"Tudo muda, mas nada muda": o diferencial feminino e a divisão sexual do trabalho

  • Marinete dos Santos Silva Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro
  • Cristiane de Cassia Nogueira Batista de Abreu Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro

Resumo

Resumo

Este artigo tece algumas considerações acerca do atual panorama da divisão sexual do trabalho objetivando mostrar como o uso acrítico do gênero pode eternizar desigualdades e hierarquias e consequentemente a subordinação das mulheres.

Palavras-chave: Gênero. Divisão Sexual do Trabalho. Feminismo.

"EVERYTHING CHANGES, BUT NOTHING CHANGES": female differential and the sexual division of labor

Abstract

This article presentes some considerations about the current situation of the sexual division of labor and how this division, aiming to show how the uncritical use of gender can perpetuate inequalities and hierarchies and therefore the subordination of women. 

Keywords: Gender. Sexual Division Labor. Feminism. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marinete dos Santos Silva, Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro
Doutora em História pela Universidade de ParisIII-Sorbonne Nouvelle. Professora do Laboratório de Estudo da Sociedade Civil e do Estado-LESCE/CCH/UENF. Professora do Programa de Pós-Graduação em Sociologia Política da UENF.
Cristiane de Cassia Nogueira Batista de Abreu, Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro
Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Sociologia Política da Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro
Publicado
2016-10-03
Seção
Artigos