Laboratório de Tradução da Unila

Uma experiência formativa na Universidade Federal da Integração Latino-Americana

Palavras-chave: Tradução espanhol-português, Formação de tradutores, Tradução audiovisual, UNILA

Resumo

O projeto de extensão "Laboratório de Tradução da Unila” surge de um vazio institucional: a inexistência de uma instância para pensar a tradução coletivamente no contexto singular de uma universidade brasileira cujos princípios filosóficos e metodológicos são o bilinguismo português-espanhol, o multilinguismo, a interdisciplinaridade e a interculturalidade. Caracterizada como um espaço formativo para discentes de diferentes áreas do conhecimento interessados em desenvolver uma reflexão mais aprofundada sobre o traduzir e o papel das línguas d/na instituição, esta ação tem como desafio promover o estudo da tradução como um fazer especializado e o desenvolvimento da competência tradutória através de uma perspectiva socioconstrutivista (KIRALY, 2000). Neste artigo apresentaremos alguns aspectos teórico-metodológicos adotados no projeto e, a partir da descrição de um dos trabalhos concluídos pelo grupo no âmbito da tradução audiovisual, discutiremos como se desenvolve a experiência de tradução colaborativa que defendemos e na qual baseamos nossa prática de formação e avaliação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BLOOMFIELD, L. Language. New York: Holt, 1935.

BRITTO, P. H. O tradutor como Mediador Cultural. Synergies Brésil, n° spécial 2, p. 135-141, 2010. Disponível em: http://gerflint.fr/Base/Bresil_special2/britto.pdf. Acesso em: 01 jul. 2018.

CARVALHO, C. A. Por uma abordagem sistêmica, descritiva, funcional e subjetiva da tradução para legendas. TradTerm, v. 13, p. 13-29, 2007.

CINTRÃO, H. P. Colocar lupas, transcriar mapas. Iniciando o desenvolvimento da competência tradutória em nível básico de espanhol como língua estrangeira. 570 f. 2006. Tese (Doutorado em Letras) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2006.

FRANCO, E. P. C.; ARAÚJO, V. S. Questões terminológico-conceituais no campo da tradução audiovisual (TAV). Tradução em Revista, v. 11, p. 1-23, 2011/2.

GROSJEAN, F. Individual Bilingualism. In: ASHER, R. The Encyclopedia of Language and Linguistics. Oxford: Pergamon Press, 1994.

HATIM, B.; MASON, I. Teoría de la traducción. Una aproximación al discurso. Barcelona: Ariel, 1995 [1990].

HAUGEN, E. The Norwegian Language in America. Philadelphia: University of Pennsylvania Press, 1953.

HURTADO ALBIR, A. (Dir.) Enseñar a traducir: metodología en la formación de traductores e intérpretes. Madrid: Edelsa, 1999.

KELLY, D. A handbook for translator trainers: a guide to reflective practice. Manchester, UK; Northampton, MA: St. Jerome Pub., 2005.

KIRALY, D. A social constructivist approach to translator education: empowerment from theory to practice. Manchester, UK; Northampton, MA: St. Jerome Pub., 2000.

LARSEN-FREEMAN, D.; LONG, M. H. Introducción al estudio de la adquisición de segundas lenguas. Madrid: Editorial Gredos, 1994.

MACKEY. W. F. The description of bilinguism. In: FISCHMAN, J. A. (Ed.) Readings in the Sociology of Language. The Hague: Mouton, 1970, p. 554-584. [apud PRESAS, 2000]

MACNAMARA, J. The Bilingual’s linguistic performance: a psychological overview. Journal of Social Issues, v. 23, p. 59-77, 1967.

NORD, C. Applications of the model in translation training. In: NORD, C. Text Analysis in Translation: Theory, Methodology and Didactic Application of a Model for Translation-Oriented Text Analysis. 2nd Edition. Rodopi: Amsterdam/New York: 2005, p. 155-190.

PACTE (Proceso de Adquisición de la Competencia Traductora y su Evaluación). La competencia traductora y su adquisición. Quaderns. Revista de Traducción, v. 6, p. 39-45, 2001.

PARADISO, M.. (Dir.) Lunas Cautivas: Historias de poetas presas. Instituto Nacional de Cine y Artes Audiovisuales. Argentina, 2011.

PRESAS, M. Bilingual Competence and Translation Competence. In: SCHÄFFNER, C.; ADAB, B. (Ed.). Developing Translation Competence. Amsterdam: John Benjamins, 2000. p. 19-31.

TAGNIN, S. E. O.; TEIXEIRA, E. Linguística de Corpus e Tradução Técnica – Relato da montagem de um corpus multivarietal de culinária. TradTerm, São Paulo, v. 10, p. 313-358, 2004.

TAGNIN, S. E. O. O humor como quebra da convencionalidade. Revista Brasileira de Linguística Aplicada. Belo Horizonte, v 5, n. 1, 2005, p. 247-257.

UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA (UNILA). Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI) 2013-2017. Foz do Iguaçu: UNILA, 2013, p. 1-71. Disponível em: https://www.unila.edu.br/sites/default/files/files/PDI%20UNILA%202013-2017.pdf. Acesso em: 22 fev. 2016.

WEINREICH, U. Languages in contact: findings and problems. The Hague: Mouton, 1953.

Publicado
2019-12-30
Como Citar
MACEDO DE OLIVEIRA, B. Laboratório de Tradução da Unila. Letras & Letras, v. 35, n. 2, p. 1-17, 30 dez. 2019.