A elaboração do passado pela escrita

meio sol amarelo, de chimamanda adichie

  • Priscila Finger do Prado Universidade Estadual do Centro-oeste
  • Letícia Freire de Moraes Universidade Estadual do Centro-oeste

Resumo

Linda Hutcheon (1991) elaborou o conceito de metaficção historiográfica, o qual apresenta uma problematização da história por meio da reapresentação do passado pelas verdades plurais que negam uma verdade única e incontestável. No romance Half of a Yellow Sun (2006), da escritora nigeriana Chimamanda Ngozi Adichie, é possível perceber, na forma como está estruturado,  várias perspectivas para um mesmo acontecimento histórico, a partir das mudanças de foco narrativo. Tal construção fornece ao leitor uma reflexão sobre o perigo da criação de estereótipos pela crença em uma única história sobre determinado lugar, pessoa ou circunstância. Diante da reflexão tecida sobre a relação entre a ideia crítica e a organização do romance por várias vozes, pretende-se analisar a voz de um personagem desse romance em particular que desenvolve, no decorrer da narrativa, uma necessidade de se apropriar da história e de construí-la pela sua perspectiva, usando, para isso, a escrita. Pretende-se elaborar essa análise pela perspectiva dos estudos de Gagnebin (2006) sobre a tarefa histórica de conservação da memória pela necessidade da escrita como forma de elaboração do passado.

PALAVRAS-CHAVE: O Perigo de uma História Única. Elaborar o Passado. Memória e Escrita.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Priscila Finger do Prado, Universidade Estadual do Centro-oeste

Doutora em Letras pela Universidade Federal do Paraná e professora do Departamento de Letras da Universidade Estadual do Centro-oeste, Paraná, Brasil

Letícia Freire de Moraes, Universidade Estadual do Centro-oeste

Mestre em Letras pela Universidade Estadual do Centro-oeste, Paraná, Brasil

Publicado
2020-02-29
Seção
Artigos