Sujeitos surdos e discurso: a construção identitária e as relações de ensino

  • Vania Maria Lescano Guerra Universidade Federal de Mato Grosso do Sul
  • Eliane Francisca Alves da Silva Universidade Federal de Mato Grosso do Sul
Palavras-chave: Linguística Aplicada

Resumo

Esta pesquisa tem como objetivo estudar, a partir de uma perspectiva discursiva da linguagem (CORACINI, 2005 e 2007; MASCIA E SILVA JÚNIOR, 2009; FOUCAULT, 1985), as interferências da LIBRAS na marcação de tempo e em outros aspectos da gramática da Língua Portuguesa mediante análise de mensagens de surdos via inbox pela rede social Facebook. tendo em vista a especificidade da língua em questão. Também problematizar os discursos presentes na sociedade a respeito da língua em questão como do sujeito surdo numa sociedade que caminha em busca de melhor atender a necessidade das pessoas com deficiência. Assim, para um estudo sobre os enunciados da LIBRAS transcritos para a língua portuguesa - LP - na modalidade escrita por sujeitos surdos, analisamos os aspectos linguísticos da Língua Brasileira dos Sinais - LIBRAS, a estrutura dos sinais que dão forma aos discursos dos surdos e qual a relação entre esses dois sistemas linguísticos totalmente diferentes, a Língua de Sinais - LS e a LP, no processo de ensino aprendizagem desses sujeitos. Para este estudo, partimos das discussões a respeito da importância da LIBRAS no processo de ensino aprendizagem dos surdos e de como ensinar a LP, considerando as relações de poder que existem entre aluno surdo e professor ouvinte, aluno surdo e sociedade. Utilizamos como procedimento metodológico a seleção de mensagens trocadas com surdos da cidade de Nova Andradina e Campo Grande, estado de Mato Grosso do Sul, por inbox, recolhidas da rede social Facebook. A análise é especialmente focada em como ocorre a marcação de tempo nos discursos desses sujeitos, que podem transmitir suas ideias de forma coerente, desde que considerem os aspectos linguísticos de sua língua materna- LM, LIBRAS. Mesmo encontrando barreiras por parte de alguns profissionais da educação e da sociedade a LIBRAS é, de fato, a primeira língua da comunidade surda brasileira, servindo de apoio para que seus membros possam aprender outras linguagens na sua modalidade escrita. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vania Maria Lescano Guerra, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Doutora em Linguística e Língua Portuguesa pela UNESP de Araraquara (SP), com pós-doutorado pelo IEL/UNICAMP. Atua como docente permanente no Programa de Pós-graduação em Letras da UFMS, nível mestrado e doutorado.

Eliane Francisca Alves da Silva, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Mestre em Letras pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, no Programa de Pós-Graduação em Letras, área de Estudos Linguísticos. Docente da Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD), atuando no ensino da LIBRAS. Deficiente Auditiva, usuária da Língua Brasileira de Sinais - LIBRAS e atuante na comunidade Surda. Professora de Língua Brasileira de Sinais - LIBRAS autorizado pela Federação Nacional de Educação e Integração de Surdos- FENEIS e pelo Centro de Apoio ao Surdo - CAS. Interprete Educacional do 1º ao 9º ano do Ensino Fundamental pelo CAS. Proficiente no Ensino de Libras - PROLIBRAS. 

Publicado
2016-11-03
Como Citar
GUERRA, V. M. L.; SILVA, E. F. A. DA. Sujeitos surdos e discurso: a construção identitária e as relações de ensino. Letras & Letras, v. 32, n. 3, p. 226-248, 3 nov. 2016.