DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DOS IDOSOS EM SITUAÇÃO DE RISCO NO CONTEXTO DA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA

  • Murilo César do Nascimento Escola de Enfermagem da Universidade Federal de Alfenas, UNIFAL-MG.
  • Sueli Leiko Takamatsu Goyatá Escola de Enfermagem da Universidade Federal de Alfenas, UNIFAL-MG.
  • Erika de Cássia Lopes Chaves Escola de Enfermagem da Universidade Federal de Alfenas, UNIFAL-MG.
  • Denismar Alves Nogueira Departamento de Ciências Exatas da Universidade Federal de Alfenas, UNIFAL-MG.
Palavras-chave: Epidemiologia, Distribuição Espacial da População, Saúde do Idoso, Saúde da Família.

Resumo

O objetivo desse trabalho foi caracterizar a área de abrangência de uma Unidade de Saúde da Família quanto à distribuição espacial dos idosos adscritos em situações de risco. Estudo transversal, com abordagem descritiva que utilizou dados secundários e análise espacial em saúde. Havia 471 idosos cadastrados, distribuídos por 279 residências, numa proporção de 1,69 idosos por domicílio, com predominância nas microáreas 3, 4 e 5. A geocodificação dos locais de moradia permitiu visualizá-los e analisá-los por meio de mapas; o padrão de distribuição espacial observado, a partir da Técnica de Kernel, foi de aglomerados distintos para os casos de idosos frágeis e de indivíduos com história de quedas. Notou-se heterogeneidade espacial na distribuição dessas condições, sendo que as microáreas 2, 3 e 4 foram as com maior concentração de idosos frágeis. Já as microáreas 2 e 5 foram as que apresentaram os aglomerados de idosos com história de queda mais expressivos. Essa visualização espacial das áreas com maior concentração de idosos frágeis pode constituir numa ferramenta importante para orientar os profissionais das Equipes de Saúde da Família, gestores e pesquisadores, sobre as áreas e residências que merecem atenção prioritária.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Murilo César do Nascimento, Escola de Enfermagem da Universidade Federal de Alfenas, UNIFAL-MG.
Bacharel em Enfermagem pela Universidade Federal de Alfenas - UNIFAL/MG (2007); Especialista em Enfermagem do Trabalho pelas Faculdades Integradas de Jacarepaguá - FIJ (2009); Cursou Mestrado e Doutorado (em andamento) em Saúde na Comunidade pelo Departamento de Medicina Social da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto - Universidade de São Paulo, USP. Compõe o quadro Técnico-Administrativo em Educação da Universidade Federal de Alfenas, UNIFAL-MG, onde atua na área de Saúde Coletiva. Membro do Grupo de Pesquisa: Fundamentação Teórica, Metodológica e Tecnológica de Assistência à Saúde do Indivíduo, Família e Coletividade, da UNIFAL/MG; e do Grupo: Métodos Quantitativos Aplicados à Saúde, da FMRP-USP. Trabalha com as Linhas de pesquisa: Epidemiologia e Saúde Humana; Gestão em Saúde; e População e Saúde.
Sueli Leiko Takamatsu Goyatá, Escola de Enfermagem da Universidade Federal de Alfenas, UNIFAL-MG.
Possui Doutorado em Enfermagem Fundamental pela Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto Universidade de São Paulo-SP (2005). Mestrado em Administração Pública pela Escola Brasileira de Administração Pública/ Fundação Getúlio Vargas-RJ (1996) e, atualmente é Professor Adjunto do Departamento de Enfermagem da Universidade Federal de Alfenas-UNIFAL-MG. Líder do Grupo de Pesquisa "Fundamanetação Teórica, Metodológica e Tecnológica de Assistência ao indivíduo, família e coletividade" da Escola de Enfermagem da UNIFAL-MG. Membro da North American Nursing Diagnosis Association- NANDA. Membro do Conselho Municipal de Saúde de Alfenas.Tem experiência na área de Sistematização da Assistência de Enfermagem, Epidemiologia e Gestão em Saúde, atuando principalmente nos seguintes temas: diagnósticos e intervenções de enfermagem , estudos epidemiológicos, gestão pública e participação social em saúde. Docente das disciplinas de Fundamentação Básica de Enfermagem I, Introdução à Epidemiologia e Trabalho de Conclusão de Curso I no Curso de Graduação em Enfermagem e das disciplinas de Epidemiologia e de Metodologia da Pesquisa em cursos de pós-graduação (especialização e mestrado).
Erika de Cássia Lopes Chaves, Escola de Enfermagem da Universidade Federal de Alfenas, UNIFAL-MG.
Possui graduação em Enfermagem pela Universidade Federal de Alfenas (1994), especialização em Administração hospitalar e de Serviços de saúde pela Universidade José do Rosário Vellano (1998), Mestrado em Ciências da Saúde pela Universidade Federal de Alfenas (2002) e Doutorado em Enfermagem pela Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto/USP (2008). Atualmente é Professora adjunto e Vice diretora da Escola de Enfermagem da Universidade Federal de Alfenas-MG. Vice coordenadora do Centro de Referência da Unifal/CREFAL que atua na qualificação de profissionais que lidam com os usuários de Crack e outras drogas. Tem experiência na área de Semiologia e Semiotécnica de Enfermgem e desenvolve pesquisa nas áreas: qualidade de vida, humanismo, espiritualidade e diagnósticos de enfermagem.
Denismar Alves Nogueira, Departamento de Ciências Exatas da Universidade Federal de Alfenas, UNIFAL-MG.
Possui graduação em Zootecnia pela Universidade Federal de Lavras (2001) e mestrado em Estatística e Experimentação Agropecuária pela Universidade Federal de Lavras (2004) e Doutorando também em Estatística e Experimentação Agropecuária pela Universidade Federal de Lavras (2008). Atualmente é - Professor da Universidade Federal de Alfenas (UNIFAL-MG) lotado no Departamento de Ciências Exatas. Tem experiência na área de Probabilidade e Estatística, com ênfase em Probabilidade e Estatística Aplicadas, atuando principalmente nos seguintes temas: Inferência Bayesiana, Estatística Espacial, Estatística Experimental, Melhoramento Genético, Epidemiologia, Séries Temporais.

Referências

BRASIL 2009. Ministério da Ciência e Tecnologia [homepage]. TerraView

BRASIL 2006. Ministério da Saúde. Portaria Nº 2.528 de 19 de outubro de 2006. Política Nacional de Saúde da Pessoa Idosa. Disponível em: <http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/2528%20aprova%20a%20politica%20nacional%20de%20saude%20da%20pessoa%20idosa.pdf>. Acesso em: 09 de out 2012.

BRITO, T. R. P. de; COSTA, R. S.; PAVARINI, S. C. I. Idosos com alteração cognitiva em contexto de pobreza: estudando a rede de apoio social. Rev. esc. enferm. USP [online]. 2012, vol.46, n.4, pp. 906-913.

DANTAS, M. B. P.; BRITO, I. F.; MEIRA, R. B.; WANZELLER, M. Espaço e Planejamento em Saúde: Algumas Reflexões. In: NAJAR, A. L.; MARQUES, E. C.; org. Saúde e Espaço: Estudos Metodológicos e Técnicas de Análise. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ, 1998.

MINAS GERAIS. Secretaria de Estado de Saúde. Linha-Guia de Atenção à Saúde do Idoso. 2. ed. Belo Horizonte: SAS/MG, 2006. 186p.

OLIVEIRA, E. X. G. et al. Análise de dados espaciais. In: SANTOS, S. SOUZA-SANTOS, R. (Org.). Sistema de informações geográficas e análise espacial na saúde pública. Brasília: Ministério da Saúde, Fundação Oswaldo Cruz, 2007. V. 2. P. 63-80. (Capacitação e Atualização em Geoprocessamento em Saúde).

PAVARINI, S. C. I. et al. Sistema de informações geográficas para a gestão de programas municipais de cuidado a idosos. Texto contexto - enferm. [online]. 2008, vol.17, n.1, pp. 17-25.

SILVA, T. M.; NAKATANI, A. Y. K; SOUZA, A. C. S; LIMA, M. C. S. A vulnerabilidade do idoso para as quedas: análise dos incidentes críticos. Revista Eletrônica de Enfermagem [on line]. 2007, vol. 9, n. 1, pp. 64-78.

SILVESTRE, J. A.; COSTA NETO, M. M. da. Abordagem do idoso em programas de saúde da família. Cad. Saúde Pública [online]. 2003, vol.19, n.3, pp. 839-847.

SKABA, D. A. Metodologias de Geocodificação dos Dados da Saúde [tese]. Rio de Janeiro: Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, 2009.

Publicado
2013-06-19
Como Citar
NASCIMENTO, M. C. DO; GOYATÁ, S. L. T.; CHAVES, E. DE C. L.; NOGUEIRA, D. A. DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DOS IDOSOS EM SITUAÇÃO DE RISCO NO CONTEXTO DA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA. Hygeia - Revista Brasileira de Geografia Médica e da Saúde, v. 9, n. 16, p. 115 - 120, 19 jun. 2013.
Seção
Artigos