A natureza da linguagem escrita nas perspectivas histórica e psicológica

algumas implicações pedagógicas

  • Anderson Borges Corrêa Secretaria Municipal de Educação de Uberlândia - SME Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" (UNESP), campus de Marília.
Palavras-chave: Linguagem escrita, Signo gráfico, Anos iniciais do Ensino Fundamental

Resumo

O objetivo deste artigo é apontar a escrita como uma modalidade de linguagem gráfica e autônoma, em relação à oralidade, e apresentar algumas implicações pedagógicas para a organização do processo de ensino e de aprendizagem da escrita nos anos iniciais do Ensino Fundamental, à luz da psicologia histórico-cultural. Para situar a questão abordada e ajudar na discussão, busca-se subsídios teóricos na perspectiva histórica da escrita, por compreender que ela fornece contribuições valiosas para o estudo do signo linguístico e ajuda a esclarecer a confusão – também apontada na psicologia histórico-cultural – em torno da relação supostamente unívoca entre os aspectos oral e escrito dos signos. Por meio de uma revisão conceitual sobre o signo e a escrita, considera-se que a escrita é desenvolvida tanto na história da humanidade quanto na história de cada criança por meio de um processo de apropriação cultural cujo princípio é o uso simbólico do aspecto gráfico para expressar, trazendo à tona a discussão da maneira como hoje se concebe a escrita e a considera como objeto de ensino e de aprendizagem no contexto escolar para favorecer o desenvolvimento cultural das crianças.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Anderson Borges Corrêa, Secretaria Municipal de Educação de Uberlândia - SME Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" (UNESP), campus de Marília.
Professor de Informática Educativa na Rede Municipal de Educação de Uberlândia (SME). Doutorando em Educação no Programa de Pós-graduação em Educação da Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" (UNESP), campus de Marília. Mestre em Educação pela Universidade de Uberaba (UNIUBE).

Referências

BAJARD, É. Manifesto dos usuários da escrita. Ensino em Re-Vista. Uberlândia, v. 21, n. 1, 2014, p. 189-195.

BAJARD, É. O signo gráfico, chave da aprendizagem da escrita. Ensino em Re-Vista. Uberlândia, v. 23, n. 1, 2016, p. 201-225.

CAVALLO, G.; CHARTIER, R. Introdução. In: CAVALLO, G.; CHARTIER, R. (Org.). História da leitura no mundo ocidental. v. 1. São Paulo: Ática, 2002. p. 5-39.

CATACH, N. Apresentação. In: CATACH, N. (Org.). Para uma teoria da língua escrita. São Paulo: Ática, 1996. p. 5-20.

DESBORDES, F. A pretensa confusão entre o escrito e o oral nas teorias da antiguidade. In: CATACH, N. (Org.). Para uma teoria da língua escrita. São Paulo: Ática, 1996. p. 23-30.

DESBORDES, F. Concepções sobre a escrita na Roma antiga. São Paulo: Ática, 1995. 255 p.

LURIA, A. R. O desenvolvimento da escrita na criança. In: Linguagem, desenvolvimento e aprendizagem. São Paulo: Ícone, 2006, p. 143-189.

PARKES, M. Ler, escrever, interpretar o texto: práticas monásticas na alta idade média. In: CAVALLO, G.; CHARTIER, R. (Org.). História da leitura no mundo ocidental. v. 1. São Paulo: Ática, 2002. p. 103-122.

SVENBRO, J. A Grécia arcaica e clássica: a invenção da leitura silenciosa. In: CAVALLO, G.; CHARTIER, R. (Org.). História da leitura no mundo ocidental. v. 1. São Paulo: Ática, 2002. p. 41-69.

VIGOTSKI, L. S. El problema del desarrollo de las funciones psíquicas superiores. In: ______. Obras escogidas. 2. ed. Madrid: Visor, 1997a, 3 v., p. 11-46.

VIGOTSKI, L. S. La prehistoria del desarrollo del lenguaje escrito. In: ______. Obras Escogidas. 2. ed. Madrid: Visor, 1997b, 3 v., p. 183-206.

Publicado
2020-08-25