O DESENVOLVIMENTO DA LINGUAGEM NA CRIANÇA A PARTIR DA NOÇÃO DE INSTINTO EM STEVEN PINKER

  • Ana Cristina Armond Universidade Federal de Uberlândia
  • Pedro Malard Monteiro Universidade Federal de Uberlândia
Palavras-chave: Pinker. Infância. Linguagem. Instinto.

Resumo

RESUMO: O presente artigo discute como os argumentos levantados por Steven Pinker no livro O Instinto da linguagem são relevantes para questões filosóficas da linguagem e da aquisição de linguagem por crianças. Ele defende a ideia da existência da noção de um "instinto da linguagem" no ser humano, o qual é provocado pela evolução adaptativa, mais precisamente, pela seleção natural. Logo, a linguagem é vista como uma peça fundamental da constituição biológica do cérebro humano. Nesse sentido, a universalidade da língua é a primeira razão para se suspeitar que a linguagem, de fato, não é um produto exclusivo do meio onde as pessoas vivem. Assim como Noam Chomsky, de grande influência em suas teorias, Pinker defende a existência de uma gramática universal nos indivíduos. Essa gramática, semelhante a um programa de computador sofisticado, é o que a criança traz em seu interior e que lhe permite aprender a falar. A linguagem parece desenvolver-se na mesma velocidade que o cérebro em crescimento. Nesse período, a criança vai sincronizando sua capacidade inata de linguagem com a língua falada ao redor de si.  

Palavras-chave: Pinker. Infância. Linguagem. Instinto.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2015-12-16
Seção
Lingüística e Letras