DISTRIBUIÇÃO DE DOENÇAS DIARREICAS AGUDAS EM MUNICÍPIOS DO ESTADO DE SANTA CATARINA

  • Maria Assunta Busato Universidade Comunitária da Região de Chapecó - UNOCHAPEC
  • Junir Antonio Lutinski Biólogo da Vigilância Ambiental Secretaria de Saúde de Chapecó, SC
  • Marciana Frigeri de Souza Secretaria de Saúde de Chapecó. Chapecó, SC
  • Fátima Cechin Vigilância Epidemiológica Secretaria de Saúde de Chapecó. Chapecó, SC.
  • Dario Gennari Ficlho Universidade Comunitária da Região de Chapecó. Chapecó, SC.
  • Sandra Regina Marangoni Universidade Comunitária da Região de Chapecó. Chapecó, SC
  • Caroline Constanci Regional de Saúde de Chapecó
Palavras-chave: doenças diarreicas, plano de tratamento, prevalência

Resumo

O objetivo deste estudo foi analisar a ocorrência dos casos notificados de doença diarreica aguda (DDA) da população do oeste de Santa Catarina, observando a faixa etária, sazonalidade, planos de tratamento e a distribuição geográfica. Foram analisados os registros de 37 municípios referentes ao período de 2007 a 2011. Foram identificados 77.986 casos, com média anual de 3,86% da população, sendo 22% ocorridos em crianças entre um e quatro anos de idade e de 57,3% nos maiores de dez anos. A distribuição geográfica dos casos, nos municípios, foi de 3% a 35% da população. Os planos de tratamento mais utilizados foram o plano A (50,8%) e o C (35,6%). A ocorrência das DDA teve sazonalidade entre outubro a março e mostrou correlação entre frequência de casos e a temperatura média. Houve queda da mortalidade, provavelmente, isso se deve aos avanços das políticas públicas e dos tratamentos utilizados em pacientes, especialmente a terapia com sais de reidratação oral, com alta eficácia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Assunta Busato, Universidade Comunitária da Região de Chapecó - UNOCHAPEC
Doutora em Biologia pela Universidad de Barcelona. Docente do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde. Universidade Comunitária da Região de Chapecó. Chapecó, SC,
Junir Antonio Lutinski, Biólogo da Vigilância Ambiental Secretaria de Saúde de Chapecó, SC
Mestre em Ciências Ambientais pela Universidade Comunitária da Região de Chapecó. Biólogo da Vigilância Ambiental Secretaria de Saúde de Chapecó, SC
Marciana Frigeri de Souza, Secretaria de Saúde de Chapecó. Chapecó, SC
Bióloga da Vigilância Epidemiológica Secretaria de Saúde de Chapecó. Chapecó, SC
Fátima Cechin, Vigilância Epidemiológica Secretaria de Saúde de Chapecó. Chapecó, SC.
Enfermeira da Vigilância Epidemiológica Secretaria de Saúde de Chapecó. Chapecó, SC.
Dario Gennari Ficlho, Universidade Comunitária da Região de Chapecó. Chapecó, SC.
Curso de Medicina da Universidade Comunitária da Região de Chapecó. Chapecó, SC.
Sandra Regina Marangoni, Universidade Comunitária da Região de Chapecó. Chapecó, SC
Curso de Enfermagem, Universidade Comunitária da Região de Chapecó. Chapecó, SC
Caroline Constanci, Regional de Saúde de Chapecó
Bióloga da Regional de Saúde de Chapecó

Referências

Brasil. Doença Diarréica Aguda. Disponível em: http://portal.saude.gov.br/portal/saude/profissional/area.cfm?id_area=1549 Acesso em: 03 dez. 2012.

Pereira, I.V.; Cabral, I.E. Diarréia Aguda em crianças menores de um ano: subsídios para o delineamento do cuidar. Esc Anna Nery Rev Enferm. v.12, p.224-229, 2008.

Portela, R.A.; Souto, V.M.S.; Leite, V.D.; Torquato, S.C. A incidência de doenças diarreicas e a sua relação com a ausência de saneamento: uma revisão bibliográfica. Hygeia. v.7, n.13, p.150-156, 2011.

Kosek, M.; Bern, C.; Guerrant, R.L. The global burden of diarrhoeal disease, as estimated from studies published between 1992 and 2000. Bull World Health Organ. v. 81, p.197

Mello-Jorge, M.H.P; Gotlieb, S.L.D. As condições de saúde no Brasil: retrospecto de 1979 a 1995. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz. 2000.

Bern, C.; Martinez, J.; Zoysa, I.; Glass, R.I. Magnitude del problema global de las enfermidades diarréicas: actualizacion decenal. Bol Ofic Sanit Panam. v.115, p.523-535, 1993.

Salvador, P.T.C.O.; Almeida, T.J.; Alves, K.Y.A.; Dantas, C.N. A rotavirose e a vacina oral de rotavirus humano no cenário brasileiro: revisão integrativa da literatura. Ciência & Saúde Coletiva. v.16, p.567-574, 2011.

Linhares, A.C. Epidemiologia das infecções por rotavírus no Brasil e os desafios para o seu controle. Cad Saúde Pública. v.16, p.629-646, 2000.

World Health Organization. The treatment of diarrhea: a manual for physicians and other senior health workers. Geneva: WHO; 2005. Disponível em: http://whqlibdoc.who.int/publications/2005/9241593180.pdf Acesso em 24 maio 2012.

Brasil. Manejo do paciente com diarreia. Disponível em: http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/manejo_de_paciente_com_diarreia.pdf Acesso em 15 jun. 2012.

Guimarães, Z.A.; Costa, M.C.N.; Paim, J.S.; Silva, L.M.V. Declínio e desigualdades sociais na mortalidade infantil por diarréia. Rev Soc Bras Med Trop. v. 34, p.473-478, 2001.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo 2010. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/. Acesso em 03 dez. 2012.

Centro de Informações de Recursos Ambientais e de Hidrometeorologia de Santa Catarina. Disponível em: http://ciram.epagri.sc.gov.br/portal/website/;jsessionid=cd1b812e439d51977bd3a16689d4

Acesso em 10 dez. 2012.

Brasil. Ministério da Saúde. Informe Técnico Doença diarréica por rotavírus: vigilância epidemiológica e prevenção pela vacina oral de rotavírus humano

Diretoria de Vigilância Epidemiológica de Santa Catarina. Doenças de transmissão hídrica e alimentar. Disponível em: http://www.dive.sc.gov.br/index.php?option=com_content&task=view&id=336&Itemid=191

Acesso em 15 dez. 2012.

Popkin, B.M.; Adair, L.; Akin, J.S.; Black, R.; Briscoe, J.; Flieger, W. Brestfeeding and diarrheal morbidity. Pediatrics. v. 86, p.874-882, 1990.

Silva, M.L.; Souza, J.R.; Melo, M.M.M. Prevalência de rotavírus em crianças atendidas na rede pública de saúde do estado de Pernambuco. Rev Soc Bras Med Trop. v. 43, p.548-551, 2010.

Stewien, K.E.; Cunha, L.C.F.; Alvim, A.C.; Reis Filho, S.A.; Alvim, M.A.B.; Brandão, A.A.P.; Neiva, M.N.R. Rotavirus associated diarrhoea during infancy in the city of S. Luís (MA), Brazil: a two-year longitudinal study. Rev Inst Med Trop. v.33, p.459-464, 1991.

Melli LCFL, Waldman EA. Tendência temporal e desigualdades na mortalidade por diarreias em menores de 5 anos. J Pediatr 2009; 85:21-27.

Gomes, T.A.; Rassi, V.; MacDonald, K.L.; Ramos, S.R.T.S.; Trabulsi, L.R.; Vieira, M.A.; Guth, B.E.C.; Candeias, J.A.N.; Ivey, C.; Toledo, M.R.F.; Blake, P. Enteropathogens associated with acute diarrheal diseases in urban infants in São Paulo, Brazil. J Infec Dis. v.164, p.331-337, 1991.

Teixeira, J.M.; De Figueiredo, R.B.; Dos Santos, H.M.; Ferreira, M.N.; Câmara, G.N. Aspectos epidemiológicos das infecções por rotavírus no Distrito Federal, Brasil. Rev Soc Bras Med Trop. v.24, p.223-230, 1991.

Cardoso, D.D.; Martins, R.M.; Kitajima, E.W.; Barbosa, A.J.; Camarota, S.C.; Azeredo, M.S. Rotavírus e adenovírus em crianças de 0-5 anos hospitalizadas com ou sem gastroenterite em Goiânia-GO, Brasil. Rev Inst Med Trop. v.34, p.433-439, 1992.

Publicado
2013-06-19
Como Citar
BUSATO, M. A.; LUTINSKI, J. A.; DE SOUZA, M. F.; CECHIN, F.; FICLHO, D. G.; MARANGONI, S. R.; CONSTANCI, C. DISTRIBUIÇÃO DE DOENÇAS DIARREICAS AGUDAS EM MUNICÍPIOS DO ESTADO DE SANTA CATARINA. Hygeia - Revista Brasileira de Geografia Médica e da Saúde, v. 9, n. 16, p. 18 - 27, 19 jun. 2013.
Seção
Artigos