Mulheres pescadoras artesanais

relações de gênero e violência na colônia z7, Tocantinópolis-To

  • Éven Bandeira Goncalves Universidade Federal do Tocantins
  • Rejane Medeiros Universidade Federal de Goiás
  • Mariane da Siva Pisani Universidade Federal do Tocantins

Resumo

Este artigo apresenta reflexões sobre as construções de gênero nas relações entre mulheres pescadoras da Colônia Z7, localizada na cidade de Tocantinópolis. Nosso objetivo é mostrar os dilemas, as dificuldades e a relação que essas mulheres pescadoras têm com o Rio Tocantins e a profissão exercida.

PALAVRAS-CHAVE: Mulheres. Pesca Artesanal. Violência.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Éven Bandeira Goncalves, Universidade Federal do Tocantins

Possui Graduação em Ciências Sociais pela Universidade Federal do Tocantins, campus de Tocantinópolis (2012- 2019), foi Bolsista do Programa Centro de Referência em Cidadania e Direitos Humanos (2014-2016). Monitora Voluntaria (2017) do Programa Institucional de Monitoria (UFT).

Rejane Medeiros, Universidade Federal de Goiás

Doutora em Sociologia pela Universidade Federal de Goiás, faculdade de Ciências sociais (2017), atua como Professora e vice- coordenadora do Programa de Pós-graduação Cultura e Território- PPGCULT, UFT, campus Araguaína-TO.

Mariane da Siva Pisani, Universidade Federal do Tocantins

Doutorado no Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social da Universidade de São Paulo (USP) (2013). Professora Efetiva na Universidade Federal do Tocantins. É formada no curso de Ciências Sociais, com habilitação em Bacharelado, pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC, 2007- 2011).

Publicado
2020-02-29
Seção
DOSSIÊ: Gênero, feminismos e práticas de resistências