ESPAÇO E DOENÇA: MUDANÇAS ANTRÓPICAS E A HANTAVIROSE

  • Janduhy Pereira dos Santos Universidade de Brasília
  • Valdir Adilson Steinke
  • Stefan Vilges de Oliveira Ministério da Saúde
  • Marco Túlio Antônio García-Zapata
Palavras-chave: Geografia da Saúde, Focos antropúrgicos, Hantavirose.

Resumo

O contexto histórico da Geografia demonstra a existência de uma relação entre o espaço e a Epidemiologia, pois as primeiras observações nas ocorrências e também na distribuição das doenças já levavam em conta as características geográficas do local de ocorrência e a possível existência de algum tipo de correlação. Assim, faz-se importante uma breve retrospectiva da relação entre a ciência geográfica e a saúde, bem como uma análise teórica da paisagem e a sua importância para a Epidemiologia das doenças infecciosas. Através do estudo da teoria dos focos naturais e antropúrgicos do parasitologista Eugene N. Pavlovsky (1884-1965), é possível averiguar novas perspectivas para a compreensão da espacialidade da Hantavirose. A importância do entendimento da organização do espaço geográfico na gênese e distribuição das doenças contagiosas possibilita a oferta de subsídios para uma melhor gestão nos programas de vigilância epidemiológica e de saúde ambiental para o controle das zoonoses e, em especial, da Hantavirose. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Janduhy Pereira dos Santos, Universidade de Brasília

Geógrafo - Universidade de Brasília

Doutorado em Geografia -Universidade de Brasília

Valdir Adilson Steinke
Professor - Universidade de Brasília
Stefan Vilges de Oliveira, Ministério da Saúde
Biólogo - Ministério da Saúde
Publicado
2016-08-12
Como Citar
SANTOS, J. P. DOS; STEINKE, V. A.; OLIVEIRA, S. V. DE; GARCÍA-ZAPATA, M. T. A. ESPAÇO E DOENÇA: MUDANÇAS ANTRÓPICAS E A HANTAVIROSE. Hygeia - Revista Brasileira de Geografia Médica e da Saúde, v. 12, n. 22, p. 62 - 71, 12 ago. 2016.
Seção
Artigos