Serviço Social e gênero: a marca histórica de uma profissão feminizada

  • Débora de Paula Bolzan Programa de Pós-Graduação em Sociologia Universidade Federal de Goiás

Resumo

Considerando que o Serviço Social é uma profissão predominantemente feminina este trabalho busca responder as seguintes questões: como se constituem os arranjos de gênero dessa categoria ocupacional? Como as construções sociais e culturais de gênero influenciam o trabalho e a vida dessas/es profissionais? Sendo uma profissão permeada por valores em torno do feminino, os homens assistentes sociais guardam esses valores na prática profissional? Os resultados indicam que as assistentes sociais administram suas relações de gênero na permanência do trabalho doméstico conciliado ao trabalho profissional, configurando uma identidade de gênero e a dupla jornada de trabalho. Esta ocupação é permeada por uma desvalorização histórica e social e persiste enquanto nicho feminino no mercado de trabalho.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Débora de Paula Bolzan, Programa de Pós-Graduação em Sociologia Universidade Federal de Goiás
Faculdade de Ciências Sociais Programa de Pós Graduação em Sociologia Universidade Federal de Goiás
Publicado
2015-09-30
Seção
DOSSIÊ