Aplicações de equações diferenciais ordinárias à Engenharia Civil

  • Luciana Aparecida Alves Universidade Federal de Uberlândia
  • Laís Sousa Leão Universidade Federal de Uberlândia
Palavras-chave: ponte de Tacoma, equações diferenciais ordinárias, movimento vertical, torção

Resumo

Um dos desastres mais memoráveis da história da engenharia civil é a queda da ponte de Tacoma, ocorrida em novembro de 1940. A ponte não era dotada de um formato aerodinâmico, pois tinha sólidas vigas que dificultavam a passagem de ar e acarretavam a formação de vórtices, que se desprendiam periodicamente do tabuleiro da ponte provocando áreas tracionadas e comprimidas no mesmo. Inicialmente, ocorreu um instável movimento vertical, que depois converteu-se em torção e, por fim, culminou na ruína da ponte. Este artigo visa modelar qualitativamente o movimento vertical da ponte por meio do uso de equações diferenciais ordinárias, bem como explicar porque ele foi determinante para o surgimento do movimento de torção e, consequentemente, para a queda da ponte.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luciana Aparecida Alves, Universidade Federal de Uberlândia
Possui graduação em Bacharelado em Matemática Pura pela Universidade Estadual Paulista (2004), mestrado e doutorado em Matemática pela Universidade Estadual de Campinas (2007). Atualmente, é docente da Faculdade de Matemática da Universidade Federal de Uberlândia. Tem interesse nas áreas de Sistemas Dinâmicos e Teoria Ergódica e de Lie, atuando principalmente em decomposições de Lyapunov e de Morse em fibrados.
Laís Sousa Leão, Universidade Federal de Uberlândia
Aluna de graduação da Engenharia Civil - UFU.
Publicado
2016-03-10
Seção
Artigos de Iniciação Científica