A relação entre arte, paisagem e ambiente na obra de Burle Marx

reflexões a partir da mostra do MuBE

  • Cauê Alves PUC-SP
Palavras-chave: ambiente, arte, paisagem, Roberto Burle Marx

Resumo

Esse artigo aborda a exposição “Burle Marx: arte, paisagem e botânica”, realizada no Museu Brasileiro de Escultura e Ecologia entre dezembro de 2018 e maio de 2019. Trata-se de um texto que elabora noções centrais da curadoria da mostra, que buscou ampliar o entendimento do projeto de Burle Marx para os jardins do MuBE, assim como o conhecimento do legado do artista. A exposição apresentou uma série de obras de fotógrafos e artistas contemporâneos que dialogam com a produção de Burle Marx em paisagismo, pintura, escultura, relevo, design e ambiente. O artigo aborda os exemplares coletados por Burle Marx em expedições, expostos no museu, que possibilitaram a descoberta de novas espécies de botânica, contribuindo para a compreensão de seu trabalho de cientista amador e ambientalista. A exposição no MuBE, sobre a qual refletimos, colaborou para um debate interdisciplinar sobre a produção de um dos mais relevantes artistas, paisagistas e ecologistas do século XX.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cauê Alves, PUC-SP

Possui Bacharelado (2000), Licenciatura (2000), Mestrado (2004) e Doutorado (2010) em Filosofia pela Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo, FFLCH-USP. Tem experiência em História da Arte, Crítica, Curadoria, Teoria da Arte e Estética. É professor do Departamento de Arte da Faculdade de Filosofia, Comunicação, Letras, e Artes da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, FAFICLA, PUC-SP e do Bacharelado em Artes Visuais do Centro Universitário Belas Artes de São Paulo, e professor do curso de pós-graduação lato sensu em Arte: Crítica e Curadoria. Desde 2016 é curador-chefe do Museu Brasileiro da Escultura e Ecologia, MuBE.

Publicado
2020-07-23
Como Citar
Alves, C. (2020). A relação entre arte, paisagem e ambiente na obra de Burle Marx. OuvirOUver, 16(1), 16-28. https://doi.org/10.14393/OUV-v16n1a2020-52615
Seção
Dossiê Geografias sensíveis: paisagens, territórios, fronteiras