A intrahistoria de Manuel Rivas e as luzes da literatura sobre as sombras do passado

Palavras-chave: Manuel Rivas, Literatura Espanhola Contemporânea, Intrahistoria, Ética, Estética

Resumo

O presente artigo analisa alguns aspectos da obra ¿Qué me quieres, amor? do escritor galego-espanhol Manuel Rivas à luz da reflexão do próprio autor sobre seu estilo como uma intrahistoria que, por ser literária, transfigura as sombras do passado em arte. Defendemos que seu estilo, contemporâneo, mas não pós-moderno, revela uma crença no papel edificante da literatura.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Karla Cipreste, Universidade Federal de Uberlândia

Professora Adjunta da Universidade Federal de Uberlândia, credenciada no Programa de Pós-Graduação em Estudos Literários da mesma instituição. Doutora em Teoria da Literatura e Literatura Comparada pela Universidade Federal de Minas Gerais (2013), com doutorado sanduíche na Universitat Autònoma de Barcelona. Tem experiência na área de Letras, com ênfase em Teoria Literária e Literaturas de Língua Espanhola, atuando principalmente nos seguintes temas: literaturas hispânicas, humanismo secular, mística espanhola, erotismo, biopolítica.

Isabella Borges Gregório, Universidade Federal de Uberlândia

Mestrado em Letras e Graduação em Letras: Espanhol pela Universidade Federal de Uberlândia.

Referências

BATAILLE, Georges. A parte maldita. Rio de Janeiro: Imago, 1975.

BATAILLE, Georges. O erotismo. Porto Alegre: L&PM, 1987.

BONO, Ferran. Un trabajo para no mojarse. El País, Valência, 23 mai. 2002. Disponível em: http://elpais.com/diario/2002/05/23/cvalenciana/1022181509_850215.html. Acesso em: jul 2017.

DIÁRIO DO NORDESTE, As metáforas do mundo de Manuel Rivas. Fortaleza, 06 set. 2004. Disponível em: http://diariodonordeste.verdesmares.com.br/cadernos/caderno-3/as-metaforas-do-mundo-de-manuel-rivas-1.365357. Acesso em: jul. 2017.

EL CORREO. El filtro que convierte la invención en verdad. Bilbao, 27 nov. 2006. Caderno de cultura. Disponível em: http://www.elcorreo.com/alava/prensa/20061127/cultura_viz/filtro-convierte-invencion-verdad_20061127.html. Acesso em: jul 2017.

EL DIARIO. El escritor Manuel Rivas afirma que "toda lengua pertenece al mundo entero". Santiago de Compostela, 08 jun. 2013. Caderno de Política. Disponível em: https://www.eldiario.es/politica/escritor-Manuel-Rivas-lengua-pertenece_0_141036099.html Acesso em: jul. 2017.

FERRY, Luc. Do amor: uma filosofia para o século XXI. São Paulo: Difel, 2013.

GARZO, Gustavo Martín. Rivas es el cronista de un pueblo de soñadores. El País, Madri, 21 mai. 1996. Caderno de Cultura. Disponível em: https://elpais.com/diario/1996/11/12/cultura/847753211_850215.html Acesso em: março de 2017.

HUMANES, Ivan. Con Manuel Rivas. Disponível em: http://ivanhumanes.blogspot.com.br/2007/06/con-manuel-rivas.html Acesso em: jul. 2017.

ISER, Wolfgang. O fictício e o imaginário. Rio de Janeiro: Eduerj, 1996.

LYNCH, Guido Carelli. Manuel Rivas: el ecologista de las palabras. El Clarín, Bueno Aires, 01 set. 2009. Ñ Revista de Cultura. Disponível em: http://edant.revistaenie.clarin.com/notas/2009/09/01/_-01989488.htm Acesso em: jul. 2017.

NEIRA, Fernando. El cine era un paraíso inquieto. Aisge, Santiago de Compostela, 2012. Disponível em: http://www.aisge.es/manuel-rivas. Acesso em: jul. 2017.

PEREIRO, Xosé Manuel. Manuel Rivas: "La imaginación y la inventiva funcionan mejor que la Galicia real". El País, La Coruña, 12 nov. 1996. Caderno de Cultura. Disponível em: https://elpais.com/diario/1996/11/12/cultura/847753211_850215.html Acesso em: jul. 2017.

RIVAS, Manuel. ¿Qué Me Quieres, Amor? Madrid: Punto de Lectura, 2011.

ROCHA, João Cezar de Castro (Org.). Teoria da ficção. Rio de Janeiro: Editora UERJ, 1999.

RUBIO, Consuelo. In: CARNEL, Jolien. La guerra civil en la literatura y el cine. Disponível em: https://lib.ugent.be/fulltxt/RUG01/001/786/554/RUG01-001786554_2012_0001_AC.pdf. Acesso em: set. 2017

SÁNCHEZ, Mariela Paula. Transmisión oral en la narrativa española contemporánea: Un recurso para la construcción de la memoria de la Guerra Civil y del franquismo. 2012. Tese (Doutorado) -- Universidad Nacional de La Plata, 2012. Disponível em: <http://sedici.unlp.edu.ar/handle/10915/30900> Acesso em: dez. 2017.

SCRUTON, Roger. Beleza. São Paulo: É Realizações Editora, 2013.

TEJEDA, Armando G. Manuel Rivas: "mi primer libro fue la memoria de mi madre". Entrevista disponível em: https://www.babab.com/no19/rivas.php. Acesso em: mar. 2017.

VARGAS LLOSA. Mario. Los cuenteros de Zacapa. El País. Disponível em: https://elpais.com/elpais/2018/06/01/opinion/1527876940_909771.html. Acesso em: 10 mar. 2019.

Publicado
2019-06-19
Como Citar
CIPRESTE, K.; GREGÓRIO, I. B. A intrahistoria de Manuel Rivas e as luzes da literatura sobre as sombras do passado. Letras & Letras, v. 35, n. 1, p. 84-104, 19 jun. 2019.