TRABALHAR, EDUCAR, ACOLHER EM ABRIGO INSTITUCIONAL: PERCURSOS DE UMA CARTOGRAFIA

  • Willian Mella Girotto Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS.
  • Fernanda Spanier Amador Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS.
Palavras-chave: Psicologia, Psicologia do Trabalho, Psicologia Institucional.

Resumo

Este artigo trata da pesquisa que desenvolvemos investigando a respeito da experiência do trabalhador-educador de Abrigo Institucional para crianças e adolescentes. Pensa-se a experiência do trabalho em uma inflexão pela concepção de experiência histórica foucaultiana e a experiência no campo das Clínicas do Trabalho, a qual implica considerar o que se processa por entre as microgestões realizadas pelos trabalhadores para gerirem a distância entre o Trabalho Prescrito e o Trabalho Real. Inicialmente aborda-se o trabalho em Abrigos-Institucionais, passando por aspectos do percurso de pesquisa e, ao final, apresenta-se o material gerado nas análises realizadas junto aos educadores.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Willian Mella Girotto, Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS.
mestre em Psicologia Social e Institucional
Fernanda Spanier Amador, Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS.
Departamento de Psicologia Social e Institucional, Instituto de Psicologia.

Referências

Amador, F. S. & Barros, M. E. B. de. (2011). Cartas a Foucault: em que estamos em vias de nos tornar em meio ao trabalho no contemporâneo? Mnemosine, 7 (2), 17-31.

Axt, M. (2008). Do pressuposto dialógico na pesquisa: o lugar da multiplicidade na formação (docente) em rede. Revista Informática na Educação: teoria e prática. 11 (1).

Brasil (1990). Lei n. 8.069, de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. Acesso em 03 de fevereiro, 2014 em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8069.htm

Brasil (2004). Política Nacional de Assistência Social. Brasília: Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, Secretaria Nacional de Assistência Social.

Brasil (2006). Norma Operacional Básica de Recursos Humanos do SUAS - NOB-RH/SUAS. Brasília: Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, Secretaria Nacional de Assistência Social.

Brasil (2009). Orientações técnicas para os serviços de acolhimento para crianças e adolescentes. Brasília, DF: Conanda/CNAS.

Brasil (2012). Lei n. 12.594, de 18 de janeiro de 2012. Institui o Sistema Nacional de Atendimento Socioeducativo (Sinase), regulamenta a execução das medidas socioeducativas destinadas a adolescente que pratique ato infracional. Acesso em 03 de fevereiro, 2014 em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/lei/l12594.htm

Brito, J., Muniz, H. P., Santorum, K., & Ramminger, T. (2011). O trabalho nos serviços públicos de saúde: Entre a inflação e a ausência de normas. Em: Assunção, A. A. e Brito, J. (org.). Trabalhar na saúde: experiências cotidianas e desafios para a gestão do trabalho e do emprego. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz.

Canguilhem, G. (2001). Meio e normas do homem no trabalho. Pro-posições. 12 (2-3), 35-36. Clot, Y. (2010). Trabalho e Poder de Agir. Belo Horizonte: Sobrefactum.

Clot, Y. (2006). A função psicológica do trabalho. Petropólis, RJ: Editora Vozes. doi.10.11606/issn.1981-0490.v9i2p99-107

Coelho, D. C. D. (2007). Lobo em pele de cordeiro

Coelho, D. C.D; Tavares, G. M.; & Carmo, J. do. (2012). Acolhimento institucional no município de Serra (ES): desconstruindo vilões e mocinhos. SER Social, 14(31), 375-395.

Foucault, M. (2004). A

Guattari, F. & Rolnik, S. (2006). Micropolítica

Kastrup, V. (2007). A Invenção de Si e do Mundo. Belo Horizonte: Autêntica.

Nascimento, M. L. do, Lacaz, A. S., & Travassos, M. (2010). Descompasso entre a lei e o cotidiano dos abrigos: percursos do ECA. Aletheia. 31.

Oliveira, S. M. de. (1999). A moral reformadora e a prisão de mentalidades. São Paulo Em Perspectiva, 13(4). doi.10.1590/S0102-88391999000400008

Passos, E., Kastrup, V. & Escóssia, L. (Org.). (2010). Pistas do método da cartografia: pesquisa-intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulina.

Passos, E., Kastrup, V. & Tedesco, S. (Org.). (2013). Pistas do método da cartografia

Sade, C., Ferraz, G. C., & Rocha, J. M. (2013). O ethos da confiança na pesquisa cartográfica: Experiência compartilhada e aumento da potência de agir. Fractal, Rev. Psicol., 25 (2), 281-298. doi.10.1590/S1984-02922013000200005

Scherer, M. D. dos A., Pires, D., & Schwartz, Y. (2009). Trabalho coletivo: um desafio para a gestão em saúde. Revista Saúde Pública, v. 43(4): p. 721-25. doi.10.1590/S0034-89102009000400020

Schuch, P. (2009). Práticas de justiça: antropologia dos modos de governo da infância e juventude no contexto pós-ECA. Porto Alegre: Ed. da UFRGS.

Schwartz, Y. (2011). Manifesto por um ergoengajamento. Em: Bendassolli, P. & Soboll, L. A. P. (Org.). Clínicas do Trabalho

Schwartz, Y. & Durrive, L. (2007). Trabalho e Uso de Si. Em: Schwartz, Y. &Durrive, L. (Org.). Trabalho e Ergologia. Conversas sobre a atividade humana. Niterói: UFF.

Schwartz, Y. (2000). A comunidade científica ampliada e o regime de produção de saberes. Trabalho & Educação, n. 7, p. 38-46.

Tedesco, S. H., Sade, C., & Caliman, L. V. (2013). A entrevista na pesquisa cartográfica: a experiência do dizer. Fractal, Rev. Psicol., v. 25

Teixeira, D. V. & Barros, M. E. B. de. (2009). Clínica da Atividade e cartografia: construindo metodologias de análise do trabalho. Psicologia e Sociedade, 21 (1), p. 81-90. doi.10.1590/s0102-71822009000100010

Publicado
2017-01-10
Como Citar
Girotto, W. M., & Amador, F. S. (2017). TRABALHAR, EDUCAR, ACOLHER EM ABRIGO INSTITUCIONAL: PERCURSOS DE UMA CARTOGRAFIA. Perspectivas Em Psicologia, 20(2). https://doi.org/10.14393/PPv20n2a2016-06