A TERRITORIALIZAÇÃO DA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE E A CONSTRUÇÃO DE UMA PERSPECTIVA DE ADEQUAÇÃO DOS SERVIÇOS AOS PERFIS DO TERRITÓRIO URBANO

  • Rivaldo Mauro Faria UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - UNICAMP
Palavras-chave: Territorialização, Atenção Primária à Saúde, Sistema , Território Usado, Perfis Territoriais

Resumo

A estruturação territorial do Sistema Único de Saúde (SUS) e mais especificamente dos serviços de atenção primária vem sendo feita no Brasil através da chamada territorialização da saúde. É uma política e uma técnica utilizada para criar territórios de atuação dos serviços. Contudo, contraditoriamente, seu ponto de partida não é o território, mas o serviço e sua capacidade de oferta, padronizada para todo o país. Por isso, tem um viés pragmático e, não raro, burocrático. A perspectiva trabalhada em torno dos perfis territoriais busca inverter essa lógica territorializadora da saúde (criadora de territórios da saúde), propondo-se o reconhecimento e a adaptação dos serviços aos territórios. Portanto, o território é o ponto de partida. Este estudo mostra o caminho teórico para construção dessa perspectiva, isso feito na medida do desvendamento dos sentidos da territorialização da atenção primária à saúde no Brasil.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rivaldo Mauro Faria, UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - UNICAMP
Rivaldo Mauro de Faria é Mestre e Doutor em Geografia pelo IG/Unicamp e atualmente está a fazer pós-doutoramento na Universidade de Coimbra, Portugal.

Referências

ALMEIDA, Eurivaldo Sampaio de; CASTRO, Claudio G. Junqueira de; LISBOA, Carlos A. Distritos Sanitários: concepção e organização. São Paulo: FSP/USP, 1998.

BACHELARD, Gaston. A filosofia do não: filosofia do novo espírito científico. 6. ed. Lisboa: Presença, 2009.

BARCELLOS, Christovam; PEREIRA; Martha Priscila Bezerra. O território no Programa Saúde da Família. Hygeia, Revista Brasileira de Geografia Médica e da Saúde, Uberlândia, v.2, n. 2, p. 47-55, 2006. Disponível em: www.hygeia.ig.ufu.br. Acessado em: 15 de dezembro de 2010.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, 1989.

BRASIL. Ministério da Saúde. Sistema

____________. Política Nacional de Atenção Básica. 4. ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2007.

CARLOS, Ana Fani Alessandri. A (Re) Produção do Espaço Urbano. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2008.

CORR

DAMIANI, Amélia L. População e Geografia. São Paulo: Contexto, 2001.

ESPMG

FARIA, Rivaldo Mauro de. Território Urbano e o Processo Saúde-Doença: Perfil territorial da saúde no São Geraldo em Pouso Alegre-MG. Campinas. Dissertação de Mestrado, 2008.

FARIA, Rivaldo Mauro de. A territorialização como política e como tecnologia de gestão dos serviços de atenção primária à saúde no âmbito do Sistema

FARIA, Rivaldo Mauro de. A territorialização da atenção primária à saúde no Sistema

FARIA, Rivaldo Mauro de; BORTOLOZZI, Arlêude. Território, poder e produção de doenças: importância da categoria território para a gestão urbana em saúde. II Congresso Internacional & IV Simpósio Nacional de Geografia da Saúde. Uberlândia/MG, 2009.

FERREIRA, Jardel Borges. Dicionário de Geociências. São Paulo: Armazém ideias, 1995.

FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Aurélio Século XXI: o dicionário de língua portuguesa. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1999.

GIL, Célia Regina Rodrigues. Atenção primária, atenção básica e saúde da família: sinergias e singularidades no contexto brasileiro. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 22, n. 6, p. 1171-1181, 2006.

GONDIM. Grácia Maria de Miranda. et al. O território da saúde: a organização do sistema de saúde e a territorialização. In: BARCELLOS, C, et al (org.). Território, ambiente e saúde. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2008, p. 237-255.

GONDIM. Grácia Maria de Miranda. Territórios da Atenção Básica: múltiplos, singulares ou inexistentes? Rio de janeiro. Tese de Doutorado, Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca, Fiocruz, 2011.

HAESBAERT, Rogério. O mito da desterritorialização: do

MENDES, Eugênio Vilaça. As redes de atenção à saúde. Belo Horizonte: ESPMG, 2009.

MENDES, Eugênio Vilaça. et al (org.). Distrito Sanitário: o processo social de mudança das práticas sanitárias do Sistema

MEYER, Regina Maria Prosperi. O Urbanismo: entre a cidade e o território. Revista da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência. Ciência e Cultura, Temas e tendências, São Paulo, v. 58, p. 38-41, 2006.

MONKEN, Mauricio. Desenvolvimento de tecnologia educacional a partir de uma abordagem geográfica para a aprendizagem da territorialização em vigilância à saúde. Rio de Janeiro: Tese de Doutorado, Escola Nacional de Saúde Pública

MONKEN, Mauricio. Contexto, território e processo de territorialização de informações. Desenvolvendo estratégias pedagógicas para a educação profissional em vigilância em saúde. In: BARCELLOS, Christovam (org.). A geografia e o contexto dos problemas de saúde. Rio de Janeiro: Abrasco, 2008, p. 141-163.

MONKEN, Maurício e BARCELLOS, Christovam. Vigilância à saúde e território utilizado: possibilidades teóricas e metodológicas. Cadernos de Saúde Pública, v. 21, n. 3, p. 898-906, 2005.

MONKEN, Maurício; GONDIN, Grácia Maria de Miranda. Territorialização em saúde. In: PEREIRA, Isabel Brasil; LIMA, Júlio Cesar França (org.). Dicionário de educação profissional em saúde. 2. ed. Rio de Janeiro: EPSVJ, 2008, p. 392-399.

MOREIRA, Ruy. O espaço e o contra-espaço: as dimensões territoriais da sociedade civil e do Estado, do privado e do público na ordem espacial burguesa. In: SANTOS, M. et al. Território, territórios: ensaios sobre o ordenamento territorial. 3. ed. Rio de Janeiro:Lanparina, 2007, p.72-108.

MORTIMER, Eduardo Fleury. Conceptual change or conceptual profile change? Holanda, Science & Education, v.4, n. 3, p. 265-287, 1995.

OLIVEIRA, João Bertoldo de. Pedologia Aplicada. Piracicaba: FEALQ, 2008.

PAIM, Jairnilson Silva. A Reforma Sanitária e os Modelos Assistenciais. In: ROUQUAYROL, Maria Zélia (org.). Epidemiologia e Saúde. Rio de Janeiro: MEDSI, 1993, p. 455-466.

RAFFESTIN, C. Por Uma Geografia do Poder. São Paulo: Ática; 1993.

ROUQUAYROL, Maria Zélia; ALMEIDA FILHO, Naomar. Epidemiologia e Saúde. Rio de Janeiro: Medsi, 1999.

SACK, R. Human territoriality: Its theory and history. Cambridge: Cambridge University Press, 1986.

SAQUET, Marcos Aurélio. Abordagens e Concepções de Território. São Paulo: Expressão Popular, 2007.

____________. Por uma abordagem territorial. In: SAQUET, M.; SPOSITO, E. S. Território e territorialidades: teorias, processos e conflitos. São Paulo: Expressão Popular, 2009, p. 73-94.

SANTOS, Milton. A Natureza do Espaço: técnica, razão e emoção. 4. ed. São Paulo: Edusp, 2004.

____________. O papel ativo da geografia: um manifesto. Revista Território, n. 9, p. 103-109, 2000.

____________. O dinheiro e o território. In: SANTOS, M.; et al (org.). 3. ed. Território, territórios: ensaios sobre o ordenamento territorial. Rio de Janeiro: Lamparina, 2007, p. 13-21.

____________. O retorno do Território. In: SANTOS, Milton et al. (org.). Território: Globalização e Fragmentação. 4. ed. São Paulo: Hucitec: Anpur, 1996, 15-20.

____________. Da totalidade ao lugar. São Paulo: Edusp, 2012.

____________. A urbanização desigual: a especificidade do fenômeno urbano em países subdesenvolvidos. São Paulo: Edusp, 2010.

SANTOS, Milton; SILVEIRA, Maria Laura. O Brasil: território e sociedade no início do século XXI. 9. ed. São Paulo: Cortez; 2006.

SOUZA, Maria Adélia A. Uso do território e saúde: refletindo sobre

____________. Introdução. In: SOUZA, Maria Adélia (org.). Território brasileiro: usos e abusos. Campinas: Edições territorial, 2003.

STARFIELD, Bárbara. Atenção primaria: equilíbrio entre necessidades de saúde, serviços e tecnologia. Brasília, DF: UNESCO; Ministério da Saúde, 2002.

UNGLERT, Carmem Vieira de Souza. Territorialização em Sistemas de Saúde. In: MENDES, Eugênio Vilaça (org). Distritos Sanitários: processo social de mudança nas práticas sanitárias para o Sistema

____________. Territorialização em saúde: a conquista do espaço local enquanto prática do planejamento ascendente. São Paulo: Tese de livre docência, Faculdade de Saúde Pública/Universidade de São Paulo, 1995.

VILLAROSA, Francesco Notarbartolo Di. A estimativa rápida e a divisão do território no distrito sanitário. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde, 1993.

Publicado
2013-06-19
Como Citar
FARIA, R. M. A TERRITORIALIZAÇÃO DA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE E A CONSTRUÇÃO DE UMA PERSPECTIVA DE ADEQUAÇÃO DOS SERVIÇOS AOS PERFIS DO TERRITÓRIO URBANO. Hygeia - Revista Brasileira de Geografia Médica e da Saúde, v. 9, n. 16, p. 121 - 130, 19 jun. 2013.
Seção
Artigos