Olhares & Trilhas http://www.seer.ufu.br/index.php/olharesetrilhas <p>A Olhares &amp; Trilhas (ISSN:1983.3857 - online) é o periódico quadrimensal da Escola de Educação Básica da Universidade Federal de Uberlândia (Eseba/UFU), avaliado como B1 na Área de Ensino no quadriênio Qualis/Capes 2013-2016, e seus números são publicados em abril, agosto e dezembro de cada ano. A revista objetiva a publicação de artigos, relatos de experiências e de pesquisas, resenhas, galerias e outras produções de professores e pesquisadores em todos os níveis e modalidades de ensino.</p> EDUFU pt-BR Olhares & Trilhas 1518-2851 <p>Autores que publicam nesta revista concordam com os seguintes termos:</p> <p>Autores mantêm os direitos autorais e concedem à&nbsp; revista o direito de primeira publicação, com o trabalho simultaneamente licenciado sob a <a href="http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0/" target="_blank" rel="noopener">Creative Commons Attribution License</a>, que permite o compartilhamento irrestrito com reconhecimento da autoria do trabalho e publicação inicial nesta revista.</p> <p>Autores têm autorização para assumir contratos adicionais separadamente, para distribuição não-exclusiva da versão do trabalho publicada nesta revista (ex.: publicar em repositório institucional ou como capítulo de livro), com reconhecimento de autoria e publicação inicial nesta revista.</p> Expediente e Apresentação http://www.seer.ufu.br/index.php/olharesetrilhas/article/view/53782 <p>Neste número temático da Revista</p> Claudia Goulart Copyright (c) 2020 Olhares & Trilhas https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2020-04-14 2020-04-14 22 1 1 8 10.14393/OT2020v22.n.1.53782 A Educação Musical como campo científico http://www.seer.ufu.br/index.php/olharesetrilhas/article/view/53720 <p>A&nbsp; pesquisa em Educação Musical no Brasil vem se estabelecendo, desde a década de 1990, graças à criação de associações, cursos e programas de pós-graduação e à realização de eventos e publicações na área específica. Para se fazer pesquisa em Educação Musical é necessário ter clareza da área como um campo capaz de produzir novos conhecimentos, dividindo, assim, as mesmas preocupações com outras ciências. O presente ensaio discute a epistemologia da Educação Musical, abordando as particularidades do conhecimento pedagógico-musical, a construção do objeto da área, aspectos históricos da discussão deste tema e contribuições recentes sobre a cientificidade da área. Construir o campo da Educação Musical significa criar uma disciplina científica autônoma, que possa dialogar com outros campos, como qualquer outra área do conhecimento o faz.</p> Jusamara Souza Copyright (c) 2020 Olhares & Trilhas https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2020-04-13 2020-04-13 22 1 9 24 10.14393/OT2020v22.n.1.53720 O ensino da expressividade jazzística na guitarra modalidade a distância http://www.seer.ufu.br/index.php/olharesetrilhas/article/view/42836 <p>Este trabalho apresenta um estudo de caso que avaliou as qualidades musicais nos improvisos jazzísticos dos alunos de guitarra elétrica e violão da Licenciatura em Música, modalidade a distância (EaD), oferecida pela UninCor. Foram constatados limites na assimilação e maturação de conhecimentos musicais relacionados à expressividade musical jazzística nos improvisos desses alunos. Argumenta-se aqui que esses limites podem estar atrelados à dificuldade de verbalização desse tipo de conhecimento musical durante o seu processo de ensino, conhecimento este relacionado ao Conhecimento Processual, conforme definido por Anderson, e que podem se apresentar mais pronunciados quando ministrados a distância. Espera-se que momentos presenciais sejam valorizados e que novas tecnologias sejam desenvolvidas, capazes de auxiliar alunos na ausência de um professor.</p> Endre Solti José Eduardo Fornari Novo Junior Copyright (c) 2020 Olhares & Trilhas https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2020-03-27 2020-03-27 22 1 25 39 10.14393/OT2020v22.n.1.42836 Uma análise comparativa sobre o oferecimento das disciplinas de práticas vocais nas matrizes curriculares dos cursos de licenciatura em música da modalidade EaD e presencial. http://www.seer.ufu.br/index.php/olharesetrilhas/article/view/44198 <p>Este artigo apresenta uma análise comparativa de matrizes curriculares dos Cursos de Licenciatura em Música quanto ao oferecimento de disciplinas que tratam do ensino de práticas vocais nas modalidades a Distância e Presencial. Estes cursos são oferecidos à sociedade com a mesma certificação em ambas as modalidades pelos órgãos competentes. No entanto, apresentam significativas diferenças de conteúdo entre suas matrizes curriculares quando analisados os títulos das disciplinas oferecidas, visto que a modelagem dessas matrizes é fruto ou da tradição ou de inovação proposta pelos seus gestores, com base em uma demanda que pode surgir do mercado ou da cultura que sua comunidade apresenta. Essa pesquisa, de caráter exploratória e documental, de natureza qualitativa, realizada em 16 instituições de educação superior, privadas e públicas, em ambas as modalidades, apresenta hipóteses em resposta à seguinte pergunta: existe alguma diferença relevante no oferecimento de disciplinas de práticas vocais dos cursos de Licenciaturas em Música na modalidade de Ensino Presencial e Ensino a Distância pelas Instituições de Ensino Superior? Após feito o levantamento, as comparações e as análises, foi possível estabelecer uma discrepância no oferecimento, e identificar essas distorções diante das hipóteses apresentadas, além de sugerir estratégias para ultrapassar ou minimizar essas eventuais discrepâncias.&nbsp;</p> DANIEL CHRIS AMATO Copyright (c) 2020 Olhares & Trilhas https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2020-03-25 2020-03-25 22 1 40 60 10.14393/OT2020v22.n.1.44198 Percussão corporal e crianças pequenas http://www.seer.ufu.br/index.php/olharesetrilhas/article/view/44213 <p>O presente artigo tem como objetivo apresentar o corpo como fonte sonora, tendo a percussão corporal como técnica, por meio de pesquisa realizada em uma escola particular de Educação Infantil. Portanto, considera-se aqui o corpo como instrumento musical, capaz de produzir diferentes timbres, alturas, ritmos, entre outros parâmetros musicais, configurando o corpo como um recurso potencial no processo de musicalização de crianças. A pesquisa empreendida apresenta jogos e técnicas da percussão corporal, tendo como princípio algumas propostas das oficinas do grupo de música corporal Barbatuques, com possibilidades de adaptações e outras criações para atividades de musicalização na Educação Infantil. Os sujeitos são crianças de quatro e cinco anos, de uma escola particular de Educação Infantil.</p> Mariana Gomes Maziero Copyright (c) 2020 Olhares & Trilhas https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2020-04-11 2020-04-11 22 1 61 76 10.14393/OT2020v22.n.1.44213 A presença do piano em escolas de Uberlândia de 1889 a 1957 http://www.seer.ufu.br/index.php/olharesetrilhas/article/view/45794 <p>Este artigo é um recorte de uma pesquisa de mestrado cujo objetivo era investigar a presença do piano na cidade Uberlândia, bem como a sua relevância para o ensino de música na escola de 1888 até 1957, na perspectiva da educação musical. Esta pesquisa é um estudo documental, cujas fontes são artigos de jornais que circularam na referida cidade nesse período. A partir dessas fontes foi possível focar, neste artigo, na escola como um espaço importante para o ensino/aprendizagem de música, sendo que o piano era o instrumento presente nas atividades musicais realizadas no âmbito das escolas da cidade. Um dos autores que fundamentou a pesquisa foi Norbert Elias (1994), que discute a escolarização como uma continuidade no processo de civilização das pessoas. Concluiu-se que as atividades musicais no espaço escolar e os ideais construídos neste período contribuíram para o ensino/aprendizagem do piano na cidade.</p> <p>&nbsp;</p> Daniela Carrijo Franco Cunha Lilia Neves Gonçalves Copyright (c) 2020 Olhares & Trilhas https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2020-03-27 2020-03-27 22 1 77 94 10.14393/OT2020v22.n.1.45794 Motivação e performance: contribuição do Concurso de Piano Cora Pavan Capparelli http://www.seer.ufu.br/index.php/olharesetrilhas/article/view/52610 <p>Este relato de experiência apresenta uma estratégia metodológica usada no Conservatório Estadual de Música Cora Pavan Capparelli na disciplina de piano. Utilizamos a ênfase de caminhos interpretativos e performáticos como forma de enriquecimento no ensino-aprendizagem pianístico culminando no Concurso Nacional de Piano Cora Pavan Capparelli. Sabe-se que a prática do piano depende da motivação e dedicação diária ao instrumento, pois é um processo de aprendizagem que depende de competências físicas, emocionais e intelectuais. Assim, nessa reflexão, enfatizamos o concurso de piano como uma ferramenta de motivação para alunos e professores de nossa escola.</p> Daniela Carrijo Franco Cunha Copyright (c) 2020 Olhares & Trilhas https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2020-04-14 2020-04-14 22 1 95 102 10.14393/OT2020v22.n.1.52610 A música na educação de jovens e adultos (EJA) http://www.seer.ufu.br/index.php/olharesetrilhas/article/view/52534 <p>Este artigo apresenta os resultados de uma investigação que buscou desvelar relações que alunos de diferentes grupos etários estabelecem com a música no contexto da EJA. Esta pesquisa, de cunho qualitativo, teve como procedimentos de coleta de dados a observação livre e o grupo focal em uma escola que oferece a modalidade EJA na cidade de Uberlândia-MG. Os resultados mostraram que os jovens e adultos criam relações com a música a partir de suas experiências individuais e coletivas dentro e fora do ambiente escolar. Percebeu-se que aspectos etários e geracionais presentes nas relações que jovens e adultos estabelecem com a música foram perpassados por fatores sociais como de geração, classe social e de gênero e que são importantes de serem considerados no contexto da EJA.</p> <p>&nbsp;</p> Jennifer Gonzaga Copyright (c) 2020 Olhares & Trilhas https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2020-04-11 2020-04-11 22 1 103 121 10.14393/OT2020v22.n.1.52534 O saber musical escolar e o livro didático de Arte http://www.seer.ufu.br/index.php/olharesetrilhas/article/view/48317 <p>Este artigo apresenta um recorte de uma investigação sobre o livro didático (LD) de Arte, com objetivo de entender como os conteúdos de música estão presentes nos livros distribuídos pelo Programa Nacional do Livro Didático (PNLD – Arte) no período de 2015 a 2017. Os referenciais teóricos adotados para este estudo compreenderam a educação musical como prática social (SOUZA, 2010) e as concepções de representação (CHARTIER, 1990). Esta pesquisa documental-analítica permitiu informações relevantes para reflexões sobre as concepções pedagógico-musicais presentes nos livros adotados como recursos materiais nas escolas de educação básica de todo país. Além disso, permitiu considerações acerca de como esses conteúdos estão organizados de acordo com as propostas apresentadas pelos Parâmetros Curriculares Nacionais e de que maneira esses desvelam o que se pensa sobre ensinar aprender música na escola.</p> Karla Beatriz Soares de Souza Lilia Neves Gonçalves Copyright (c) 2020 Olhares & Trilhas https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2020-04-11 2020-04-11 22 1 122 145 10.14393/OT2020v22.n.1.48317