DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DA DENGUE NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO NO PER͍ODO DE 2001 A 2012

  • Camila de Oliveira Carvalho
  • Renata dos Santos Rabello Doutora em Ciências
  • Sandra Maria Gomes Thomé Doutora em Epidemiologia Experimental Aplicada às Zoonoses pela Universidade de São Paulo - USP Professora adjunta do Instituto de Veterinária
Palavras-chave: Análise espacial de doenças. Taxas de incidência. Suavização espacial. Estimador Bayesiano Empírico Local.

Resumo

A dengue é uma doença de transmissão vetorial, causada por quatro vírus: DENV1, DENV2, DENV3 e DENV4. A doença representa um importante desafio para a Saúde Pública mundial, devido seu potencial de transmissão e desenvolvimento de formas graves e letais. O objetivo desta pesquisa foi analisar a distribuição espacial de casos de dengue no estado do Rio de Janeiro, no período de 2001 a 2012 de modo a identificar as regiões com maiores riscos para a ocorrência da doença. Foram empregadas Taxas Brutas e Taxas Suavizadas pelo Método Bayesiano Empírico Local para corrigir as flutuações decorrentes do problema das pequenas áreas. Os dados de notificações de casos de dengue foram obtidos pelo SINAN. Para o cálculo das Taxas Bayesianas, criou-se uma matriz de proximidade com o critério de continuidade. Os mapas das Taxas Brutas indicaram que os municípios com maior número de notificações estão localizados nas regiões Baixadas Litorâneas e Norte Fluminense. As Taxas Suavizadas indicaram que as regiões Noroeste Fluminense e Baixadas Litorâneas possuem os municípios com maior número de notificações. O Estimador Bayesiano Empírico Local reduziu o efeito das flutuações aleatórias. As Taxas Suavizadas identificaram os municípios fluminenses com taxas mais elevadas da doença, estabelecendo as áreas prioritárias para os programas de controle da dengue.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2018-03-02
Como Citar
CARVALHO, C. DE O.; DOS SANTOS RABELLO, R.; GOMES THOMÉ, S. M. DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DA DENGUE NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO NO PER͍ODO DE 2001 A 2012. Hygeia - Revista Brasileira de Geografia Médica e da Saúde, v. 14, n. 27, p. 108 - 123, 2 mar. 2018.
Seção
Artigos