Medicalização da infância

estudo bibliográfico de publicações na área educacional entre 2002 e 2017

  • Jaqueline da Silva Teodoro Unesp/Ibilce - São José do Rio Preto
  • Luciana Aparecida Nogueira da Cruz UNESP São José do Rio Preto
Palavras-chave: Estudo bibliométrico, Medicalização;, Transtorno de déficit de atenção e hiperatividade;, TDAH;, Metilfenidato.

Resumo

O uso de medicamentos, em especial o metilfenidato, por crianças diagnosticadas com transtornos de comportamento e/ou de aprendizagem, cresce, exageradamente, no Brasil. Neste estudo, apresentamos o resultado de uma pesquisa bibliográfica de artigos sobre a medicalização da infância, publicados entre 2002 e 2017. Selecionamos trinta artigos, destacando o ano de publicação, as revistas, as áreas de pesquisa dos autores e seus posicionamentos quanto à indicação e/ou ao uso de psicofármacos por crianças com diagnósticos frutos de queixas de problemas escolares. Nessas análises descritivas buscamos quais são as contribuições das publicações para a Educação. Os resultados indicaram que 90% dos trabalhos têm pelo menos um autor da área da Psicologia.  Todos os autores dos artigos selecionados fizeram críticas à patologização e à medicalização das crianças como forma de escamotear fatores sociais. Diante dos indicadores obtidos, conclui-se que há necessidade de mais reflexões problematizando o fenômeno, além de discussões que busquem a superação da medicalização da infância. É imprescindível que profissionais da Educação compreendam as causas e consequências desse fenômeno.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALMEIDA, M. L.; FREIRE, J. G.; PROCHNO, C. C. S. C. O sintoma da criança na história da psicanálise e na contemporaneidade: contribuições para uma prática despatologizante. Estilos clin., São Paulo, v. 21, n. 2, p. 302-320, ago 2016. Disponível em http://pepsic.bvsalud.org/pdf/estic/v21n2/a03v21n2.pdf. Acesso em 5 abr 2020.

AMATTO L. L., ALVES, V. L. P. Uma reflexão a respeito da educação inclusiva e medicalização da infância a partir das ideias de Carl Rogers sobre educação. Memorandum: Memória E História Em Psicologia, Belo Horizonte, v. 30, p. 224-242. 2016. Disponível em https://periodicos.ufmg.br/index.php/memorandum/article/view/6498. Acesso em 4 abr 2020.

ANVISA. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Estudo aponta crescimento no consumo de metilfenidato. 2013. Disponível em: http://portal.anvisa.gov.br/resultado-de-busca?p_p_id=101&p_p_lifecycle=0&p_p_state=maximized&p_p_mode=view&p_p_col_id=column1&p_p_col_count=1&_101_struts_action=%2Fasset_publisher%2Fview_content&_101_assetEntryId=2673362&_101_type=content&_101_groupId=219201&_101_urlTitle=estudo-aponta-crescimento-no-consumo-de-metilfenidato&inheritRedirect=true. Acesso em 3 jan 2019.

BASTOS, H. P. Saúde e educação: reflexões sobre o processo de medicalização. Tese (Doutorado em Psicologia Social). Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2013.

BELTRAME, M. M.; BOARINI, M. L. Saúde mental e infância: reflexões sobre a demanda escolar de um CAPSi. Psicol. cienc. prof., Brasília, v. 33, n. 2, p. 336-349, 2013. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/pcp/v33n2/v33n2a07.pdf. Acesso em 5 abr 2020.

BENEDETTI, M. D. et al. Medicalização e educação: análise de processos de atendimento em queixa escolar. Psicol. Esc. Educ., Maringá, v. 22, n. 1, p. 73-81, abr 2018. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/pee/v22n1/2175-3539-pee-22-01-73.pdf. Acesso em 9 abr 2020.

BRITTO, P. Droga para déficit de atenção tem uso excessivo, diz estudo. Folha de São Paulo. São Paulo, 03 mai 2011. Disponível em https://www1.folha.uol.com.br/fsp/saude/sd0305201101.htm. Acesso em 9 abr 2020.

BRZOZOWSKI, F. S.; BRZOZOWSKI, J. A.; CAPONI, S. Classificações interativas: o caso do Transtorno de Déficit de Atenção com Hiperatividade infantil. Interface, Botucatu, v. 14, n. 35, p. 891-904, dez 2010. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/icse/v14n35/2810.pdf. Acesso em 3 jul 2019.

BRZOZOWSKI, F. S.; CAPONI, S. N. C. Medicalização dos desvios de comportamento na infância: aspectos positivos e negativos. Psicol. cienc. prof., Brasília, v. 33, n. 1, p. 208- 221, 2013. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/pcp/v33n1/v33n1a16.pdf. Acesso em 5 abr 2020.

CALADO, V. A. Estágio em psicologia escolar e educacional: ruptura com a medicalização da educação. Psicol. Esc. Educ., Maringá, v. 18, n. 3, p. 567-569, dez 2014. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/pee/v18n3/1413-8557-pee-18-03-0567.pdf. Acesso em 5 abr 2020.

COLLARES, C. L.;MOYSÉS, M. A. A. A transformação do espaço pedagógico em espaço clínico (A Patologização da Educação). Série Ideias (23), São Paulo, FDE, 25-31. 1994.

CONCERTA® (cloridrato de metilfenidato). Janssen. Bula de remédio. Disponível em https://bula.medicinanet.com.br/bula/1641/concerta.htm. Acesso em 4 abr 2020.

CONRAD, P. Medicalization and social control. Annual Review of Sociology. v.18, p.209 -232, 1992.

CONRAD, P. The medicalization of society: On the transformation of human conditions into treatable disorders. Baltimore: The John Hopkins University Press. 2007.

CORD, D. et al. As Significações de Profissionais que Atuam no Programa Saúde na Escola (PSE) Acerca das Dificuldades de Aprendizagem: Patologização e Medicalização do Fracasso Escolar. Psicol. cienc. prof., Brasília, v. 35, n. 1, p. 40-53, mar 2015. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/pcp/v35n1/1414-9893-pcp-35-01-00040.pdf. Acesso em 5 abr 2020.

COUTINHO, L. G.; CARNEIRO, C. Infância, adolescência e mal-estar na escolarização: interlocuções entre a psicanálise e a educação. Psicol. clin., Rio de Janeiro , v. 28, n. 2, p. 109-129, 2016 . Disponível em http://pepsic.bvsalud.org/pdf/pc/v28n2/07.pdf. Acesso em 4 abr 2020.

CHRISTOFARI, A. C., FREITAS, C. R. de; BAPTISTA, C. R. Medicalização dos modos de ser e de aprender. Educação & Realidade, Porto Alegre, 40(4), 1079-1102, 2015.

CRUZ, M. G. A.; OKAMOTO, M. Y.; FERRAZZA, D. A. O caso Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) e a medicalização da educação: uma análise a partir do relato de pais e professores. Interface, Botucatu, v. 20, n. 58, p. 703-714, set 2016 . Disponível em http://www.scielo.br/pdf/icse/v20n58/1807-5762-icse-1807-576220150575.pdf. Acesso em 4 abr 2020.

DECOTELLI, K. M.; BOHRE, L. C. T.; BICALHO, P. P. G. A droga da obediência: medicalização, infância e biopoder: notas sobre clínica e política. Psicol. cienc. prof., Brasília, v. 33, n. 2, p. 446-459, 2013. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/pcp/v33n2/v33n2a14.pdf. Acesso em 5 abr 2020.

DOMITROVIC, N.; CALIMAN, L.V. As controvérsias sócio-históricas das práticas farmacológicas com o metilfenidato. Psicol. Soc. Belo Horizonte, v.29, e.163163, 2017. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/psoc/v29/1807-0310-psoc-29-e163163.pdf. Acesso em 5 mar 2019.

FERREIRA, R. R. A medicalização nas relações saber-poder: um olhar acerca da infância medicalizada. Psicologia em Estudo, v. 20, n. 4, p. 587-598, 2015. Disponível em http://periodicos.uem.br/ojs/index.php/PsicolEstud/article/view/28669/pdf. Acesso em 5 abr 2020.

FIGUEIRA, P. L.; CALIMAN, L. V. Considerações sobre os movimentos de medicalização da vida. Psicol. clin., Rio de Janeiro, v. 26, n. 2, p. 17-32, dez 2014. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/pc/v26n2/02.pdf. Acesso em 5 abr 2020.

FÓRUM SOBRE MEDICALIZAÇÃO DA EDUCAÇÃO E SOCIEDADE. Manifesto do Fórum sobre Medicalização da Educação e da Sociedade. Brasil. Disponível em: http://medicalizacao.org.br/manifesto-do-forum-sobre-medicalizacao-da-educacao-e-da-sociedade/. Acesso em: 24 jul. 2019.

FOUCAULT, M. Vigiar e punir: nascimento da prisão, tradução de Raquel Ramalhete. 17. ed. Petrópolis, Vozes, 1987.

FREITAS, C. R.; BAPTISTA, C. R. A atenção, a infância e os contextos educacionais. Psicol. Soc., Belo Horizonte, v. 29, e140387, 2017. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/psoc/v29/1807-0310-psoc-29-e140387.pdf. Acesso em 5 abr 2020.

GARRIDO, J.; MOYSÉS, M. A. A. Um panorama nacional dos estudos sobre a medicalização da aprendizagem de crianças em idade escolar. In: Conselho Regional de Psicologia de São Paulo (Org.). Medicalização de Crianças e Adolescentes: conflitos silenciados pela redução de questões sociais a doenças de indivíduos. (p. 149-162).São Paulo: Casa do Psicólogo, 2010.

GOMES, C. A. V.; SIMONI-CASTRO, N. Medicalização Escolar em Periódicos de Psicologia e Educação no Triênio 2010-2012. Psico-USF, Campinas, v. 22, n. 3, p. 425-436, dez 2017. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/pusf/v22n3/2175-3563-pusf-22-03-425.pdf. Acesso em 4 abr 2020.

GONÇALVES, M. L. F. E. DSMS e depressão: dos sujeitos singulares aos transtornos universais. Dissertação de Mestrado, Instituto de Medicina Social da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro. 2007.

GUARIDO, R. A biologização da vida e algumas implicações do discurso médico sobre a educação. In: Conselho Regional de Psicologia de São Paulo; Grupo Interinstitucional Queixa Escolar (org.). Medicalização de crianças e adolescentes: conflitos silenciados pela redução de questões sociais e doenças de indivíduos. São Paulo: Casa do Psicólogo. 2010. p. 27-40.

GUARIDO, R. A medicalização do sofrimento psíquico: considerações sobre o discurso psiquiátrico e seus efeitos na Educação. Educ. Pesqui. São Paulo, v. 33, n. 1, p.151-161, abr 2007. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/ep/v33n1/a10v33n1.pdf. Acesso em 24 fev 2019.

GUARIDO, R.; VOLTOLINI, R. O que não tem remédio, remediado está?. Educ. rev., Belo Horizonte, v. 25, n. 1, p. 239-263, abr 2009. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/edur/v25n1/14.pdf. Acesso em 5 abr 2020.

KAISER, M. L. “Geração Ritalina”: o boom das vendas do remédio tarja preta pelos olhos do jornalismo literário. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Comunicação - Habilitação em Jornalismo). Escola de Comunicação, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2011.

LACET, C.; ROSA, M. D. Diagnóstico de Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) e sua história no discurso social: desdobramentos subjetivos e éticos. Psicologia Revista, São Paulo, v. 26, n. 2, p. 231-253, nov 2017. Disponível em https://revistas.pucsp.br/psicorevista/article/view/27565. Acesso em 29 set 2019.

LEMOS, F. C. S. A medicalização da educação e da resistência no presente: disciplina, biopolítica e segurança. Psicol. Esc. Educ., Maringá, v. 18, n. 3, p. 485-492, dez 2014. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/pee/v18n3/1413-8557-pee-18-03-0485.pdf. Acesso em 5 abr 2020.

LEMOS, F. C. S.; GALINDO, D.; RODRIGUES, R. D. Processos de medicalização de crianças e adolescentes nos relatórios do Unicef. Pesqui. prát. psicossociais, São João del-Rey, v. 9, n. 2, p. 201-212, dez 2014. Disponível em http://pepsic.bvsalud.org/pdf/ppp/v9n2/06.pdf. Acesso em 5 abr 2020.

LEONARDO, N. S. T.; SUZUKI, M. A. Medicalização dos problemas de comportamento na escola: perspectivas de professores. Fractal, Rev. Psicol., Rio de Janeiro, v. 28, n. 1, p. 46-54, abr 2016. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1984-02922016000100046&lng=en&nrm=iso. Acesso em 5 abr 2020.

LIMA, L. N.; LIMA, M. L. C. Medicalização da educação: investigação acerca da produção bibliográfica brasileira. Revista Cesumar, Maringá, v. 22, n. 2, p. 463-477, jul/de 2017. Disponível em https://periodicos.unicesumar.edu.br/index.php/revcesumar/article/view/6146/3121. Acesso em 18 fev 2019.

LUENGO, F. C. A vigilância punitiva: a postura dos educadores no processo de patologização e medicalização da infância. Dissertação (Mestrado em Psicologia). Faculdade de Ciências e Letras de Assis, Universidade Estadual Paulista, Assis, 2009.

KAMERS, M. A fabricação da loucura na infância: psiquiatrização do discurso e medicalização da criança. Estilos clin., São Paulo, v. 18, n. 1, p. 153-165, abr 2013. Disponível em http://pepsic.bvsalud.org/pdf/estic/v18n1/a10v18n1.pdf. Acesso em 5 abr 2020.

KANTOVISKI, A. L. L.; VARGENS, O. M. C. O cuidado à mulher que vivencia a menopausa sob a perspectiva da desmedicalização. Revista Eletrônica de Enfermagem, [S.l.], v.12 n. 3, p. 567-570, 2010.

MANSANERA, A. R.; SILVA, L. C. A influência das idéias higienistas no desenvolvimento da psicologia no Brasil. Psicol. estud., Maringá, v. 5, n. 1, p.115-137, mar 2000. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/pe/v5n1/v5n1a08.pdf. Acesso em 24 fev 2019.

MATOS, L. D. Mind map como instrumento psicopedagógico de mediação para o desenvolvimento das funções psicológicas superiores. Rev. psicopedag., São Paulo, v. 27, n. 84, p. 395-404, 2010. Disponível em http://pepsic.bvsalud.org/pdf/psicoped/v27n84/v27n84a09.pdf. Acesso em 5 abr 2020.

MOYSÉS, M. A. A.; COLLARES, C. A. L. Dislexia e TDAH: uma análise a partir da ciência médica. In Conselho Regional de Psicologia de São Paulo; Grupo Interinstitucional Queixa Escolar (Org.), Medicalização de crianças e adolescentes: conflitos silenciados pela redução de questões sociais e doenças de indivíduos (p. 71-110). São Paulo: Casa do Psicólogo.2010.

MOYSÉS, M. A. A. et al. Na contramão da patologização. In.: Lucia Masini, L. et al. Caderno Temático n° 33 – Patologização e medicalização das vidas: reconhecimento e enfrentamento - parte 1. São Paulo: CRP 06. · 1ª Edição, 2019. Disponível em: https://www.crpsp.org/uploads/impresso/2712/2REvRlZxOwmcqcla4uOjLBNciVBD6yAr.pdf. Acesso em 9 abr. 2020.

NAKAMURA, M. S. et al. Desvendando a queixa escolar: um estudo no Serviço de Psicologia da Universidade Federal de Rondônia. Psicol. Esc. Educ. (Impr.), Campinas, v. 12, n. 2, p. 423-429, dez 2008. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/pee/v12n2/v12n2a13.pdf. Acesso em 5 abr 2020.

NETO, F. K.; SANTOS, R. A. N. TDA/H e o Neurocentrismo: reflexões acerca dos sintomas de desatenção e hiperatividade e seu lugar no registro das bioidentidades. Vínculo, São Paulo, v. 10, n. 1, p. 38-44, maio 2013. Disponível em http://pepsic.bvsalud.org/pdf/vinculo/v10n1/a07.pdf. Acesso em 5 abr 2020.

PASSONE, E. F. K. Produção do fracasso escolar e o furor avaliativo: o sujeito resiste?. Estilos clin., São Paulo, v. 20, n. 3, p. 400-421, dez 2015. Disponível em http://pepsic.bvsalud.org/pdf/estic/v20n3/a04v20n3.pdf. Acesso em 5 abr 2020.

RIBEIRO, L. S. C.; GONÇALVES, M. Ritalina e seu uso no Brasil. Psychiatry On-line Brazil, Botucatu, v. 20, n. 4, abr 2015. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/icse/v14n34/aop1510.pdf. Acesso em 25 jul 2019.

RITALINA. ® (cloridrato de metilfenidato). Novartis Biociências SA. Bula de remédio. Disponível em http://www.anvisa.gov.br/datavisa/fila_bula/frmVisualizarBula.asp?pNuTransacao=24848562016&pIdAnexo=4017454. Acesso em 21 jul 2019.

SIGNOR, R. C. F.; SANTANA, A. P. O. A outra face do Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade. Distúrbios da Comunicação, São Paulo, v. 27, n. 1, p. 39-54, mar 2015. Disponível em https://revistas.pucsp.br/dic/article/view/19700. Acesso em 5 abr 2020.

SILVA, D. C. R. Medicalização e controle na educação: o autismo como analisador das práticas inclusivas. Psicol. educ., São Paulo, n. 41, p. 109-117, dez 2015. Disponível em http://pepsic.bvsalud.org/pdf/psie/n41/n41a08.pdf. Acesso em 5 abr 2020.

SOUZA, M. P. R. et al. Psicólogos em secretarias de educação paulistas: concepções e práticas. Psicol. Esc. Educ., Maringá, v. 20, n. 3, p. 601-610, dez 2016. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/pee/v20n3/2175-3539-pee-20-03-00601.pdf. Acesso em 4 abr 2020.

TAVERNA, C. S. R. Medicalização de Crianças e Adolescentes. Psicol. Esc. Educ. (Impr.), Maringá, v. 15, n. 1, p. 169-171, jun 2011. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/pee/v15n1/18.pdf. Acesso em 5 abr 2020.

VIÉGAS, L. S.; HARAYAMA, R. M.; SOUZA, M. P. R. Apontamentos críticos sobre estigma e medicalização à luz da psicologia e da antropologia. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 20, n. 9, p. 2683-2692, set 2015. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/csc/v20n9/1413-8123-csc-20-09-2683.pdf. Acesso em 5 abr 2020.

VIZOTTO, L. P.; FERRAZZA, D. A. A infância na berlinda: Sobre rotulações diagnósticas e a banalização da prescrição de psicofármacos. Estud. psicol., Natal, v. 22, n. 2, p. 214-224, jun 2017. Disponível em http://pepsic.bvsalud.org/pdf/epsic/v22n2/a10v22n2.pdf. Acesso em 5 abr 2020.

ZOLA, I.K. Medicine as an institution of social control. The Sociological Review, p. 487–504, 1972.

ZUCOLOTO, P. C. S. V. O médico higienista na escola: as origens históricas da medicalização do fracasso escolar. Rev. bras. crescimento desenvolv. hum., São Paulo, v. 17, n. 1, p. 136-145, abr 2007. Disponível em http://pepsic.bvsalud.org/pdf/rbcdh/v17n1/13.pdf. Acesso em 5 abr 2020.

Publicado
2020-08-25