ALTERAÇÕES AMBIENTAIS E OS RISCOS DE TRANSMISSÃO DA LEISHMANIOSE TEGUMENTAR AMERICANA NA ÁREA DE INFLUÊNCIA DA UHE SERRA DO FACÃO, GOIÁS, BRASIL

  • Elisângela de Azevedo Silva Rodrigues UFU
  • Samuel do Carmo Lima UFU
Palavras-chave: Leishmaniose Tegumentar Americana, flebotomíneos,

Resumo

Este trabalho teve por objetivo estudar os flebotomíneos capturados na área de influência pela UHE Serra do Facão, em Goiás, Brasil, antes, durante e após o enchimento do reservatório, e avaliar o risco de ocorrência das Leishmanioses na área diretamente afetada pela UHE Serra do Facão, Goiás, Brasil. Seis pontos foram selecionados para captura dos flebotomíneos. Nestes pontos no período de agosto de 2008 a julho de 2010 foram realizadas 72 capturas totalizando 216 horas de trabalho de campo, utilizando-se armadilhas tipo CDC (Center on Disease Control) e Shannon, nas quais foram capturados 6139 flebotomíneos de 16 espécies do gênero Lutzomyia pertencentes às seguintes espécies: L. neivai (PINTO, 1926) (93,51%), L. whitmani (ANTUNES; COUTINHO, 1939) (2,35%), L. pessoai (COUTINHO; BARRETO,1940) (1,68%), L. davisi (ROOT, 1934) (1,07%), L. lenti (MANGABEIRA,1938) (0,47%), L. termitophila (MARTINS; FALCÃO; SILVA,1964) (0,21%), L. shannoni (DYAR, 1929) (0,15%), L. misionensis (CASTRO, 1959), (0,11%),L. christenseni (YOUNG; DUNCAN, 1994) (0,10%), L. mamedei (OLIVEIRA, AFONSO; DIAS; BRAZIL) (0,10%), L. quinquefer (DYAR, 1929) (0,05%), L. sallesi (GALVÃO; COUTINHO,1939) (0,08%), L. lutziana (COSTA LIMA,1932) (0,05%), ), L. cortellezzii (COSTA LIMA,1932) (0,03%), L. flaviscutellata (MANGABEIRA,1942) (0,02%), L. sordellii (SHANNON; DEL PONTE,1927) (0,02%). Dentre as espécies capturadas, quatro possuem importância epidemiológica por serem incriminadas na transmissão da Leishmaniose Tegumentar Americana (LTA): Lutzomyia neivai, 5741 espécimes capturados nos seis pontos; Lutzomyia pessoai, 103 capturados em cinco pontos; Lutzomyia whitmani, 144 capturados em quatro pontos e Lutzomyia flaviscutellata, apenas um espécime capturado em um ponto. L.neivai foi a espécie predominante nas capturas realizadas e, por isso, pode ser considerada como a principal suspeita de veicular o agente etiológico da LTA na área de influência do reservatório da UHE Serra do Facão, dada a grande prevalência desta espécie nos seis pontos estudados.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Elisângela de Azevedo Silva Rodrigues, UFU
Possui graduação em Geografia (licenciatura e bacharelado) e Mestrado em Geografia pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU-2011). Participa de um grupo de pesquisas na área da Geografia Médica e Vigilância Ambiental em Saúde coordenado pelo Prof. Dr Samuel do Carmo Lima, docente da Universidade Federal de Uberlândia. Exerce pesquisa nos seguintes temas: Doenças de Chagas, Leishmaniose, Malária, Dengue.

Referências

REFER

FERRETE, J.A., LEMOS J.C., LIMA, S.C. Lagos artificiais e os fatores condicionantes e determinantes no processo saúde-doença. Caminhos Geogr. 2004; 5(13):187-200. [ Links ]

IGLESIAS, J.D.F. Aspectos médicos das parasitoses humanas. Rio de Janeiro: Médsi, 1997.487p.

PASSOS V.M.A, ANDRADE A.C, SILVA E.S, FIGUEIREDO E.M., FALC

AGUIAR G.M., MEDEIROS W.M. Distribuição e hábitats. In: Rangel E.F., LAINSON, R (eds) Flebotomíneos do Brasil. Editora Fundação Oswaldo Cruz/Fiocruz , Rio de Janeiro, p. 207-255, 2003. [ Links ]

PESS

MINIST

MINIST

SERRA DO FAC

FLOR

REINALDO, H.C., MESQUITA, H.A. O modelo energético brasileiro: Quando a luz não é para todos. XIX Encontro Nacional e Geografia Agrária, São Paulo, 2009, p. 1-14.

FERREIRA, A.P.S.O.; MENDON

AB'SABER, A. N. 2003. O Domínio de Natureza no Brasil: potencialidades paisagísticas. São Paulo. Ateliê Editorial. 159p. [ Links ]

OLIVEIRA, A.L., CLEPS J

SUDIA, W.D., R.W. CHAMBERLAIN. 1962. Battery - operated light trap, an improved model. Mosquito News 22:126-129. [ Links ]

ESCALA DA FOR

YOUNG, D. G. & DUNCAN, M. A., 1994. Guide to the identification and geographic distribuition of Lutzomyia sand flies in México, the West Indies, Central and South America (Diptera: Psychodidae). Memoirs of the American Entomological Institute, 54. [ Links ]

.

MARCONDES C.B., FALQUETO A., LOZOVEI A.L. 1994. Estudo morfométrico de Lutzomyia intermedia Lutz & Neiva, 1912 de duas localidades em altitudes diferentes no Estado do Espírito Santo, Brasil (Diptera, Psychodidae). Rev Patol Trop 23: 297. [ Links ]

PITA -PEREIRA, D.; SOUZA, G. D.; ZWETSCH, A.; ALVES C. R.; BRITTO , C. & RANGEL, E. F. 2009. First report of Lutzomyia (Nyssomyia) neivai (Diptera: Psychodidae: Phlebotominae) naturally infected by Leishmania (Viannia) braziliensis in a periurban area of South Brazil using a multiplex PCR assay. American Journal of Tropical Medicine and Hygiene, 80(4): 593-595.

CORDOBA-LANUS E, DE GROSSO ML, Pinero JE, VALLADARES B, SALOM

LEMOS, 2007; LEMOS, J.C. Fauna flebotomínea na bacia do rio Araguari, antes, durante e após a construção da barragem da usina hidrelétrica Capim Branco I, Uberlândia, Minas Gerais, Brasil. 2007. 181 f. Dissertação (Doutorado em Geografia)

MARCONDES, C.B., LOZOVEI, A.N., VILELA, J.H. Distribuição geográfica de flebotomíneo do complexo L.intermedia (Lutz & Neiva, 1912) (Díptera, Psychodidae). Revista Sociedade Brasileira de Medicina Tropical 31(1): 51-58, jan-fev, 1998. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rsbmt/v31n1/0615.pdf Acesso em: 09/06/11.

MARCONDES, C.B. Flebotomíneos. In: Marcondes, CB. Entomologia Médica e Veterinária, São Paulo: Atheneu, 2001 p.13-30.

PAULA, M.B.C. Fatores ambientais, fauna flebotomínica e a transmissão da Leishmaniose Visceral em Uberlândia-MG, Brasil. 2010.165f. Dissertação (Doutorado em Geografia)

RANGEL , E. F., LAINSON, R (2003) Flebotomíneos do Brasil. Rio de Janeiro, Editora Fiocruz, 368p. [ Links ]

CAMARGO-NEVES V.L. F, GOMES AC, ANTUNES J.L.F. Correlação da presença de espécies de flebotomíneos (Diptera: Psychodidae) com registros de casos da leishmaniose tegumentar americana no Estado de São Paulo, Brasil. Rev Soc Bras Med Trop. 2002; 35:299-306. [ Links ]

YOUNG G.D, ARIAS J.R. Flebotomos Vectores de Leishmaniasis em las Américas. OPS, cuaderno técnico No. 33. p. 28, 1992. [ Links ]

Publicado
2013-06-19
Como Citar
SILVA RODRIGUES, E. DE A.; LIMA, S. DO C. ALTERAÇÕES AMBIENTAIS E OS RISCOS DE TRANSMISSÃO DA LEISHMANIOSE TEGUMENTAR AMERICANA NA ÁREA DE INFLUÊNCIA DA UHE SERRA DO FACÃO, GOIÁS, BRASIL. Hygeia - Revista Brasileira de Geografia Médica e da Saúde, v. 9, n. 16, p. 148 - 158, 19 jun. 2013.
Seção
Artigos