Meu trabalho é o roque enrow : A alteridade de Rita Lee nas narrativas da imprensa

  • Jefferson William Gohl UNESPAR Campus União da Vitória

Resumo

O presente artigo se debruça sobre o polêmico período de 1972 rememorado por Rita Lee e pelo grupo Os Mutantes sobre as razões de sua separação artística em entrevistas e outros materiais documentais. Pretende identificar elementos de sexismo que se tornaram cada vez mais visíveis nas estratégias narrativas na discussão sobre a execução do trabalho de front stage da cantora até meados da década de 1980 na difusão do rock no Brasil. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jefferson William Gohl, UNESPAR Campus União da Vitória
Doutor em História na linha de História cultural da Universidade de Brasília -UNB com tema voltado para a canção e história no contexto repressivo entre 1964 e 1985 e a trajetória da artista Rita Lee. Possui graduação de licenciatura em História pela Universidade Estadual do Paraná - UNESPAR Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras Campus de União da Vitoria (2000) e mestrado em História na linha de pesquisa Cultura e Poder, pela Universidade Federal do Paraná-UFPR (2003). Atuou como colaborador entre 2003 e 2006, em disciplinas de Metodologia de Ensino de História, Antropologia Cultural e Iniciação aos Estudos Históricos. Desde 2006 é professor efetivo da UNESPAR - Campus União da Vitória possuindo experiência na área de História do Brasil Contemporâneo, História Contemporânea, atuando principalmente nos seguintes temas: Antropologia cultural, História Contemporânea história oral, História do Brasil. Atua com pesquisas relacionadas a maçonaria, e aspectos da cultura em sociedades contemporaneas.
Publicado
2015-09-30
Seção
DOSSIÊ