 24(2), 60-71. DOI: 10.1590/S1414-98932004000200008.

Holanda, A. F. (2005). Elementos de epistemologia da Gestalt-terapia. Em Holanda, A. F.; Faria, N. J. (Orgs.). Gestalt-terapia e Contemporaneidade: contribuições para uma construção epistemológica da teoria e da prática gestáltica. (p. 23-55). Campinas: Livro Pleno.

Holanda, A. F. (2009). Gestalt-terapia e abordagem gestáltica no Brasil: análise de mestrados e doutorados (1982-2008). Estudos e Pesquisas em Psicologia, UERJ, RJ, ano 9, 1, 98-123. Em http://www.revispsi.uerj.br/v9n1/artigos/pdf/v9n1a09.pdf. DOI: 10.12957/epp.2009.9138.

Honoré, C. (2005). Devagar. Rio de Janeiro: Record.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia E Estatística. Censo Demográfico de 2016. Disponível em: <http://www.cidades.ibge.gov.br/v3/cidades/municipio/5217401>. Acesso em: 13/06/2016.

Inácio, A. C., Vollman, D. D., Langaro, F., & Silva, M. C. C. O. (2015). Psicologia e Cuidados Paliativos em UTI neonatal. Revista Interdisciplinar de Estudos em Saúde, 4(2). Retirado de http://www.periodicosuniarp.com.br/ries/article/view/715.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2009). A qualidade da informação sobre a mortalidade no Brasil recente e avaliação do impacto das causas violentas no número de anos de vida perdidos. Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, Indicadores Sociodemográficos e de Saúde no Brasil: Autor.

Jain, N. B., Hart, J. E., Smith, T. J., Garshick, E. & Laden, F. (2006). Smoking behavior in trucking industry workers. American Journal of Industrial Medicine, 49(12), 1013-1020. https://doi.org/10.1002/ajim.20399.

Jamarino, A. M. (2009). Análise da percepção corporal e sexual de mulheres histerectomizadas. 52f. Trabalho de Conclusão de Curso. Enfermagem. Centro Regional Universitário de Espírito Santo do Pinhal, SP.

Karasek, R. A. (1979). Job Demand, job decision latitude, and mental strain: implications for job redesign. Administrative Science Quarterly, 24(2) 285-308. DOI: 10.2307/2392498.

Karasek, R. A. (1985). Job Content Questionnaire and User's Guide. Lowell (MA): University of Massachusetts.

Karasek, R. A. (1998). El modelo de Demandas-Control: enfoque social, emocional y fisiologico del risco de estres y desarrollo de comportamientos activos. In Organización Internacional Del Trabajo (OIT). Enciclopedia de Salud y Seguridade nel Trabajo (pp. 34.6-34.16). Genebra: OIT.

Karasek, R. A.,& Theorell, T. (1990). Healthy work: stress, productivity and there construction of working life. New York: Basic Books.

Kishimoto, T. M. (Org). (1998). O brincar e suas teorias. São Paulo: Pioneira.

Kluber-Ross E. (1998). A Roda da vida (5a. ed.). Rio de Janeiro: Sextante.

Kovács, M. J. (2014). A caminho da morte com dignidade no século XXI. Revista Bioética, 22(1), 94-104. https://doi.org/10.1590/S1983-80422014000100011.

Lazaretti, L. M. Daniil Borisovich Elkonin: a vida e as produções de um estudioso do desenvolvimento humano. (2013) In: Longarezi, A. M. & Puentes, R. V (Orgs). Ensino desenvolvimental: vida, pensamento e obra dos principais representantes russos. (p.203-231). Uberlândia: EDUFU.

Lazzari, D. D., Schmidt, N., & Jung, W. (2012). Educação continuada em unidade de terapia intensiva na percepção de enfermeiras. Revista de Enfermagem da UFSM, 2(1):88-96.

Lee, S. & Jeong, B. Y. (2016). Comparisons of traffic collisions between expressways and rural roads in truck drivers. Safety and Health at Work, 7, 38-42, from https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4792911/pdf/main.pdf. https://doi.org/10.1016/j.shaw.2015.11.005.

Lemos, A. C., & Silva, N. C. (Jan/Jul de 2012). A função terapêutica da arte de contar histórias. Intersemiose, I(1), 7-23.

Lemos, L. C., Marqueze, E. C., Moreno, C. R. C. & Castro, R. (2014). Prevalência de dores musculoesqueléticas em motoristas de caminhão e fatores associados. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, 39, 26-34, from http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0303-76572014000100026. https://doi.org/10.1590/0303-7657000062212.

Leopoldo, K., Leyton, V. & Oliveira, L. G. (2015). Uso exclusivo de álcool e em associação a outras drogas entre motoristas de caminhão que trafegam por rodovias do Estado de São Paulo, Brasil: um estudo transversal. Caderno de Saúde Pública, 31(9), 1916-1928, from http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0102-311X2015000901916&script=sci_abstract&tlng=pt. https://doi.org/10.1590/0102-311x00047214.

Libâneo, J. C. & Freitas, R., A. M. (2013). Vasilyevich Davidovy: escola e a formação do pensamento teórico-científico. Longarezi, A. M. & Puentes, R. V (Orgs). Ensino desenvolvimental: vida, pensamento e obra dos principais representantes russos. (pp.327-362), Uberlândia: EDUFU.

Libâneo, J. C. (2004). A didática e a aprendizagem do pensar e do aprender: a teoria histórico-cultural da atividade e a contribuição de Vasili Davydov. In: Revista Brasileira de Educação. Nº27. Set/out. https://doi.org/10.1590/s1413-24782004000300002.

Lichtenberg, P. (2012). Inclusive and Exclusive Aggression: Some (Gestalt) Reflections. Gestalt Review, 16(2), 145-161.

Lins, M. I. (2006). Consultas terapêuticas (2ª ed.). São Paulo: Casa do psicológo.

Lobb, M. S. (2015). Fundamentals and development of Gestalt Therapy in the contemporary context. Gestalt Review, 19(2), 1-24.

Loffredo, A. M. (1992). De cotovelos apoiados no para-peito da palavra: no cenário clínico, qual é o horizonte? 264f. Tese (Doutorado em Psicologia) - Universidade de São Paulo, São Paulo.

Loose, C. (2011). Schematherapy For Children. Disponível Em Http://Www.Schematherapy- For-Children.De. Acesso em 13 de março de 2015.

Loose, C., Graaf, P., & Zarbock,G. 2013. Schematherapie Mit Kindern Und Jugendlichen. Basel: Beltz Verlag.

Lopes, J. B., & Melo, W. V. (2014). A compreensão da repercussão dos esquemas iniciais desadaptativos, através da teoria dos esquemas, para otimização dos tratamentos de traumas. Revista Saúde E Desenvolvimento Humano, 2, 75-86.

Lopes, R.F.F. (2015). Terapia do esquema em grupo com crianças e adolescentes. In: C. Neufeld (Org.), Terapia Cognitivo-Comportamental em grupo para crianças e adolescentes (pp.102-128). Porto Alegre: Artmed.

Lopes. R.F.F., & Lopes, E. J. L. (2013). Baralho Dos Problemas. Porto Alegre: Synopsis.

Lyons, A. C., & Chamberlain, K. (2006). Health Psychology: a critical introduction. New York: Cambridge. DOI: 10.1017/CBO9780511807985.

Machado, N. P. (2005). Interfaces do Câncer. Revista Brasileira de Cancerologia. São Paulo, 5 (28). Disponível em: . Acesso em: 04/06/2016

Maciel M. G. S. (2006). A terminalidade da vida e os cuidados paliativos no Brasil: considerações e perspectivas. Prática Hospitalar, 7(47), 46-49.

Maia, J., Freire, J., & Oliveira, M. (2012).

Maluf, A. C. M., Silva, L., Paganine, M. C., Padilha, K. G., & Gandolpho, M. A.(2008). Uma leitura bioética sobre cuidados paliativos: caracterização da produção científica sobre o tema. Bioethikos, 2(1), 99-104.

Mansur, A. P., Rocha, M, A. B. S., Leyton, V., Takada, J. Y., Avakian, S. D., Santos, A. J., Novo, G. C., Nascimento, A. L., Munöz, D. R. & Rohlfs, W. J. C. (2015). Risk factors for cardiovascular disease, metabolic syndrome and sleepiness in truck drivers. Arquivos Brasileiros de Cardiologia, 105(6), 560-565, from http://www.scielo.br/pdf/abc/v105n6/0066-782X-abc-20150132.pdf

Manzini, E. J. (1991). A Entrevista na Pesquisa Social. Didática, 26, 149-158.

Manzini, E. J. (2003). Considerações sobre a elaboração de roteiro para entrevista semi- estruturada. In: M. C. Marquezine, M. A. Almeida, & S. Omote. Colóquios sobre pesquisa em educação especial (pp.11-25). Londrina: Eduel.

Manzini, E.J. (2004). Entrevista semi-estruturada: análise de objetivos e de roteiros. Seminário internacional sobre pesquisa e estudos qualitativo, anais a pesquisa qualitativa em debate. Bauru-SP, 1,1-10.

Marconi, M. A. & Lakatos, E. M. Fundamentos de Metodologia Científica. São Paulo: Editora Atlas.

Marques, F. (2014). Do Compromisso à Ação. Revista Pesquisa FAPESP, Ed. 223, 37-41. Recuperado de<http://revistapesquisa.fapesp.br/2014/09/16/compromisso-acao/>.

Marqueze, E. L., Ulhôa, M. A. & Moreno, C. R. C. (2013). Effects of irregular-shift work and physical activity on cardiovascular risk factors in truck drivers. Revista de Saúde Pública, 47(3), 497-505, from http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-89102013000300497. https://doi.org/10.1590/S0034-8910.2013047004510.

Martinho, A. R., Pilha, L., & Sapeta, P. (2015). Competências do psicólogo em cuidados paliativos. Retirado dehttp://repositorio.ipcb.pt/bitstream/1/RSL%20repositorio.pdf

Martins, B. C. P. C. C. (2016). Cuidados Paliativos para pacientes em estado terminal em Unidades de Terapia Intensiva, Revisão Sistemática e Metanálise. Dissertação de Mestrado, Faculdade de Medicina, Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho", Botucatu, SP.

Masson, V. A. & Monteiro, M. I. (2010a). Estilo de vida, aspectos de saúde e trabalho de motoristas de caminhão. Revista Brasileira de Enfermagem, 63(4), 533-540, from http://www.scielo.br/pdf/reben/v63n4/06.pdf

Masson, V. A. & Monteiro, M. I. (2010b). Vulnerabilidade à doenças sexualmente transmissíveis/AIDS e uso de drogas psicoativas por caminhoneiros. Revista Brasileira de Enfermagem, 63(1), 79-83, from http://www.scielo.br/pdf/reben/v63n1/v63n1a13.pdf

Matos, E., Pires D. E. P., & Gelbcke, F. L. (2012). Implicações da interdisciplinaridade na organização do trabalho da enfermagem: estudo em equipe de cuidados paliativos. Revista Eletrônica de Enfermagem 14(2), 230-239. https://doi.org/10.5216/ree.v14i2.13237.

Meira, A. M. (Jul./Dez. de 2012). A educação, o brincar e a infância contemporânea. Revista de Educação PUC, 17(2), 173-179.

Mello, M. A. & Campos, D. A. (2013). Bases conceituais da obra de A. V. Petrovsky: implicações nos processos de ensinar e aprender na escola. In: Longarezi, A. M. &

Puentes, R. V (Orgs). Ensino desenvolvimental: vida, pensamento e obra dos principais representantes russos. (pp.263-281), Uberlândia: EDUFU.

Melo, A. C., Valero, F. F., & M, Menezes. (2013). A intervenção psicológica em cuidados paliativos. Psicologia, Saúde & Doenças, 14(3), 452-469.

Melo, M. C. B. D. & Barros,

Mendes, A. M. (2007). Da Psicodinâmica à Psicopatologia no Trabalho. In Mendes, A. M. B. (org.), Psicodinâmica do trabalho: teoria, método e pesquisa (pp. 29-48). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Mendes, A. M., & Ferreira, M. C. (2007). Inventário sobre Trabalho e Riscos de Adoecimento

Méndez, B. E. Uma versão brasileira do AUDIT: Alcohol Use Disorders Identification Test. (1999). 120f. Dissertação (Mestrado em Epidemiologia). Pelotas: Universidade Federal de Pelotas, 1999, from http://www.epidemio-ufpel.org.br/site/content/teses_e_dissertacoes/detalhes.php?tese=265

Meneses-Gaya, I. C., Zuardi, A. W., Loureiro, S. R. & Crippa, J. A. S. (2009). As propriedades psicométricas do teste de Fargeström para dependência de nicotina. Jornal Brasileiro de Pneumologia, 35(1), 73-82, from: http://www.scielo.br/pdf/jbpneu/v35n1/pt_v35n1a11.pdf

Ministerio de Empleo y Seguridad Social de la España. (2012). Guía de actuaciones de la inspección de trabajo y Seguridade social sobre riesgos psicosociales. Madrid: Lerko Print S.A.

Morabito, C. R., Sei, M. B., & Arruda, S. L. (2012). Em defesa do brincar e do conto de fadas no desenvolvimento da criança. Ommia Saúde, 9, 67-82.

More, C.L.O.O., Crepaldi, M.A., Queiroz, A.H., Wendt, N.C. & Cardoso, V.S. (2004). As representações sociais do psicólogo entre os residentes do programa de saúde da família e a importância da interdisciplinaridade. Psicologia Hospitalar, 1(1), 59-75.

Moritz, R. D. (2008). Terminalidade e Cuidados na unidade de terapia intensiva. Revista Brasileira de Terapia Intensiva, 20(4), 422-428. https://doi.org/10.1590/S0103-507X2008000400016.

Mota, C., Trad, L.A.B., & Villas Boas, M.J.V.B. (2012). O papel da experiência religiosa no enfrentamento de aflições e problemas de saúde. Interface - Comunicação, Saúde, Educação, 16(42), 665-675. DOI: 10.1590/S1414-32832012000300007.

Müller-Granzotto, M. J.; Müller-Granzotto, R. L. (2007). Perls leitor de Freud, Goldstein e Friedlander e os primeiros ensaios em direção a uma psicoterapia gestáltica. Estudos e Pesquisas em Psicologia, 7(1), 42-55.

Nascimento L. C., Oliveira F. C. S., Moreno M. F., & Silva F. M. (2010). Cuidado espiritual: componente essencial da prática da enfermeira pediátrica na oncologia. Acta Paulista de Enfermagem, 23(3), 437-40. https://doi.org/10.1590/S0103-21002010000300021.

Nunes, L. V. (2009). Papel do psicólogo na equipe de cuidados paliativos. IN: ANCP. Manual de cuidados paliativos. Rio de Janeiro: Diagraphic.

Nunes, M. P. R. S., Gomes, V. L. O., Padilha, M. I., Gomes, G. C. & Fonseca, A.D. (2009). Representações de mulheres sobre a histerectomia. Escola Anna Nery, Revista de Enfermagem, 13(3), 574-581. https://doi.org/10.1590/S1414-81452009000300017.

Office Of Science And Technology Policy(2000). Federal policy on research misconduct; Preamble for research misconduct policy: Notification of final policy. Federal Register: 06 de december de 2000, 65(235), 76260-76264. Washington, DC: Autor. Retrieved from<https://ori.hhs.gov/federal-research-misconduct-policy>.

Okonta, P., & Rossouw, T. (2013). Prevalence of scientific misconduct among a group of researchers in Nigeria. Developing world bioethics, 13(3), 149-157.Retrieved from<http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1111/j.1471-8847.2012.00339.x/abstract> DOI: 10.1111/j.1471 8847.2012.00339.x.PREVALENCE.

Oliveira, A. C., & Silva, M. J. P. (2010). Autonomia em cuidados paliativos: conceitos e percepções de uma equipe de saúde. Acta paulista de enfermagem, 23(2),212-17. https://doi.org/10.1590/S0103-21002010000200010.

Oliveira, A. J. (2009). Uma questão de tempo. In: S. Pripas, Cronos Ensandeciso: sobre a agitação no mundo contemporâneo (p. 167). São Carlos: EdUSCar.

Oliveira, C. M., & Casanova, A. O. (2009). Vigilância da saúde no espaço de práticas da atenção básica. Ciência & Saúde Coletiva, 14(3), 929-936. DOI: 10.1590/S1413-81232009000300029.

Oliveira, E. A., Santos, M. A., & Mastropietro, A. P.(2010). Apoio psicológico na terminalidade: ensinamentos para a vida. Psicologia em Estudo, 15(2), 235-44. https://doi.org/10.1590/S1413-73722010000200002.

Oliveira, L. G., Santos, B., Gonçalves, P. D., Carvalho, B.H., Massad, E & Leytoni, V. (2013). Desempenho da atenção entre motoristas de caminhão brasileiros e sua associação com uso de anfetaminas: estudo-piloto. Revista de Saúde Pública, 47, 1001-5. https://doi.org/10.1590/S0034-8910.2013047004702.

Oliveira, V. T. M., Aguiar, F. H., Queiroz, J. P., & Barrichello, A. (2013). Cola, plágio e outras práticas acadêmicas desonestas: um estudo quantitativo-descritivo sobre o comportamento de alunos de graduação e pós-graduação da área de negócios. Revista de Administração Mackenzie, 15(1).

Oliveira, Z, R. (2007). Educação infantil: fundamentos e métodos. São Paulo. Cortez. (Coleção Docência em Formação).

Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS). (2015). Informe sobre segurança no transito na Região das Américas, from http://www.who.int/violence_injury_prevention/road_safety_status/2013/report/Paho_Roadsafetymanual_port_051515.pdf

Packer, A., Cop, N., Luccisano, A., Ramalho, A., & Spinak, E. (Orgs.). (2014). SciELO

Pádua, G. C. C., & Guilhem, D. (2015). Integridade científica e pesquisa em saúde no Brasil: revisão da literatura. Rev. bioét. (Impr.), 23(1), 124-138. Recuperado de<http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1983-80422015000100124&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt> DOI: 10.1590/1983-80422015231053.

Paiva, F. C. L., Almeida Júnior, J. J., & Damásio, A. C. (2014).

Panter, M. (2015). Em suas próprias palavras: Melhores práticas para evitar o plágio. American Journal Experts. Recuperado de<https://www.aje.com/assets/docs/AJE-Plagarism-Best-Practices-Portuguese-2015.pdf>.

Papaioannou, I., & Bilias, D. (2012). Psychosocial Risks at Work. Working and Living Environmental Protection, 9(1), 53-59.

Paparelli, R., & Nogueira-Martins, M. (2007). Psicólogos em formação: vivências e demandas em plantão psicológico. Psicologia: Ciência e Profissão, 27(1), 64-79. DOI: 10.1590/s1414-98932007000100006.

Paula A F (2006). Câncer cérvico-uterino: uma ameaça (in)evitável? Rev Enferm UERJ, 14(1), 123-29.

Penteado, R. Z., Gonçalves, C. G. O., Costa, D. D & Marques, J. M. (2008). Trabalho e saúde em motoristas de caminhão no interior de São Paulo. Saúde e Sociedade, 17(4), 35-45, from http://www.scielo.br/pdf/sausoc/v17n4/05.pdf. https://doi.org/10.1590/s0104-12902008000400005.

Pereira, V. O., & Lemos, M. F. (Jul/Dez de 2013). A função terapêutica dos contos de fadas: sentimentos e conflitos humanos. Perspectivas em Psicologia, 17(2), 102-114.

Perls, F. S. (1977). Moral, Fronteira do Ego e Agressão. Em Stevens, J. O. (org.). Isto é Gestalt. (p. 49-61). São Paulo: Summus. (Original em 1975).

Perls, F. S. (1979). Escarafunchando Fritz: dentro e fora da lata de lixo. São Paulo: Summus. (Original em 1969).

Perls, F. S. (2002). Ego, Fome e Agressão: uma revisão da teoria e do método de Freud. São Paulo: Summus. (Original em 1942).

Perls, F. S. (2011). A abordagem gestáltica e testemunha ocular da terapia. Rio de Janeiro: LTC. (Original em 1973).

Perls, F. S.; Hefferline, R.; Goodman, P. (1997). Gestalt-terapia. São Paulo: Summus. (Original em 1951).

Perls, L. (1988). A conversation with Laura Perls. Em J. Wysong e E. Rosenfeld (Orgs.), An oral history of Gestalt Therapy: interviews with Laura Perls, Isadore From, Erving Polster, Miriam Polster, Elliot Shapiro. (p.3-25). Gouldsboro, Maine, USA: The Gestalt Journal Press.

Perls, L. (1994). Vivendo en los límites. Valência: Promolibro. (Original em 1992).

Pessini, L. (2016). Vida e morte na UTI: a ética no fio da navalha. Revista Bioética, 24(1), 54-63. https://doi.org/10.1590/1983-80422016241106.

Pimentel, A. (2005). Nutrição Psicológica: desenvolvimento emocional infantil. São Paulo: Summus.

Pires do Rio - Go (cidade). Disponível em: <http://www.piresdorio.go.gov.br/>. Acesso em: 13/06/2016.

Pithan, L. H., & Oliveira, A. P. (2013).

Port, F. L., Henkin, R. S., Feijó, L. P., & Brum, E. H. (Nov. de 2014). Contando recontando... Subjetivando: A importância terapêutica da psicanálise no grupo de contos. Anais da VIII Mostra Científica do Cesuca, 305-310.

Portaria n° 19/ GM de 03 de janeiro de 2002. Institui no Sistema

Pregnolatto, A. P. F., & Agostinho, V. B. M. (2003). O Psicólogo na Unidade de Terapia Intensiva

Pripas, S. (2009). Cronos ensandecido: sobre a agitação do mundo moderno. São Carlos: EduFSCar.

Pripas, S. (2009). O ser sem tempo. In: S. Pripas, Cronos ensandecido: sobre a agitação no mundo contemporâneo (p. 167). São Carlos: EdUFSCar.

Pryor, E. R., Habermann, B., & Broome, M. E. (2007). Scientific misconduct from the perspective of research coordinators: a national survey. Journal of Medical Ethics, 33(6), 365-369.Retrieved from<http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC2598278/pdf/365.pdf> DOI: 10.1136/jme.2006.016394.

Puentes, R. V. & Longarezi, A. M.(2013). A didática desenvolvimental: seu campo conceitual na tradição da psicologia histórico-cultural da atividade. Educação em Revista, 29(1), p. 241

Radino, G. (2003). Contos de fadas e realidade psíquica: a importância da fantasia no desenvolvimento. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Ramos, M. F. F. (2013). Os impasses da sexualidade feminina na obra de Freud. 79f. Dissertação (Mestrado em Psicologia) - Departamento de Psicologia, do Setor de Ciências Humanas Letras e Artes, Universidade Federal do Paraná, Curitiba.

Ramos, M. I. P. (2011). A Entrevista de anamnese sob a ótica do referencial teórico psicodramático: uma contribuição para a psicopedagogia. Revista Psicopedagogia, 28, 97-102.

Ranaldi, C. (2007). Agressão. Em Gladys D´Acri, Patrícia Lima & Sheila Orgler (Orgs.). Dicionário de Gestalt-Terapia.

Rapaport, A., Piccinini, C. A. (2011). Maternidade e situações estressantes no primeiro ano de vida do bebê. Psico-Usf, 16, 215-225. https://doi.org/10.1590/S1413-82712011000200010.

Real, A. A., Cabeleira, M. E. P., Nascimento, J. R., Braz, M. M. & Pivetta, H. M. F. (2012). Os efeitos da histerectomia sobre a sexualidade feminina. Saúde (Santa Maria), 38 (2), 123-130. https://doi.org/10.5902/223658346581.

Rêgo, I.K.P. (2008). Psicoterapia no contexto hospitalar: uma proposta de atendimento psicológico para mulheres com miomatose uterina. Trabalho de Conclusão de Curso de Graduação em Psicologia, Universidade Estadual do Piauí, Teresina.

Reis, J. (2007). Educação para saúde: reprodução ou construção? Passividade ou atividade? In: Trindade, I. & J. A. C. Teixeira (Orgs.), Psicologia nos cuidados de saúde primários (pp. 65-78). Lisboa: CLIMEPSI Editores.

Rezende, L. C. S., Gomes, C. S., & Machado, M. E. C. (2014). A finitude da vida e o papel do psicólogo: perspectivas em cuidados paliativos. Revista Psicologia e Saúde, 6(1), 28-36.

Ribeiro, E. E. (2008). Tanatologia: vida e finitude. Rio de Janeiro: Unati.

Ribeiro, J. P. (2005). A natureza epistemológica da abordagem gestáltica: Gestalt-terapia como processo. Em Holanda, A. F.; Faria, N. J. (Orgs.). Gestalt-terapia e Contemporaneidade: contribuições para uma construção epistemológica da teoria e da prática gestáltica. (p. 145-169). Campinas: Livro Pleno.

Ribeiro, J. P. (2006). Vademecum de Gestalt-terapia: conceitos básicos. São Paulo: Summus.

Rogers, C. (1977). Psicoterapia e relações humanas

Rogers, C. (1983). Um jeito de ser. São Paulo: EPU.

Roland, J. S. (1995) Doença crônica e o ciclo de vida familiar. In: B. M. S. W. Carter, & M. S. W. McGoldrick (Orgs.), As mudanças no ciclo de vida familiar: uma estrutura para a terapia familiar (pp. 373-392). Porto Alegre: Artmed.

Romano, B.W. (1999). Princípios para a prática da psicologia clínica em hospitais. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Rosso, G. L., Montomoli, C. & Candura, S. M. (2016). Poor weight control, alcoholic beverage consumption and sudden sleep onset at the wheel among Italian truck drivers: a preliminary pilot study. International Journal of Occupational Medicine and Environmental Health, 29, from file:///C:/Users/USER/Downloads/Poor%20weight%20control_%20(2).pdf. https://doi.org/10.13075/ijomeh.1896.00638.

Russo, M. (2014).

Ryan, G., Bonanno, H., Krass, I., Scouller, K., & Smith, L. (2009). Undergraduate and postgraduate pharmacy students' perceptions of plagiarism and academic honesty. American journal of pharmaceutical education, 73(6), 105.Retrieved from<http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC2769527/>DOI: 10.5688/aj7306105.

Sá, R., Azevedo Junior, O., & Leite, T. (2010). Reflexões fenomenológicas sobre a experiência de estágio e supervisão clínica em um serviço de psicologia aplicada universitário. Revista da Abordagem Gestáltica, XVI(2), 135-140.

Saar, S.R.C. & Trevizan, M.A. (2007). Papéis profissionais de uma equipe de saúde: visão de seus integrantes. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 15(1), 1-7.

Safra, G. (2005). A face estética do Self: teoria e Clínica. São Paulo: Unimarco.

Safra, G. (2006). Desvelando a memória do humano: o brincar, o narrar, o corpo, o sagrado, o silêncio. São Paulo: Sobornost.

Safra, G. (2011). Curando com histórias (2ª ed.). São Paulo: Sobornost.

Salvador, R. T., Vargens, O. M. C. & Progianti, J. M. Sexualidade e histerectomia: mitos e realidade. Revista Gaúcha de Enfermagem. 29(2), 320-323.

Sangaleti, C. T., Trincaus, M. R., Baratieri, T., Zarowy, K., Ladica, M. B., Menon, M. U., Miyahara, R. Y.,

Raimondo, M. I., Silveira, J. V., Bortolotto, L. A., Lopes, H. F & Consolim-Colombo, F. M. (2014). Prevalence of cardiovascular risk factors among truck drivers in the South of Brazil. BMC Public Health, 14, 1063. https://doi.org/10.1186/1471-2458-14-1063.

Santos, F.M.S. & Jaco-Vilela, A.M. (2009). O psicólogo no hospital geral: estilos e coletivos de pensamento. Paideia, 19(43), 189-197. DOI: 10.1590/s0103-863x2009000200007.

Santos, W. S., Gouveia, V. V., Fernandes, D. P., Souza, S. S. B. & Granjeiro, A. S. M. (2012). Alcohol use disorder identification test (AUDIT): exploring its psychometric parameters. Jornal Brasileiro de Psiquiatria, 61(3), 117-123, from http://www.scielo.br/pdf/jbpsiq/v61n3/01.pdf. https://doi.org/10.1590/S0047-20852012000300001.

Sbroggio, A. M. R., Osis, M. J. M. D. & Bedone, A. J. (2005). O significado da retirada do útero para as mulheres: um estudo qualitativo. Revista de Associação Médica Brasileira, 51(5), 270-274. https://doi.org/10.1590/S0104-42302005000500018.

Serafim, A da C., Campos, I. C. M., Cruz R. M.,& Rabuske, M. M. (2012). Riscos psicossociais e incapacidade do servidor público: um estudo de caso. Psicologia: Ciência e Profissão, 32(3), 686-705. DOI: 10.1590/s1414-98932012000300013.

Shattell, M., Apostolopoulos, Y. & Griffin, M. (2010). Occupational stressors and the mental health of truckers. Issues in Mental Health Nursing, 31(9), 561-568. https://doi.org/10.3109/01612840.2010.488783.

Sieber, W. K., Robinson, C. F., Birdsey, J., Chen, X. G., Hitchcock, E. M., Lincoln, L. E., Nakata, A. & Sweeney, M. H. (2014). Obesity and other risk factors: the national survey of U.S. long-haul truck driver health and injury. American Journal of Industrial Medicine, 57(6), 615-626. https://doi.org/10.1002/ajim.22293.

Siegrist, J. (1996). Adverse health effects of high-effort/low-reward conditions. J Occup Health Psychol, 1(1), 27-41.

Siegrist, J. (2012). Effort-reward imbalance at work -theory, measurement and evidence. Department of Medical Sociology. Disponível em: http://www.uniklinik-duesseldorf.de/fileadmin/Datenpool/einrichtungen/institut_fuer_medizinische_soziologie_id54/ERI/ERI-Website.pdf. DOI: 10.1037/1076-8998.1.1.27.

Silva, C. F. (2006). Copenhagen Psychosocial Questionnaire. Fundação para a Ciência e para a Tecnologia. Análise Exacta: Portugal.

Silva, C. F., Souza, D. M., Pedreira, L. C., Santos, M. R., & Faustino, T. N. (2013). Concepções da equipe multiprofissional sobre a implementação dos cuidados paliativos na unidade de terapia intensiva. Ciência & Saúde Coletiva, 18(9), 2597-2604. https://doi.org/10.1590/S1413-81232013000900014.

Silva, D. I. S., & Silveira D. T. (2015). Cuidados paliativos: desafio para a gestão e políticas em saúde. Revista Eletrônica Gestão &Saúde,6(1),501-513.

Silva, D. R., Machado, I., Lacerda, L. D., & Menegotto, L. M. (2015). Alice e a escolha de uma caminho possível entre a fantasia e a realidade: a utilização dos contos na clínica infantil. Revista Saúde e Desenvolvimento Humano, 39-49.

Silva, F. S., Pachemshy, L. R., & Rodrigues, I. G. (2009). Percepção de enfermeiros intensivistas sobre distanásia em unidade de terapia intensiva. Revista Brasileira de Terapia Intensiva, 21(2), 1982-4335. https://doi.org/10.1590/S0103-507X2009000200006.

Silva, L. S., & Barreto, S. M. (2010). Adaptação transcultural para o português brasileiro da escala effort-reward imbalance: um estudo com trabalhadores de banco. Rev Panam Salud Publica, 27(1), 32-36. DOI: 10.1590/S1020-49892010000100005

Silva, L.B. (2008). Do violino à rabeca. Trabalho de Conclusão de Curso de Graduação em Psicologia, Universidade Do Vale Do Rio Dos Sinos, São Leopoldo.

Simonetti, A. (2011). Manual de Psicologia Hospitalar. O Mapa da Doença. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Singh, S., & Remenyi, D. (2016). Plagiarism and ghostwriting: The rise in academic misconduct. South African Journal of Science, 112(5-6), 1-7.

Skovgaard, R.; Winther-Jensen, L. (2015). The Question of Anger: on Frank and Barbara Staemmler

Smith, A. J. & Eatough, V. (2010). Análise Fenomenológica Interpretativa. In: Breakwell, M. G. Schaw, C. F. Hammond, S. & Smith, J. A. Métodos de pesquisa em psicologia. (pp 324-338), Porto Alegre: Artmed.

Smith, E. W. L. (2007). Gestalt Therapy and the Concretization of Nietzsche

Soares, L. (2009). A Gestalt-Terapia na universidade: da f(ô)rma à boa forma. Estudos e Pesquisas em Psicologia, 9(1),152-163. DOI: 10.12957/epp.2009.9141.

Soares, M. (2007). Cuidando da Família de Pacientes em Situação de Terminalidade Internados na Unidade de Terapia Intensiva. Revista Brasileira de Terapia Intensiva, 19(4), 481-484. https://doi.org/10.1590/S0103-507X2007000400013.

Society for Humanistic Psychology. Division 32. (2017). Disponível em:

Sorensen, G., Quintiliani, L., Pereira, L., Yang, M. & Stoddard, A. (2009). Work experiences and tobacco use: findings from the gear up for health study, Journal of Occupational and Environmental Medicine, 51(1), 87-94. https://doi.org/10.1097/JOM.0b013e31818f69f8.

Sousa, A. T. O., França, J. R. F. S., Santos, M. F. O., Costa, S. F. G., & Souto, C. M. R. M. (2010). Cuidados paliativos com pacientes terminais: um enfoque na Bioética Cuidados paliativos. Revista Cubana de Enfermerìa, 26(3), 117-129.

Sousa, K. C., & Carpigiani, B. (2010). Ditos, não ditos e entreditos: a comunicação em cuidados paliativos. Psicologia: teoria e prática, 12(1), 1516-3687.

Sousa, V., & Cury, V. (2009). Psicologia e atenção básica: vivências de estagiários na Estratégia de Saúde da Família. Ciência & Saúde Coletiva, 14(1), 1429-1438. DOI: 10.1590/S1413-81232009000800016.

Souza, J. O., & Assis, M. d. (Jan/Jun de 2014). O brincar e o narrar: oferta de espaços potenciais em um mundo acelerado. Perspectivas em Psicologia, 18(1), 57-74.

Spink, M. J. P. (2000). Desvendando as teorias implícitas: Uma metodologia de análise das representações sociais. In: P. Guareschi, S., & Jovchelovitch (Orgs.), Textos em representações sociais (pp. 117-145). Petrópolis: Vozes.

Staemmler, B. & Staemmler, F-M. (2015). Aggression or Self-Assertion? Response to Skovgaard and Winther-Jensen. Gestalt Review, 19(3), 212-219.

Staemmler, F-M. (2009). Aggression, Time, and Understanding: contributions to the evolution of Gestalt Therapy. New York: Routledge.

Stetler, C. B., Morsi, D., Rucki, S., Broughton, S., Corrigan, B., Fitzgerald, J., ...& Sheridan, E. A. (1998). Utilization-focused integrative reviews in a nursing service. Applied Nursing Research, 11(4), 195-206. Retrieved from<http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/9852663>.

Suzuki, E. (2015, dezembro 10). UnB promove ações de combate ao plágio.Unb Notícias. Recuperado de <http://noticias.unb.br/publicacoes/112-extensao-e-comunidade/212-unb-promove-acoes-de-combate-ao-plagio>

Takitane, J., Oliveira, L. G., Endo, L. G., Oliveira, K. C. G. B., Munöz, D. R., Yonamine, Y. & Leyton, V. (2013). Uso de anfetaminas por motoristas de caminhão em rodovias do Estado de São Paulo: um risco à ocorrência de acidentes de trânsito? Ciência & Saúde Coletiva, 18(5), 1247-1254, from http://www.scielo.br/pdf/csc/v18n5/09.pdf

Taylor, E., & Martin, F. (2001). Humanistic psychology at the crossroads. InK. Schneider., J. Bugental., & J. Pierson (Eds.),The handbook of humanistic psychology: leading edges in theory research and practice (21-28). ThousandsOak, California: Sage. DOI: 10.4135/9781412976268.n2.

Teles, S. A., Matos, M. A., Caetano, K. A. A., Costa, L. A., França, D. D. S., Pessoni, G. C., Brunini, S. M. & Martins, R. M. B. (2008). Comportamentos de risco para doenças sexualmente transmissíveis em caminhoneiros no Brasil. Revista Pan-Americana de Saúde Pública, 24(1), 25-30, from http://www.scielosp.org/pdf/rpsp/v24n1/v24n1a03.pdf. https://doi.org/10.1590/s1020-49892008000700003.

Teston, E. F., Santos, A. L., Cecilio, H. P. M., Manoel, M. F., & Marcon, S. S. (2013). A vivência de doentes crônicos e familiares frente a necessidade de cuidado. Ciência, cuidado e saúde, 12(1), 131-138. DOI: 10.4025/cienccuidsaude.v12i1.21721.

Toledo, K.(2009). Universidades recorrem a software contra plágio. O Estado de São Paulo. Recuperado de<http://www.ufcg.edu.br/prt_ufcg/assessoria_imprensa/mostra_noticia.php?codigo=8591>

Tonetto, A.M. & Gomes, W.B. (2007). A prática do psicólogo hospitalar em equipe multidisciplinar. Estudos em Psicologia, 24(1), 89-98. DOI: 10.1590/s0103-166x2007000100010.

Triviños, A. N. S. (1987). Introdução a pesquisa am ciências sociais: A pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas.

Twycross, R. (2003). Introducing palliative care (4a. ed). Oxford: Radcliffe Medical Press.

Universidade de Brasília (2015). UnB promove ações de combate ao plágio. Recuperado de http://noticias.unb.br/publicacoes/112-extensao-e-comunidade/212-unb-promove-acoes-de-combate-ao-plagio.

Ursi, E. S., & Gavão, C. M. (2006). Prevenção de lesões de pele no perioperatório: revisão integrativa da literatura. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 14(1), 124-131.

Van Der Beek, A. J., Meijman, T. F. & Frings Dresen, M. H. (1995). Lorry drivers work stress evaluated by catecholamines excreted in urine. Occupational and Environmental Medicine, 52(7), 464-469. https://doi.org/10.1136/oem.52.7.464.

Van Vreeswijk, M. F., Van, Broersen, J., & Nadort, M. (2012). The Wiley-Blackwell Handbook Of Schematherapy, Theory, Research, And Practice. Oxford: Wiley-Blackwell. https://doi.org/10.1002/9781119962830.

Velho, B. M., Santos, K. A. E., Brüggemann, O. M., & Camargo, V. B. (2012). Vivência do Parto Normal ou Cesáreo: Revisão Integrativa Sobre a Percepção de Mulheres. Texto & Contexto Enfermagem, 21(2). Recuperado de< http://dx.doi.org/10.1590/S0104-07072012000200026> DOI: 10.1590/S0104-07072012000200026.

Vigotski, L. S. (2010). Linguagem, desenvolvimento e aprendizagem. São Paulo: Ícone.

Wager, E., Fiack, S., Graf, C., Robinson, A., & Rowlands, I. (2009). Science journal editors

Waterkemper, R., & Reibnitz K. S. (2010). Cuidados paliativos: a avaliação da dor na percepção de enfermeiras. Revista Gaúcha de Enfermagem, 31(1), 84-91. https://doi.org/10.1590/S1983-14472010000100012.

Winnicott, D. W. (1975). O brincar e a realidade. Rio de Janeiro: Imago.

Winnicott, D. W. (1983). O ambiente e os processos de maturação. Porto Alegre: Artmed.

Wong, W. C. W.; Tam, S. M.; & Leung, P. W. S. (2007). Cross-border truck drivers in Hong Kong: Their psychological health, sexual dysfunctions and sexual risk behaviors. Journal of Travel Medicine, 14, 20-30. https://doi.org/10.1111/j.1708-8305.2006.00085.x.

World Health Organization (2002). Definição de cuidados paliativos. Retirado de http://www.who.int/cancer/palliative/definition/en/

World Health Organization (WHO) (2011). Developing and improving national toll-free tobacco quit-line services. A World Health Organization Manual, from http://www.who.int/tobacco/publications/smoking_cessation/quit_lines_services/en/

World Health Organization. (1990). Cancer Pain Relief and Palliative Care: report of a WHO Expert Committee. Geneva: World Health Organization. Retirado de http://apps.who.int/iris/bitstream/10665/39524/1/WHO_TRS_804.pdf.

Yamamoto, O.; Costa, A. (Orgs). (2010). Escritos sobre a profissão de psicólogo no Brasil. Natal: EDUFRN.

Yontef, G. (2015). Considering Anger and Aggression: response to Skovgaard and Winther-Jensen. Gestalt Review, 19(3), 220-223.

Young, J. E., & Klosko, J. S. (1994). Reiventing Your Life. New York: Plume Book.

Young, J. E., Klosko, J. S., & Weishaar, M. E. (2008). Terapia do Esquema. Porto Alegre: Artmed.

Zatti, C., & Kern, C. D. (Set/Dez de 2014). A importância dos contos de fadas como instrumento de trabalho para a psicoterapia infantil. Revista da Sociedade de Psicologia do Rio Grande do Sul, 14(2), 06-17.

Publicado
2017-06-26
Como Citar
Editorial, C., & Editorial, C. (2017). EXPEDIENTE. Perspectivas Em Psicologia, 21(1). https://doi.org/10.14393/PPv21n1a2017-01