HANSENÍASE NO ESTADO DO MARANHÃO: ANÁLISE DAS ESTRATÉGIAS DE CONTROLE E OS IMPACTOS NOS INDICADORES EPIDEMIOLÓGICOS

  • Carlos Eduardo de Castro Passos Mestre em Saúde e Ambiente (UFMA).
  • Antônio Rafael da Silva Doutor em Medicina (UFRJ).
  • Eloisa da Graça do Rosário Gonçalves Doutora em Medicina Tropical pela Fundação Oswaldo Cruz.
  • Felipe Gomes Carreiro Neiva Acadêmico do Curso de Medicina da Universidade Federal do Maranhão (UFMA)
  • Silvio Gomes Monteiro Doutor em Ciências Biológicas (USP)
Palavras-chave: Hanseníase. Epidemiologia. Estratégias de controle

Resumo

Introdução: As estratégias de controle da hanseníase vêm se aprimorando ao longo das décadas. No entanto, em 2012, o Brasil ainda detinha o maior número de casos de hanseníase das Américas (93%) e ocupa o segundo lugar de casos no mundo. Fortalecendo tal estatística, encontra-se o Maranhão como 4º colocado do Brasil em detecção de casos novos; 3º em menores de 15 anos de idade; e, no geral, o estado mais prevalente do Nordeste. Métodos: Desenvolveu-se um estudo ecológico exploratório, da evolução temporal dos indicadores epidemiológicos da hanseníase e das políticas públicas de controle da endemia no período de 2002-2011. Resultados: Foi observado que as ações de controle realizadas buscaram abranger os campos da epidemiologia, gestão, atenção integral, comunicação e educação, além de supervisões municipais. Foram identificados os principais indicadores epidemiológicos e operacionais da hanseníase, a partir dos quais pôde-se observar um padrão de tendência decrescente na detecção de casos novos, com significância estatística (R2=0,83; P<0,0001). Por outro lado, a proporção de casos novos multibacilares revelou-se em tendência inversa (R2=0,95; P<0,0001). A análise mostrou ainda que o coeficiente de casos novos no Maranhão foi significativamente maior (74,3/100.000) que a média nacional (24,9/100.000), apresentando RR=2,96, IC95%: 1,88-4,66; p<0,0001. Seguiu a mesma trajetória, o coeficiente de casos novos em menores de 15 anos e o coeficiente anual de prevalência. Conclusão: Diante do panorama epidemiológico identificado e das estratégias descritas o estudo reforça que as medidas de controle devem ser mantidas como prioridades em todo o território estadual e ser intensificadas nos municípios em situação de alta e hiperendemicidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carlos Eduardo de Castro Passos, Mestre em Saúde e Ambiente (UFMA).
Saúde e Ambiente - SA
Publicado
2016-08-12
Como Citar
PASSOS, C. E. DE C.; DA SILVA, A. R.; DO ROSÁRIO GONÇALVES, E. DA G.; GOMES CARREIRO NEIVA, F.; GOMES MONTEIRO, S. HANSENÍASE NO ESTADO DO MARANHÃO: ANÁLISE DAS ESTRATÉGIAS DE CONTROLE E OS IMPACTOS NOS INDICADORES EPIDEMIOLÓGICOS. Hygeia - Revista Brasileira de Geografia Médica e da Saúde, v. 12, n. 22, p. 88 - 100, 12 ago. 2016.
Seção
Artigos