SABERES TRADICIONAIS, BIODIVERSIDADE, PRÁTICAS INTEGRATIVAS E COMPLEMENTARES: O USO DE PLANTAS MEDICINAIS NO SUS

  • Marta Rocha Castro
  • Fábio Fonseca Figueiredo Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Palavras-chave: Biodiversidade, Conhecimento tradicional, Plantas medicinais

Resumo

O artigo tem como objetivo apresentar o uso de plantas medicinais no âmbito da Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares implementada no Sistema Único de Saúde desde 2006. Realizamos uma ampla revisão bibliográfica do tema, sobretudo na área da geografia da saúde, bem como a consulta a documentos produzidos e distribuídos pelo Governo Federal, através do Ministério da Saúde. Conforme resultados, a prática do uso das plantas medicinais é fortemente recomendada pelos organismos internacionais e a sua institucionalização através Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos valoriza sobremaneira os saberes tradicionais no cuidado à saúde adquiridos ao longo dos séculos. O fato das pesquisas cientificas comprovarem através de métodos da medicina moderna a eficiência no uso das plantas medicinais reforça tais saberes no uso dessas plantas nas unidades atenção à saúde básica. Outro aspecto satisfatório é proporcionar um maior conhecimento da biodiversidade do país haja vista que as plantas utilizadas no tratamento a doentes serem regionalizadas. Assim, o uso das plantas medicinais na atenção à saúde básica implica numa forma de tratamento médico diferenciado da medicina praticada atualmente, que se baseia amplamente em métodos cientificistas onde a tecnologia se sobressai à prática médica fundamentada na precaução e prevenção.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fábio Fonseca Figueiredo, Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Departamento de Políticas Públicas

Referências

ALHO, C. Importância da Biodiversidade para a saúde humana: uma perspectiva ecológica. Rev. estudos avançados, 26 (74), 2012. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/ea/v26n74/a11v26n74.pdf>. Acesso em 08 de dezembro de 2018.

ANVISA. Lista DCB Plantas medicinais atualizada em 2017. 2017. Disponível em: <http://portal.anvisa.gov.br/resultado-de-busca?p_p_id=101&p_p_lifecycle=0&p_p_state=maximized&p_p_mode=view&p_p_col_id=column-1&p_p_col_count=1&_101_struts_action=%2Fasset_publisher%2Fview_content&_101_assetEntryId=3881905&_101_type=document>. Acesso em 08 de dezembro de 2018.

BIODIVERSIDADE. Biomas do Brasil. 2018. Disponível em: <http://www.biodiversidade.rs.gov.br/arquivos/1161807794biomas_br.jpg>. Acesso em 08 de dezembro de 2018.

BLAJ. I. e MALUF. M. Caminhos e fronteiras: o movimento na obra de Sérgio Buarque de Holanda. R. História, São Paulo, n. 122, p. 17-46, jan/jun. 1990. Disponível em: <http://www.revistas.usp.br/revhistoria/article/view/18619/20682>. Acesso em 08 de dezembro de 2018.

BRASIL. Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares no SUS. Brasília: 2006. Disponível em: <http://189.28.128.100/dab/docs/publicacoes/geral/pnpic.pdf>. Acesso em 08 de dezembro de 2018.

CMDSS. Conferência Mundial sobre Determinantes Sociais da Saúde. Declaração Alma-Ata, 2011. Disponível em: <http://cmdss2011.org/site/wp-content/uploads/2011/07/Declara%C3%A7%C3%A3o-Alma-Ata.pdf>. Acesso em 08 de dezembro de 2018.

DIEGUES. A. C (org.), ARRUDA, R. S. V., SILVA, V. C. F., FIGOLS, F. A. B. e ANDRADE, D. Biodiversidade e comunidades tradicionais no Brasil. São Paulo: NUPAUB-USP/PROBIO-MMA/CNPq, 1999. Disponível em: <http://livroaberto.ibict.br/bitstream/1/750/2/Biodiversidade%20e%20comunidades%20tradicionais%20no%20Brasil.pdf>. Acesso em 08 de dezembro de 2018.

DONATELLI, M. A necessidade da certeza na explicação cientifica cartesiana e o recurso à experiência. Ilhéus: Cadernos de História e filosofia da ciência, 2003. Disponível em: <https://www.cle.unicamp.br/eprints/index.php/cadernos/article/view/698>. Acesso em 08 de dezembro de 2018.

FARNSWORTH, N. R. Screening plants for new medicines. In: WILSON, E. O. (Ed.) biodiversity. Washington DC: National Academy Press, 1988. pp. 83-97

FERREIRA, L. O. A emergência da medicina tradicional indígena no campo das políticas públicas. Hist. cienc. Saúde Manguinhos. Rio de Janeiro: v. 20, n. 1, p. 203-219, 2013. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-59702013000100011&lng=en&nrm=iso>. Acesso em 08 de dezembro de 2018.

FIGUEIREDO, F. F. A agenda político-ambiental no Brasil. Revista Espaço Acadêmico, v. 18, p. 106-115, 2018. Disponível em <http://www.periodicos.uem.br/ojs/index.php/EspacoAcademico/article/view/41075>. Acesso em 08 de dezembro de 2018.

FLORA DO BRASIL. 2018. Disponível em: <http://floradobrasil.jbrj.gov.br/>. Acesso em 08 de dezembro de 2018.

FOUCAULT, M. A Microfísica do Poder. São Paulo: Paz e Terra, 1978. Disponível em: <https://www.nodo50.org/insurgentes/biblioteca/A_Microfisica_do_Poder_-_Michel_Foulcault.pdf>. Acesso em 07 de julho de 2018.

FREITAS, S. M. A Saúde no Brasil: do descobrimento aos dias atuais. São Paulo; INDHS. 2014

GANEM, R.S. Conservação da biodiversidade: Legislação e políticas públicas. Brasília,

Edições Câmara, 2010. 437p Disponível em: <https://livraria.camara.leg.br/index.php?_route_=livros/livros-impressos/conservac-o-da-biodiversidade.html>. Acesso em 07 de julho de 2018.

LANDER. E. A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais perspectivas latino americanas. Buenos Aires: Clacso, 2005. Disponível em <https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/2591382/mod_resource/content/1/colonialidade_do_saber_eurocentrismo_ciencias_sociais.pdf>. Acesso em 08 de dezembro de 2018.

LUZ, M. T. Cultura contemporânea e medicinas alternativas: novos paradigmas em saúde no final do século XX. Rev. estudos avançados. Disponível em <https://www.scielosp.org/article/physis/2005.v15suppl0/145-176/>. Acesso em 08 de dezembro de 2018.

MINIST

____________. Programa Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos. Brasília: 2008. Disponível em <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/pri2960_09_12_2008.html>. Acesso em 08 de dezembro de 2018.

____________. Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos. Brasília: 2006. Disponível em <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica_nacional_fitoterapicos.pdf>. Acesso em 08 de dezembro de 2018.

____________. A fitoterapia no SUS e o Programa de Pesquisa de Plantas Medicinais da Central de Medicamentos. 2006b. Disponível em <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/fitoterapia_no_sus.pdf>. Acesso em 08 de dezembro de 2018.

____________. Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares. Brasília: 2005. Disponível em <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2006/prt0971_03_05_2006.html>. Acesso em 08 de dezembro de 2018.

OMS. Estrategia de la OMS sobre medicina tradicional 2014-2023. Organização Mundial de Saúde, 2014. Disponível em <http://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/95008/9789243506098_spa.pdf;jsessionid=D65AD1DCC04CCF0044B61351F97DBB72?sequence=1>. Acesso em 08 de dezembro de 2018.

PAIM, J. S. Reforma Sanitária Brasileira: contribuição para a compreensão e crítica. Rio de Janeiro: FIOCRUZ, 2008. Disponível em: <http://books.scielo.org/id/4ndgv/pdf/paim-9788575413593.pdf>. Acesso em 08 de dezembro de 2018.

QUEIROZ, M. D. S. O paradigma mecanicista da medicina ocidental moderna: uma perspectiva antropológica. Revista de saúde pública, 20, 309-317, 1986. Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0034-89101986000400007&script=sci_abstract&tlng=pt>. Acesso em 08 de dezembro de 2018.

SAAD, M. e LIMA, P. T. Acesso às terapias complementares cresce no SUS. Einstein: Educ. Contin. Saúde, 2010. Disponível em <http://apps.einstein.br/revista/arquivos/PDF/1883-EC_V8_N4_p210-11.pdf>. Acesso em 08 de dezembro de 2018.

STADEN, Hans. Duas viagens ao Brasil: primeiros registros sobre o Brasil. Porto Alegre: L&PM Pocket, 2010.

TABARELLI. M, AGUIAR, A. V., RIBEIRO, M. C., METZGER, J. P., PERES, C. A. Prospects for biodiversity Conservation in the Atlantic Forest Lessons from aging human modified landscape. Elsevier. pp: 2226- 3340. 2010. Disponível em: <https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/S0006320710000443>. Acesso em 08 de dezembro de 2018.

Publicado
2019-07-05
Como Citar
CASTRO, M. R.; FIGUEIREDO, F. F. SABERES TRADICIONAIS, BIODIVERSIDADE, PRÁTICAS INTEGRATIVAS E COMPLEMENTARES: O USO DE PLANTAS MEDICINAIS NO SUS. Hygeia - Revista Brasileira de Geografia Médica e da Saúde, v. 15, n. 31, p. 56 - 70, 5 jul. 2019.
Seção
Artigos