Our Nig, by Harriet E. Wilson: Frado and the characterization of oppression

  • Eliza de Souza Silva Araújo Universidade Federal da Paraíba
  • Liane Schneider Universidade Federal da Paraíba

Resumo

Resumo

Em sua autobiografia em terceira pessoa Our Nig, Harriet E. Wilson conta sua história de opressões que sofreu quando morou na casa de uma família do norte dos Estados Unidos, onde se violenta e denigre a mulata quando criança. Com base nos pressupostos de Crenshaw sobre intersectionality e de Joan Scot e Michele Wallace sobre as implicações históricas e de gênero buscamos compreender o contexto e condição da protagonista, além das intenções buscadas com a contação dessa história.

Palavras-chave: Our Nig. Opressão. Intersectionality. Raça. Gênero.

 

OUR NIG, POR HARRIET E. WILSON: Frado e a caracterização da opressão

Abstract

In her autobiography Our Nig, written in the third person, Harriet E. Wilson tells the story of the oppressions she suffers when she lived at a family house in the North of the US, where she undergoes violence and denigration. Based on Crenchaw's accounts on intersectionality and Joan Scott and Michele Wallace's propositions on historical implications and gender, we aim at understanding the context and condition of the protagonist, besides her intentions in telling her story.

Key-words: Our Nig. Oppression. Intersectionality. Race. Gender.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Eliza de Souza Silva Araújo, Universidade Federal da Paraíba
Pós graduanda em Literatura no Programa de Pós Graduação de Letras da UFPB; pesquisadora de literatura em língua inglesa com interesse nas temáticas de gênero e raça.
Liane Schneider, Universidade Federal da Paraíba
Possui graduação (Bacharelado) em Letras pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1985), Mestrado em Letras pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1995). O doutorado em Letras (Inglês e Literaturas Correspondentes) a professora obteve pela Universidade Federal de Santa Catarina em 2000. Atualmente atua no Departamento de Letras Estrangeiras Modernas da UFPB e no Programa de Pós-Graduação em Letras da mesma instituição. Suas pesquisas mais recentes estão voltadas aos estudos de gênero, culturais e pós-coloniais. A professora tem mais recentemente pesquisado a literatura produzida por grupos definidos como não-hegemônicos
Publicado
2016-10-03
Seção
Artigos