THE TALES OF BEEDLE, THE BARD & OS CONTOS DE BEEDLE, O BARDO: ANALISANDO A TRADUÇÃO PARA O PORTUGUÊS DOS CONTOS QUE FINALIZARAM A OBRA HARRY POTTER DE J.K. ROWLING

  • Carolina Zaude
  • Marileide Esqueda
Palavras-chave: Harry Potter, tradução de termos de bruxaria, Os Contos de Beedle, o Bardo

Resumo

Constituído por sete livros, a série Harry Potter escrita por J. K. Rowling foi publicada pela primeira vez em 1997 e imediatamente chamou a atenção dos leitores de todas as idades, alcançando o ranking de uma das obras mais famosas da literatura infantil não apenas no Brasil, mas também no exterior. Após a publicação do sétimo livro, Harry Potter e as relíquias da Morte, J.K. Rowling afirmou ser esta a última obra. No entanto, a publicação de The Tales of Beedle, the Bard, em 2008, traduzido no Brasil pela mesma tradutora de toda a obra, Lia Wyler, entitulado Os Contos de Beedle, o Bardo, Rowling mais uma vez direciona o leitor para o mundo do menino bruxo. Neste sentido, parece interessante analisar o trabalho The Tales of Beedle, the Bard e sua tradução para o português brasileiro, não apenas buscando fomentar o debate sobre a produção de significado que constitui todo processo de tradução e seu impacto no texto e cultura alvos, mas igualmente mostrar alguns aspectos particulares no par de línguas inglês-português que poderão servir como instrumentos para a formação de tradutores e/ou profissionais e acadêmicos interessados em literatura infantil. A natureza desta pesquisa é comparativa, cujo propósito é categorizar e analisar os termos de bruxaria do mundo dos bruxos apresentado em The Tales of Beedle, the Bard e em sua tradução para o português brasileiro Os Contos de Beedle, o Bardo. Os termos serão analisados de acordo com a proposta de Aubert (1998), que classifica as modalidades de tradução em omissão, transcrição, empréstimo, calco, tradução literal, transposição, explicitação/implicitação, modulação, adaptação, tradução intersemiótica, erro, correção e adição. O modelo aubertiano propõe uma abordagem descritiva e quantitativa, que orienta o pesquisador a identificar padrões e regularidades existentes na tradução, e verificar o grau de diferenciação linguística entre o texto fonte e o texto alvo. É possível afirmar que 38,1% dos termos de bruxaria no texto original foram adaptados para o português brasileiro, mostrando que a tentativa do tradutor de mostrar assimilação cultural.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2014-07-27
Seção
Lingüística e Letras