OBTENÇÃO E CARACTERIZAÇÃO DE CÉLULAS MULTIPOTENTES MESENQUIMAIS ESTROMAIS DE MEDULA ÓSSEA PARA ESTUDO DO POTENCIAL TERAPÊUTICO EM DOENÇAS CARDIOVASCULARES

NAYARA DE FREITAS MARTINS, FERNANDA BARRA FRANCO, FERNANDA SOUZA MARTINS, LAIS MARTINS DE AQUINO, PATRÍCIA FIDELIS DE OLIVEIRA

Resumo


Células multipotentes mesenquimais estromais (MSC) de medula óssea são células com características de células tronco.  O presente estudo visou o estabelecimento da cultura de MSC, de acordo com os critérios mínimos ditados pela Sociedade Internacional de Terapia Celular (ISCT), para futuros ensaios terapêuticos em doenças cardiovasculares. A cultura de MSC foi feita por meio da extração da medula óssea total a partir dos fêmures e tíbias de ratos Wistar. O conteúdo medular total foi plaqueado e mantido em meio DMEM com 10% de soro fetal bovino em estufa de CO2 (5%) a 37º C. Após a terceira passagem, as células foram submetidas aos protocolos de diferenciação em adipócito e osteócito por 28 dias. Culturas de fibroblastos cardíacos (FC) foram utilizadas como controle negativo da diferenciação. Após 28 dias de indução, observou-se vacúolos lipídicos e deposição de cálcio nas culturas de MSC, características sugestivas da diferenciação em adipócito e osteócito, respectivamente, enquanto que a cultura de FC não apresentou tal capacidade de diferenciação. O protocolo adotado mostra que a partir do plaqueamento de medula óssea total é possível identificar, dentro da população aderente estromal, células com capacidade de diferenciação em adipócitos e osteócitos, características atribuídas à MSC e que estão de acordo com os critérios mínimos ditados pela ISCT.


Palavras-chave


Células tronco; fibroblastos cardíacos; adipogênese; osteogênese

Texto completo:

PDF