THESES DOUTORAIS DA FACULDADE DE MEDICINA DA BAHIA. MEMÓRIA E REGENERAÇÃO SOCIAL DO ESPAÇO SOTEROPOLITANO

  • Tânia Regina Braga Torreão Sá Professora Assistente do Departamento de Ciências Humanas e Letras da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (DCHL/UEBS)
  • Lívia Diana Rocha Magalhães Doutorado em Educação. Coordenadora do PPGMLS/UESB.
Palavras-chave: Theses doutorais, Scientificismo, Cidade da Baía.

Resumo

Nesse artigo selecionamos 3 theses doutorais escritas pelos médicos da Faculdade de Medicina da Bahia (FAMEB). A saber: Alguns traços da nossa população sob o ponto de vista hygiênico e evolucionista, de autoria de Theotônio Martins de Almeida, escrita em 1899; Influência da prostituição sobre a sociedade actual, de autoria de Ângelo de Lima Godinho Santos, escrita em 1909; e Da inconveniência da liberdade illimitada no exercício da prostituição, de autoria de Antônio Joaquim de Sampaio, escrita em 1912. Nos documentos perscrutamos através do procedimento da análise de conteúdo, a possibilidade de diálogo das grandes metateorias que dominaram o século XIX, com o pensamento médico sobre Salvador. Dentro de um recorte temporal de 13 anos, foi possível localizar as produções supramencionadas dentro da Cadeira/Disciplina de Hygiene, cadeira/disciplina essa que conferiu uma identidade própria a Academia baiana, pois que, enquanto os médicos da Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro (FAMERJ), criada no mesmo ano que a FAMEB, buscavam sua originalidade na pesquisa das doenças tropicais, os médicos baianos farão o mesmo, só que partindo do entendimento que os cruzamentos raciais são o nosso grande mal, mas, ao mesmo tempo, nossa suprema diferença. Nesse artigo evidenciaremos alguns aspectos dessa interpretação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Tânia Regina Braga Torreão Sá, Professora Assistente do Departamento de Ciências Humanas e Letras da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (DCHL/UEBS)
Possui graduação em Pedagogia (1983), mestrado em Educação pela Universidade Federal de São Carlos (1992), doutorado em Educação pela Universidade Estadual de Campinas (1999) com estágio na Universidade Complutense de Madri, Pós-Doutorado em Psicologia Social pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) com estágio na universidade Complutense de Madri. Atualmente é professora Plena da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, coordenadora do Museu Pedagógico e vice-coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Memória:Linguagem e Sociedade, do PROCAD/UESB/UNICAMP/PUC/SP. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Política Educacional , atuando principalmente nos seguintes temas: educação, geração e memória geracional, história e história da educação.
Lívia Diana Rocha Magalhães, Doutorado em Educação. Coordenadora do PPGMLS/UESB.
Possui graduação em Pedagogia (1983), mestrado em Educação pela Universidade Federal de São Carlos (1992), doutorado em Educação pela Universidade Estadual de Campinas (1999) com estágio na Universidade Complutense de Madri, Pós-Doutorado em Psicologia Social pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) com estágio na universidade Complutense de Madri. Atualmente é professora Plena da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, coordenadora do Museu Pedagógico e vice-coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Memória:Linguagem e Sociedade, do PROCAD/UESB/UNICAMP/PUC/SP. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Política Educacional , atuando principalmente nos seguintes temas: educação, geração e memória geracional, história e história da educação
Publicado
2016-12-16
Como Citar
TORREÃO SÁ, T. R. B.; ROCHA MAGALHÃES, L. D. THESES DOUTORAIS DA FACULDADE DE MEDICINA DA BAHIA. MEMÓRIA E REGENERAÇÃO SOCIAL DO ESPAÇO SOTEROPOLITANO. Hygeia - Revista Brasileira de Geografia Médica e da Saúde, v. 12, n. 23, p. 60 - 80, 16 dez. 2016.
Seção
Artigos