NOTIFICAÇÕES DOS ATENDIMENTOS ANTI-RÁBICO HUMANO: PERFIL DAS VÍTIMAS E DOS ACIDENTES

  • Lucimare Ferraz Universidade do Estado de Santa Catarina-UDESC. Universidade Comunitária da Região de Chapecó.
  • Maria Assunta Busato Universidade Comunitária da Região de Chapecó.
  • Jilciane Fatima Ferrazzo Universidade Comunitária da Região de Chapecó
  • Ana Paula Rech Universidade Comunitária da Região de Chapecó
  • Paula Senna da Silva Secretaria de Saúde de Chapecó
Palavras-chave: raiva, vigilância epidemiológica, notificação.

Resumo

O objetivo deste estudo foi conhecer o perfil do atendimento anti-rábico humano pós-exposição no município de Chapecó-SC. O estudo é do tipo descritivo de série temporal, realizado através do banco de dados do Sistema de Informação de Agravos de Notificação (SINAN), alimentado pelas fichas de investigação de atendimento antirrábico humano do setor de Vigilância Epidemiológica da Secretaria da Saúde. Os dados são referentes aos 100% dos casos notificados nos anos de 2009 e 2010. Nesse período houve 907 notificações de antendimento antirábico humano, sendo que 51,92% dos indivíduos eram do sexo feminino; a faixa etária com maior incidência foi a de 20 a 59 anos e 91,17 % dos casos residiam na zona urbana. A espécie agressora predominante foi a canina, com 92,72% dos casos notificados, e a mordedura a agressão mais presente e localizada pricipalmente nos membros inferiores. Os acidentes anti-rábicos não podem ser ignoradas pelo poder público, pois refletem em diversos problemas relacionados à saúde, habitação, limpeza das ruas, entre outros. Acredita-se que atividades educativas na comunidade auxiliaria a população a fazer mudanças que influenciem em suas vidas e na conduta responsável no seu convívio com os animais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lucimare Ferraz, Universidade do Estado de Santa Catarina-UDESC. Universidade Comunitária da Região de Chapecó.
Docente do programa de Stricto Sensu em Ciências da Saúde da Universidade Comunitária da Região de Chapecó e do departamento de enfermagem da Universidade do Estado de Santa Catarina-UDESC.
Maria Assunta Busato, Universidade Comunitária da Região de Chapecó.
Docente do programa de Stricto Sensu em Ciências da Saúde da Universidade Comunitária da Região de Chapecó
Jilciane Fatima Ferrazzo, Universidade Comunitária da Região de Chapecó
Acadêmica do último período do curso de enfermagem da Universidade Comunitária da Região de Chapecó
Ana Paula Rech, Universidade Comunitária da Região de Chapecó
Acadêmica do último período do curso de enfermagem da Universidade Comunitária da Região de Chapecó
Paula Senna da Silva, Secretaria de Saúde de Chapecó
Coordenadora do serviço de vigilância epidemiologica do município de Chapecó, SC.

Referências

BRASIL. Ministério da Saúde. Normas técnicas de tratamento profilático anti-rábico humano. Brasília: Ministério da Saúde; 2002.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Normas técnicas de profilaxia da raiva humana / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância Epidemiológica.

BRASIL. Doenças infecciosas e parasitárias: guia de bolso / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde.

BRASIL.. Boletim da Secretaria de Vigilância em Saúde Coordenação Geral de Doenças Transmissíveis Coordenação de Vigilância das Doenças Transmitidas por Vetores e Antropozoonoses. COVEV/CGDT/DEVEP/SVS/MS 2008.

BRASIL. Ministério da Saúde (MS). Raiva

BRASIL. I Protocolo para Tratamento de Raiva Humana no Brasil. Departamento de Vigilância Epidemiológica Secretaria de Vigilância em Saúde, Ministério da Saúde, Brasília-DF, Brasil, 2009.

COSTA, W.A. et al. Profilaxia da raiva humana. Instituto Pasteur, São Paulo, 2000.

FARIAS, D.F.R.; NUNES, J.O.R.; CARVALHO, A.A.B. Caracterização de agravos causados por cães e gatos a seres humanos no município de Jaboticabal, São Paulo, durante o período de 2000 a 2009. Archives of Veterinary Science. v.17, n.3, p.63-70, 2012.

GARCIA, R.C.M.; VASCONCELLOS, S.A.; SAKAMOTO, S.M.; LOPEZ, A.C. Análise de tratamento anti-rábico humano pós-exposição em região da Grande São Paulo, Brasil. Rev. Saúde Pública. v. 33, n. 3, p.295-301, 1999.

MIRANDA, C.F.J.; SILVA, J.A.; MOREIRA, E.C. Raiva Humana transmitida por cães: áreas de risco em Minas Gerais, Brasil, 1991-1999. Cadernos de Saúde Pública, v.19, n.1, p.91- 99, 2003.

PICKENHEYN, J.A.; GUIMAR

REICHMANN, M. L. A. B.; SANDOVAL, M. R. C. & TAKAOKA, N Estratégias de Controle da Raiva Canina

RUPPRECHT, C.E.; HANLON, C.A.; HEMCHUDHA, T. Rabies re-examined. The Lancet Infectious Disease 2002; 2(6): 327-43.

Santa Catarina. Secretaria de Estado de Saúde/Diretoria de Vigilância Epidemiológica/supervisão de Controle de Zoonose. Raiva. Santa Catarina, 2002. Disponível em: http://www.zoonoses.org.br/absoluto/midia/imagens/zoonoses/ arquivos_1258562932/3390_crmv-pr_manual-zoonoses_raiva.pdf. Acesso em 17 maio 2012.

SCHNEIDER, M.C.; ALMEIDA, G.A. de; SOUZA, L.M.; MORARES, N.B. de; DIAZ, R.C. Controle da raiva no Brasil de 1980 a 1990. Rev Saúde Pública. v.30, n.2, p.196-203, 1996.

SILVA, A.M.R.da. Características do atendimento anti-rábico humano no Estado de Santa Catarina, área considerada sob controle para a raiva no ciclo urbano- 2002 a 2007. Florianópolis. Trabalho de Conclusão de Curso, 2007.

VELOSO, Rejane Dias et al. Motivos de abandono do tratamento antirrábico humano pós-exposição em Porto Alegre (RS, Brasil). Ciênc. saúde coletiva [online]. 2011, vol.16, n.2, pp. 537-546. ISSN 1413-8123.

VELOSO, R.D. et al. COSTA, W.A.; ÁVILA, C.A.; VALENTINE, E.J.G.; REICHMANN, M.L.A.B.; CUNHA, R.S.; GUIDOLIN. R.; PANACH

Publicado
2013-06-19
Como Citar
FERRAZ, L.; BUSATO, M. A.; FERRAZZO, J. F.; RECH, A. P.; DA SILVA, P. S. NOTIFICAÇÕES DOS ATENDIMENTOS ANTI-RÁBICO HUMANO: PERFIL DAS VÍTIMAS E DOS ACIDENTES. Hygeia - Revista Brasileira de Geografia Médica e da Saúde, v. 9, n. 16, p. 169 - 189, 19 jun. 2013.
Seção
Artigos