Made in transit

Politics and Representation in Adrian Paci, Contemporary Art and the Migration Issue

Palavras-chave: irrepresentável, transitoriedade, invisibilidade, imagem em movimento, facto

Resumo

As narrativas do lugar e deslocamento, e respectivas relações com o processo de construção de identidade, ocupam actualmente uma posição central no eixo que estrutura a arte contemporênea. Este artigo visa analisa a actual relação entre conflictos de ordem económica, política e social e os sistemas de representação no campo da arte contemporâena. O trabalho de Adrian Paci, o seu pensamento e processo criativo questiona, entre outros assuntos, o campo do sujeito em trânsito e da presença transitória, como podemos constatar em projectos como The Column (2013) ou Centro di Permanenza Temporanea (2007). Estas reflexões geram uma nova matriz poética e sensível que ilumina o debate sobre o edifício da identidade numa era global de conflito. A segurança tornou-se o sacramento da nossa época, abençoada pela omnipresença de fronteiras, muros e limites, transformando a nossa própria pele num dispositivo de partição, gerando latitues que se tornaram opacas e silenciosas prisões.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Pedro Massena, Investigador no CIEBA da Faculdade de Belas Artes de Lisboa

Pedro Massena é licenciado em Pintura pela Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa, onde fizera uma Pós-Graduação em Ensino de Artes Visuais e onde atualmente frequenta o Doutoramento em Belas Artes. É investigador colaborador no Centro de Investigação em Belas Artes (FBAUL) e nos últimos anos tem-se debruçado sobre arte de compromisso político, a partir de zonas de conflito e respectivos sistemas de representação e visibilidade. É orador e ensaísta e tem participado em diversos congressos nos últimos anos. Lecciona Pintura, Desenho e Escultura.

 

Publicado
2020-07-23
Como Citar
Massena, P. (2020). Made in transit. OuvirOUver, 16(1), 84-96. https://doi.org/10.14393/OUV-v16n1a2020-50995
Seção
Dossiê Geografias sensíveis: paisagens, territórios, fronteiras