MEDEIA, LADY MACBETH, DELIA E TRAMELL: APROXIMAÇÕES INTERARTES SOB A FIGURA DA BRUXA

  • Márcio Henrique Muraca Universidade Federal de Uberlândia
Palavras-chave: literatura, interartes

Resumo

O artigo pretende aproximar a figura popular da bruxa ao mito da mulher funesta, símbolo da ameaça da ordem política pela perturbação da consciência moral de uma época. Além da crença da bruxaria e dos mitos em torno da mulher, é possível chegar ao embate entre público e privado, político e psicológico. Quatro personagens femininas consagradas ilustram a tese que aqui se pretende: Medeia (Eurípedes - teatro grego), Lady Macbeth (Shakespeare - teatro moderno), Delia (Cortázar - literatura latino-americana, séc. XX) e Catherine Tramell (Osborne - obra fílmica blockbuster e livro baseado no script). O princípio teórico norteador deste estudo é o das relações de poder, de Michel Foucault, sobretudo por meio da obra Microfísica do Poder. Quanto à questão da bruxa/bruxaria, o artigo vale-se de Pensando em Demônios, de Stuart Clark.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Márcio Henrique Muraca, Universidade Federal de Uberlândia
Márcio Henrique Muraca é mestrando no Programa de Pós-Graduação, Mestrado em Teoria Literária, na Universidade Federal de Uberlândia (MG), turma 2010-1. Seu projeto de pesquisa concentra-se na linha Poéticas do texto literário: cultura e representação, cujo objeto de estudo é o livro de crônicas Hora da Guerra (1942-1944), do escritor baiano Jorge Amado. Atua na Educação desde 1999, principalmente em colégios de ensino fundamental, incluindo três anos em escolas públicas na Inglaterra. Atualmente, suas áreas de maior interesse são Teoria da Crônica, Holocausto e Literatura e Produção Literária.
Publicado
2014-10-27
Como Citar
Muraca, M. H. (2014). MEDEIA, LADY MACBETH, DELIA E TRAMELL: APROXIMAÇÕES INTERARTES SOB A FIGURA DA BRUXA. OuvirOUver, 8(1-2), p. 70-78. Recuperado de http://www.seer.ufu.br/index.php/ouvirouver/article/view/11675