Telicidade e determinantes plurais indefinidos no espanhol da Espanha

Palavras-chave: Telicidade, Determinantes plurais indefinidos, Espanhol

Resumo

A telicidade é uma noção aspectual semântica entendida como o ponto final inerente e linguisticamente marcado de uma situação. Segundo Moure (1990), a presença de determinantes como “el/un” direciona a uma leitura télica da sentença, enquanto a ausência de determinantes direciona a uma leitura atélica. No entanto, não se sabe a qual leitura os determinantes plurais podem levar. Determinantes plurais como “unos/algunos” podem ser interpretados como um tipo de determinante plural indefinido, que é o foco deste trabalho. De acordo com De Miguel (1999), esses determinantes direcionam a uma leitura atélica da sentença, ao passo que, segundo Rothstein (2008), eles direcionam a uma leitura télica. No espanhol, uma das formas de evidenciar o valor aspectual de telicidade é por meio de uma partícula conhecida como se télico. Investigou-se, neste trabalho, a compatibilidade dessa partícula aspectual com verbos cujos complementos são introduzidos por determinantes plurais indefinidos na variedade do espanhol da Espanha conhecida como castelhano setentrional peninsular. Os resultados indicaram que essa combinação é possível. Dessa forma, discutiu-se que a presença desse tipo de determinante direciona a uma leitura télica da sentença e que essa combinação sugere que o valor aspectual télico de uma sentença não depende da presença de uma medida precisa para a delimitação do complemento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jean Carlos da Silva Gomes, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)

Licenciado em Letras: Português-Espanhol pela UFRJ e aluno de mestrado em Linguística pela mesma universidade. Faz parte do grupo de pesquisa Biologia da linguagem da UFRJ, onde desenvolve pesquisas em linguística, centrando-se na área de descrição das línguas naturais e neurolinguística. Além disso, dedica-se ao estudo do processo de ensino-aprendizagem de espanhol como língua estrangeira.

Adriana Leitão Martins, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)

Professora Doutora do Departamento de Linguística e Filologia da UFRJ, do Programa de Pós-Graduação em Linguística da UFRJ e do Mestrado Profissional em Letras na UFRJ.

Referências

BASSO, R. Telicidade e Detelicização. Revista Letras, Curitiba, nº 72, p. 215-232, 2007. Disponível em: https://revistas.ufpr.br/letras/article/view/7542/10510. Acesso em: 19 jun. 2019. DOI https://doi.org/10.5380/rel.v72i0.7542

BERTINETTO, P. On a frequent misunderstanding in the temporal-aspectual domain: the perfective-telic confusion. In: CECCHETTO, C.; CHIERCHIA, G.; GAUSTI, M. (ed.). Semantic interfaces: reference, anaphora and aspect. Stanford: CSLI p. 177 – 210, 2001.

CASTILHO, A. T. Aspecto verbal no português falado. In: ABAURRE, M. B.; RODRIGUES, A. (org.). Gramática do português falado. Campinas: Ed. da Unicamp, v. 8. , 2003. p. 83-121.

COAN, M.; FEITAG, R.; PONTES, V. Aspecto Inerente: análise sociofuncional de formas verbais imperfectivas de passado em espanhol. SIGNUM: Estud. Ling., nº 16, v.2, p. 39-65, 2013. Disponível em: http://www.repositorio.ufc.br/bitstream/riufc/20198/1/2013_art_mcoan.pdf. Acesso em 25 ago. 2019. DOI https://doi.org/10.5433/2237-4876.2013v16n2p39

CELERI, W. A composicionalidade aspectual revisitada. 2008. 99 f. Dissertação (Mestrado em Linguística) – Faculdade de Letras, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2008.

COMRIE, B. Aspect: an introduction to the study of verbal aspect and related problems. Cambridge: Cambridge University Press, 1976.

DAHL, O. Logic, Pragmatic and Grammar. Gotemborg: University of Göteborg, Departament of Linguistics, 1977.

DE MIGUEL, E. El aspecto léxico. In: BOSQUE, I.; DEMONTE, V. (ed.). Gramática descriptiva de la lengua española. Madrid: Espasa Calpe, 1999. p. 2977-3060.

DE MIGUEL, E.; LAGUNILLA, M. F. El Operador Aspectual Se. Revista Española de Lingüística, v. 30, n. 1, p. 13-43, 2000. Disponível em: https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=41379. Acesso em: 19 de jun. 2019.

DECLERCK, R. Aspect and bounded/unbounded (telic/atelic) distinction. Linguistics, London, nº 17, p. 761-794, 1979. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/243647038_Aspect_and_the_BoundedUnbounded_TelicAtelic_Distinction. Acesso em: 19 jun. 2019. DOI https://doi.org/10.1515/ling.1979.17.9-10.761

FREITAG, R. Aspecto inerente e passado imperfectivo no português: atuação dos princípios da persistência e da marcação. Alfa, nº 55, v. 2, p. 477-500. 2011. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/alfa/v55n2/06.pdf. Acesso em: 25 ago. 2019. DOI https://doi.org/10.1590/S1981-57942011000200006

GAREY, H. Verbal Aspect in French. In: Language, nº 33, p. 91-110, 1975. Disponível em: https://user.phil-fak.uni-duesseldorf.de/~filip/Garey.1957.pdf. Acesso em: 19 jun. 2019. DOI https://doi.org/10.2307/410722

GOMES, J. Telicidade e sua compatibilidade com expressões adverbiais durativas no espanhol. 2017. 38 f. Monografia (Graduação em Letras Português – Espanhol) – Faculdade de Letras, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2017.

LESSA, A. A composicionalidade do aspecto em tempo passado e no espanhol. In: Jornada Massarani de iniciação científica, artística e cultural da UFRJ, 29, 2017, Rio de Janeiro: UFRJ, 2007. 1 CD.

LÓPEZ, C. Las construcciones con se: estado de la cuestión. In: LÓPEZ, C. Las construcciones con se. Madrid: Visor Libros, 2002. p. 18-167.

LOURENÇONI, D. O traço de telicidade e suas realizações no português do Brasil e no espanhol do Chile. 2014. 52 f. Monografia (Graduação em Letras Português – Espanhol) – Faculdade de Letras, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2014.

LOURENÇONI, D. Telicidade e sua realização pelo operador aspectual se no espanhol. 2017. 138 f. Dissertação (Mestrado em Linguística) – Faculdade de Letras, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2017.

LOURENÇONI, D.; MARTINS, A. O traço aspectual de telicidade e suas realizações no português do Brasil e no espanhol do Chile. SEDA – Revista de Letras da Rural/RJ, v. 1, n. 2, p. 5–28, 2016. Disponível em: http://www.ufrrj.br/SEER/index.php?journal=SEDA&page=article&op=view&path%5B%5D=2181. Acesso em: 22 de out. de 2019.

MARTINS, A.; GOMES, J.; LOURENÇONI, D. Telicidade e expressões adverbiais durativas no espanhol da Espanha: uma análise a partir do se télico. Caderno de squibs: temas em estudos formais da linguagem, v. 3, n. 1, p. 1–15, 2017. Disponível em: http://periodicos.unb.br/index.php/cs/article/view/20331. Acesso em: 22 out. 2019.

MORENO-FERNÁNDEZ, F.; ROTH, J. O. Atlas de la lengua española en el mundo. Madrid: Fundación Telefónica, 2007.

MOURE, T. El contenido aspectual telicidad en las cláusulas biactanciales del español. In: Verba, n. 18, p. 353–374, 1990. Disponível em: https://minerva.usc.es/xmlui/handle/10347/3161. Acesso em: 19 jun. 2019.

PATO, E. La sustitución de “cantara/cantase” por “cantaría/cantaba” en el castellano septentrional peninsular. Tesis Universidad Autónoma de Madrid, 2004.

PRESEEA (2014-): Corpus del Proyecto para el estudio sociolingüístico del español de España y de América. Alcalá de Henares: Universidad de Alcalá. [http://preseea.linguas.net]. Acesso em: 19 jun. 2019.

ROTHSTEIN, S. Theoretical and crosslinguistic approaches to the semantics of aspect. Amsterdam: Benjamins, 2008. DOI https://doi.org/10.1075/la.110

SANZ, M. Events and predication: a new approach to syntactic processing in English and Spanish. Amsterdam: John Benjamins B. V., 2000. DOI https://doi.org/10.1075/cilt.207

SANZ, M. LAKA, I. Oraciones transitivas con se: El modo de acción en la sintaxis. In: Las construcciones con se. Madrid: Visor Libros, 2002. p. 309-336.

SLABAKOVA, R. L1 Transfer revisited the L2 Acquisition of telicity marking in English by Spanish and Bulgarian native speakers. Linguistics, nº 38-4, p. 739-770, 2000. DOI https://doi.org/10.1515/ling.2000.004.

SMITH, C. The Parameter of Aspect. Dordrecht: Kluwer Academic Publishers, 1991.

SUÁREZ CEPEDA, S. Pedro comió la torta vs. Pedro se comió la torta: L2 Acquisition of Spanish Telic se constructions. Anuario nº 7 - Fac. de Cs. Humanas - UNLPam, p. 277-295, 2005. Disponível em: https://www.academia.edu/626852/Pedro_Comi%C3%B3_La_Torta_Vs._Pedro_Se_Comi%C3%B3_La_Torta_L2_Acquisition_of_Spanish_Telic_Se_Constructions. Acesso em: 19 jun. 2019.

VENDLER, Z. Verbs and times. In: VENDLER, Z. (ed.). Linguistics in Philosophy. Ithaca: Cornell University Press. 1967. p. 97-121.

VERKUYL, H. Aspectual composition: surveying the ingredients. In: VERKUYL, H.; SWART, H.; VAN HOUT, A. Perspectives on aspect. 1ª ed. Springer., 2002. p. 19-39. DOI https://doi.org/10.1007/1-4020-3232-3_2

WACHOWICZ, T. C. As leituras aspectuais da forma do progressivo do português brasileiro. 2003. 221 f. Tese (Doutorado em Linguística) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2003.

WACHOWICZ, T. C. Telicidade e classes aspectuais. Revista do Gel, v. 5, n. 1, p. 57-68, 2008. Disponível em : https://revistadogel.emnuvens.com.br/rg/article/view/133/0 Acesso em: 25 ago. 2019.

Publicado
2020-03-19
Como Citar
DA SILVA GOMES, J. C.; LEITÃO MARTINS, A. Telicidade e determinantes plurais indefinidos no espanhol da Espanha. Domínios de Lingu@gem, v. 14, n. 2, p. 482-509, 19 mar. 2020.