Projetos de Trabalho e uso de Paradidáticos no processo ensino e aprendizagem em Filosofia no 6º ano no Ensino Fundamental na Educação Básica

Palavras-chave: Filosofia, Projeto de Trabalho, Paradidáticos.

Resumo

O presente estudo teve por objetivo investigar a aplicabilidade de Projetos de Trabalho e uso de Paradidáticos no processo de ensino aprendizagem no conhecimento de Filosofia de Filosofia na Educação Básica, realizada no município de São Luís-Maranhão no ano de 2018. Buscamos realizar um estudo de abordagem quantitativa e qualitativa. Trata-se de um relato de experiência, fundamentado por um estudo bibliográfico, para fornecer suporte teórico a nossa proposição. Esperamos contribuir com a temática no sentido de propor a discussão de diferentes possibilidades de leitura, pesquisa por meio de textos filosóficos, paradidáticos, possibilitando trabalhar em diferentes áreas do conhecimento de forma interdisciplinar. Para fundamentar o estudo em questão nos reportamos a Lipmam (1994), Cerletti (2009), Hernandez (1998), Antunes (2004), Munakata (1997), entre outros. O estudo em questão torna-se pertinente por possibilitar que os alunos leiam textos filosóficos, articulando-os a aspectos do dia a dia; reflexão sobre o sentido da disciplina no mundo contemporâneo; e valorização de experiências e vivências em grupo

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cristiane Alvares Costa
Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Gestão do Ensino da Educação Básica PPGEEBUFMA.
Elisa Maria dos Anjos, UFMA

Professora da UFMA-Universidade Federal do Maranhão do Programa PPGEEB-Programa de Pós Graduação de Gestão de Ensino da Educação Básica.

Referências

ANTUNES, C. Um método para o ensino fundamental: O projeto. Petrópolis, RJ: Vozes, 2004.

BOURDIEU, P. Escritos de Educação. 2. ed. Petrópolis:Vozes, 1999.

BRASIL. LDB nº 9394, de 20/12/96. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Ministério da Educação e do Desporto. Brasília, 1996.

BRASIL. Parâmetros curriculares nacionais para o ensino médio PCN+Orientações Educacionais Complementares aos Parâmetros Curriculares Nacionais – Ciências Humanas e suas Tecnologias. Brasília/D.F: MEC Secretaria de Educação Média e Tecnológica (SEMTEC), 2006.

CERLETTI, A. O ensino de filosofia como problema filosófico. São Paulo: Autêntica, 2009.

CORREIA, W. Filosofia, educação básica e cidadania. Revista Espaço Acadêmico. 2009.

DEWEY, J. Os pensadores. 2.ed.São Paulo:Abril Cultural,1985.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 1991.

GIL. Métodos e Técnicas de Pesquisa Social. 6 ed. São Paulo: Atlas 2010.

HERNÁNDEZ, F. Transgressão e mudança na educação - os projetos de trabalho. Porto Alegre: Artes Médicas, 1998.

KOHAN, W. O.; LEAL, B.; RIBEIRO, A. (Orgs.). Filosofia na escola pública. Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes, 2000.

LIBÂNEO, José Carlos. Didática. São Paulo: Cortez, 2002.

LIPMAN, M. O pensar na educação. Trad. Ann Mary Fighiera Perpétuo. Petrópolis: Vozes, 1994.

MUNAKATA, K. Produzindo Livros Didáticos e Paradidáticos. 1997. 218 f. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em História e Filosofia da Educação, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 1997.

THOMAZ, S. Histórias do dia a dia: Um toque de Filosofia\Samir Thomaz-1 ed- São Paulo: Moderna 2014.

TRIVIÑOS, A. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas.1987.

VYGOTSKY, L. S. A. A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. São Paulo: Martins Fontes, 1991.
Publicado
2020-08-25