Por amar a liberdade: grupo Dóris

  • Cláudio Alberto dos Santos UNIRIO
Palavras-chave: Teatro amador. História local. Resistência.

Resumo

Este artigo discute o espetáculo Zumbi encenado pelo Grupo Teatral Dóris Cunha Melgaço (também conhecido como "Grupo do SESCâ€?), em 1970-1, na cidade de Uberlândia. Tal montagem é presença fundamental quando se fala da história do teatro local. Até hoje este é um legado de incrível atualidade. O Grupo Dóris foi um núcleo seminal, instigante, vivo e bastante admirado pelo público de sua época. Apresentou muitas inovações formais e abriu caminhos. Trouxe inúmeras contribuições estéticas, mas, sobretudo, influenciou por sua postura política transformadora. O trabalho cênico em foco tem a marca da utopia que nasce do sentimento e da idéia do possível. Para o estabelecimento da identidade coletiva, tão importante quanto viver uma mesma situação social é ter as mesmas aspirações. Nessa perspectiva, a utopia defendida nessa encenação é uma possibilidade resiliente de experiência libertária.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cláudio Alberto dos Santos, UNIRIO
Ator e diretor teatral. Graduado e mestre em História pelo INHIS/UFU, doutorando em Teatro no PPGT/UNIRIO.
Como Citar
dos Santos, C. A. (1). Por amar a liberdade: grupo Dóris. OuvirOUver, 1(1). Recuperado de http://www.seer.ufu.br/index.php/ouvirouver/article/view/221
Edição
Seção
Artigos