DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DE CRIADOUROS DE AEDES AEGYPTI EM JAGUARUANA – CE – BRASIL E SUAS CORRELAÇÕES COM INDICADORES SOCIODEMOGRÁFICOS

  • Carlos Vangerre de Almeida Maia
  • Gledson Santos de Lima
  • Alisson Daniel Silva Rocha
  • Estelita Lara de Oliveira
  • Márcia Cristina Freitas da Silva
  • Hihara Henrique da Silva
  • Gabriel Douglas Santiago Barros
Palavras-chave: Arboviroses, Depósitos Positivos, Geoestatística

Resumo

O Aedes aegypti é originário das selvas africanas, principal responsável pela disseminação de arboviroses (Dengue, Febre amarela, Zika e Chikungunya), capaz de se reproduzir em ambientes naturais ou depósitos artificiais. O controle das arboviroses passa pela capacidade de eliminar os Depósitos Positivos (DPs) para os culicídeos. O objetivo desse trabalho é mapear as áreas de risco para a ocorrência de DPs em três bairros contíguos, em Jaguaruana-CE, referente aos anos 2014 e 2015, mediante análises geoestatísticas, bem como aferir possíveis correlações entre variáveis sociodemográficas, constantes nos 14 setores censitários que se sobrepõem aos bairros e a ocorrência dos DPs, através da Correlação de Spearman, adotando o Intervalo de Confiança menor ou igual a 95%.  Os resultados comprovam a existência de uma possível área de risco, bem como, correlação entre a DPs e densidade populacional (ρ = 0,58; p = 0,03) e com a coleta de resíduos sólidos (ρ = -0,53; p = 0,05), coadunando para o entendimento de que o mosquito, por meio da oferta de seres humanos para praticar a hematofagia e existência de depósitos para sua ovipostura, não precisa se deslocar muito. Ou seja, as atuais condições são favoráveis para sua perpetuação na região estudada, cabendo ao poder público local se munir de estratégias para o combate ao culicídeo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carlos Vangerre de Almeida Maia
perpetuação na região estudada, cabendo ao poder público local se munir de estratégias para o combate ao culicídeo.

Referências

BARCELLOS, C.; PUSTAI, A. K.; WEBER, M. A.; BRITO, M. R. V. Identificação de locais com potencial de transmissão de dengue em Porto Alegre através de técnicas de geoprocessamento. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, Uberaba , v. 38, n. 3, p. 246-250, May 2005. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0037-86822005000300008&lng=en&nrm=iso . Accesso em: 25 Nov. 2018. http://dx.doi.org/10.1590/S0037-86822005000300008.

BRASIL. Ministério da Saúde. Boletim Epidemiológico

BRASIL. Ministério da Saúde. Boletim Epidemiológico

BRASIL. Ministério da Saúde. Levantamento Rápido de Índices para Aedes aegypti

CARVALHO, S.; MAGALH

CAVALCANTI L. P. G., BARRETO, F. K. A., OLIVEIRA, R. M. A. B., CANUTO I. F. P., LIMA, A. A. B., LIMA, J. W. O., et al. Trinta anos de dengue no Ceará: história, contribuições para ciência e desafios o cenário atual com tripla circulação de arbovírus. Journal of Health and Biological Sciences. 2018 Jan-Mar; 6(1):65-82. Disponível em: http://periodicos.unichristus.edu.br/index.php/jhbs/article/view/1415/553. Acesso em: 23 de Nov. 2018.

CEARÁ. Boletim Epidemiológico Febre de Chikungunya. Monitoramento dos casos de Febre de Chicungunya, 2016. Disponível em: http://www.saude.ce.gov.br/index.php/boletins#. Acesso em: 22/08/2018.

CEARÁ. Boletim Epidemiológico. Dengue, Chicungunya e Zika. Monitoramento dos casos de dengue, chicungunya e zika até a semana epidemiológica 48, 2017. Disponível em: http://www.saude.ce.gov.br/index.php/boletins# . Acesso em: 22/08/2018.

CHIARAVALLOTI NETO, F., MORAES, M. S., FERNANDES, M. A. Avaliação dos resultados de atividades de incentivo à participação da comunidade no controle da dengue em um bairro periférico do Município de São José do Rio Preto, São Paulo, e da relação entre conhecimentos e práticas desta população. Caderno de Saúde Publica. 1998; 14 Supl 2:S101-9. https://doi.org/10.1590/S0102-311X1998000600009.

COSTA, A.R. da.; SANTANA, C.M.; SILVA, V.L.; PINHEIRO, J.A.F.; MARQUES, M.M.M.; FERREIRA, P,M. Análise do controle vetorial da dengue no sertão piauiense entre 2007 e 2011. Cadernos de saúde Coletiva, v. 24, n. 3, p.: 275-281, 2016. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/cadsc/v24n3/1414-462X-cadsc-24-3-275.pdf. Acesso em: 16 Set. 2018.

DRUCK, S.; CARVALHO, M.S.; C

FEITOSA, F. R. S.; SOBRAL, I. S.; JESUS, E. N. Indicadores socioambientais como subsídio à prevenção e controle da Dengue. Revista Eletrônica em Gestão, Educação e Tecnologia Ambiental, v. 19, p. 351-368, 2015. Disponível em: https://periodicos.ufsm.br/reget/article/view/18239/pdf. Acesso em: 12 Dez. 2018.

IBGE

JOHANSEN, I. C.; CARMO, R. L. ; BUENO, M. C. D. Análise Espacial em População e Ambiente: Aplicação para o estudo da dengue em Caraguatatuba, São Paulo, em 2013. Revista Espinhaço, v. 3, p. 62-77, 2014. Disponível em: http://www.revistaespinhaco.com/index.php/journal/article/view/47. Acesso em: 04 Jan. 2019.

LONGLEY, P. A.; GOODCHILD, M. F.; MAGUIRE, D. J.; RHIND, D. W. Sistemas e Ciência da Informação Geográfica. Tradução de SCHNEIDER, A. et al. 3. ed. Porto Alegre: Bookman, 2013. 540 p.

MARTEIS, L.S.; STEFFLER, L.M.; ARA

SANTA CATARINA. Vigilância e controle do Aedes aegypti: Orientações Técnicas para Pessoal de Campo. Florianópolis, 2018.

SANTOS S M (Org.); SOUZA, W. V. (Org.). Introdução à estatística Espacial para a Saúde Pública. 1. ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2008. v. 1. 120 p.

SOBRAL, M. F. F., SOBRAL, A. I. G. da P.. Casos de dengue e coleta de lixo urbano: um estudo na Cidade do Recife. Ciências e Saúde Coletiva. Disponível em: em: http://www.cienciaesaudecoletiva.com.br/artigos/casos-de-dengue-e-coleta-de-lixo-urbano-um-estudo-na-cidade-do-recife/16258?id=16258. Acesso em: 21 Out. 2018.

TARTARUGA, I. G. P. Análise espacial da centralidade e da dispersão da riqueza gaúcha de 1970 a 2000: notas preliminares. Ensaios FEE, v. 30, p. 391-426, 2009. Disponível em: https://www.fee.rs.gov.br/tedes/analise-espacial-da-centralidade-e-da-dispersao-da-populacao-e-da-riqueza-gauchas-de-1970-a-2000-metodologias-e-notas-preliminares/. Acesso em: 20 Nov. 2018.

TONIAZZO, F.; LAVNITCKI, L. ; BAUM, C. A. A relação da evolução nos números de casos e focos da dengue com o saneamento básico no Brasil e em Santa Catarina. Revista Conversatio, v. 1, p. 497-508, 2016. Disponível em: www.celer.com.br/revistaconversatio/edicao/02/artigo21.pdf. Acesso em: 14 Nov. 2018.

ZARA, A. L. S. A.; SANTOS, S. M.; OLIVEIRA, E. S. F.; CARVALHO, R. G.; COELHO, E. G. Estratégias de controle do Aedes aegypti: uma revisão. Epidemiologia e Serviços de Saúde. v. 25, n.2, p. 391-404, 2016. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ress/v25n2/2237-9622-ress-25-02-00391.pdf>. DOI: 10.5123/S1679-49742016000200017. Acesso em: 21/08/2018.

Publicado
2019-07-09
Como Citar
MAIA, C. V. DE A.; DE LIMA, G. S.; ROCHA, A. D. S.; DE OLIVEIRA, E. L.; DA SILVA, M. C. F.; DA SILVA, H. H.; BARROS, G. D. S. DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DE CRIADOUROS DE AEDES AEGYPTI EM JAGUARUANA – CE – BRASIL E SUAS CORRELAÇÕES COM INDICADORES SOCIODEMOGRÁFICOS. Hygeia - Revista Brasileira de Geografia Médica e da Saúde, v. 15, n. 31, p. 71 - 81, 9 jul. 2019.
Seção
Artigos