Da comunicação à qualidade em interpretação e tradução

Uma visão didática

Palavras-chave: Tradução profissional, Interpretação profissional, Avaliação da qualidade

Resumo

A tradução e interpretação profissionais agem sobre textos e discursos como um serviço de comunicação em contextos específicos de interação social. Ao se avaliar a qualidade desse serviço, os atores humanos envolvidos e suas intenções e outros parâmetros da situação de comunicação precisam ser levados em consideração. A variabilidade nas suas posições e na capacidade de aferir vários parâmetros de qualidade fazem da avaliação da qualidade um construto composto de um certo grau de subjetividade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Daniel Gile, Université Sorbonne Nouvelle - Paris 3

Professor Emérito da Université Sorbonne Nouvelle – Paris 3

Marileide Dias Esqueda, UFU

Marileide Dias Esqueda é professora associada da Universidade Federal de Uberlândia (UFU). Possui mestrado e doutorado em Estudos da Tradução pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). É tradutora profissional e autora de diversos artigos científicos e capítulos de livros publicados no Brasil e no exterior. Realizou estágio pós-doutoral na Universidade de Montreal, em Montreal, no Canadá (2018-2019).

Flávio de Sousa Freitas, Universidade Federal de Uberlândia

Mestrando do Programa de Pós-graduação em Estudos Linguísticos.

Referências

CASTELLANO, L. The practical tools employed. In: PICKEN, C. (Ed.). The translator’s handbook. London: Aslib, 1983. p. 47-79.

COLLADOS AÍS, Á.; SÁNCHEZ, M. F; GILE, D. (Ed.). La evaluación de la calidad en interpretación: investigación. Granada: Comares, 2003.

GARCIA BECERRA, O.; PRADAIS MACÍAS, E. M.; BARRANCO-DROEGE, R. (Ed.). Quality in interpreting: widening the scope. Granada: Comares, 2013.

GILE, D. Fidelity assessment in consecutive interpretation: an experi¬ment. Target, v. 7, n. 1, p. 151-164, 1995. https://doi.org/10.1075/target.7.1.12gil

GILE, D. Variability in the perception of fidelity in simultaneous interpretation. Hermes, v. 22, p. 51-79, 1999. https://doi.org/10.7146/hjlcb.v12i22.25493

GILE, D. Basic concepts and models for interpreter and translator training. Amster-dam/Philadelphia: John Benjamins, 2009. https://doi.org/10.1075/btl.8

GOUADEC, D. Le traducteur, la traduction et l’entreprise. Paris: AFNOR gestion, 1989.

GOUADEC, D. Profession: traducteur. Paris: La Maison du Dictionnaire, 2002.

HALLEY, M. Interpreting as Ideologically-structured Action: Collective Identity between Activist Inter-preters and Protesters. New Voices in Translation Studies, v. 20, p. 54-85, 2019.

JÄÄSKELÄINEN, R. Investigating Translation Strategies. In: TIRKKONEN-CONDIT, S.; LAFFLING, J. (Ed.). Recent trends in empirical translation research. Joensuu: University of Joensuu, 1999, p. 99-119.

JANZEN, T. (Ed.). Topics in signed language interpreting. Amsterdam/Philadelphia: John Ben-jamins, 2005. https://doi.org/10.1075/btl.63

KRINGS, H. P. Was in den Köpfen von Übersetzer vorgeht. Eine empirische Untersuchung der Struktur des Übersetzungsprozesses an fortgeschrittenen Französischlernern. Tübingen: Gunter Narr, 1986.

LÖRSCHER, W. Translation Process Analysis. In: GAMBIER, Y.; TOMMOLA, J. (Ed.). Translation and knowledge, SSOTT IV. Scandinavian Symposium on Translation Theory, Turku, June 4-6, 1992. Turku: University of Turku, Centre for Translation and Interpreting, 1993.

METZGER, M. Sign language interpreting: Deconstructing the myth of neutrality. Gallaudet University Press, 2002.

MOLE, H. Narratives of power: Critical reflections on signed language interpreting. 2018. 274f. Doctoral dissertation, Heriot-Watt University, Department of Languages and Intercultural Studies, 2018.

ROBINSON, Douglas. Becoming a translator. London & New York: Routledge, 1997.

TIRKKONEN-CONDIT, S. Professional vs. Non-Professional Translation: a Think-Aloud Protocol Study. In: HALLIDAY, M.; GIBBONS, J.; NICHOLAS, H. (Ed.). Learning, keeping and using language. Selected papers from the eighth World Congress of Applied Linguistics. Sydney, 16-21 August 1987. Amsterdam/Philadelphia: John Benjamins, 1990, p. 381-394. https://doi.org/10.1075/z.lkul2.28tir

Publicado
2019-12-30
Como Citar
GILE, D.; ESQUEDA, M. D.; FREITAS, F. DE S. Da comunicação à qualidade em interpretação e tradução. Letras & Letras, v. 35, n. 2, p. 219-245, 30 dez. 2019.