A modalidade volitiva no discurso de posse de Jair Bolsonaro

Palavras-chave: Gramática Discursivo-Funcional, Modalidade volitiva, Volição

Resumo

O presente trabalho se pro-põe a descrever e analisar a modalidade volitiva, que se refere, segundo a Gramática Discursivo-Funcional (GDF) de Hengeveld e Mackenzie (2008), ao que é (in)desejável, tendo por base dois parâmetros: o domínio semântico e a orientação modal. Para isso, foi escolhido o discurso de posse de Jair Bolsonaro, que foi proferido no dia 1º de janeiro de 2019 e disponibilizado on-line. A partir da descrição e da análise qualitativa empreendida, verificamos que a modalidade volitiva se manifesta, no discurso de posse, com orientação para o participante, haja vista que o falante (presidente empossado) tende a expressar suas pretensões em termos de ações políticas em seu mandato que se inicia, envolvendo-se com a performatização do evento sobre o qual incide a volição. Além disso, a modalidade volitiva tende a estar rela-cionada com a não controlabilidade [- controle] do estado-de-coisas, tendo um sujeito animado [+ humano] como fonte da atitude modal, podendo este ser espe-cificado ou não no discurso [± determinado]. Em relação ao tempo e ao modo, o presidente eleito prefere empregar o presente do modo indicativo, situando, desse modo, a volição no momento da enunciação, ainda que o evento esteja localizado em um momento posterior (futuridade).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

André Silva Oliveira, Universidade Federal do Ceará (UFC).
Mestre em Linguística. Doutorando em Linguística pelo Programa de Pós-Graduação em Linguística da Universidade Federal do Ceará (PPGL/UFC).

Referências

DALL’AGLIO-HATTNHER, M. M. Entre o poder e o dever: fatores intervenientes na expressão da modalidade nos discursos de posse presidencial. Gragoatá (UFF), v. 25, p. 155-168, 2009. DOI https://doi.org/10.5533/1413-9073-20092709. Disponível em: https://bit.ly/2F8KlLS. Acesso em: 05 jan. 2019.

FELIX DE OLIVEIRA, N. O desenvolvimento de verbos volitivos na língua portuguesa: uma abordagem construcional. 2016. 245 f. Tese (Doutorado em Linguística) – Faculdade de Letras, Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, 2016. DOI https://doi.org/10.1590/s2176-6681/367313975. Disponível em: http://zip.net/bttLQZ. Acesso em: 21 dez. 2018.

GASPARINI-BASTOS, S. D. Distinções entre modalidade deôntica objetiva e subjetiva no português falado: o caso do verbo 'dever'. Confluência, v. 46, p. 273-287, 2014. DOI https://doi.org/10.18364/rc.v1i46.19. Disponível em: https://bit.ly/2LuTrTu. Acesso em: 22 dez. 2018.

HENGEVELD, K. Illocution, mood and modality. In: BOOIJ, G.; LEHMANN, C.; MUGDAN, J. (ed.). Morphology: a handbook on inflection and word formation, v. 2, p. 1190-1201, 2004.

HENGEVELD, K.; MACKENZIE, L. Functional Discourse Grammar. Oxford: Oxford University Press, 2008.

LEAL, P. M. V. Análise de Enquadramento em Discurso ou Pronunciamento Oficial: perspectivas teórico-metodológicas. Anais do XX Congresso de Ciências da Comunicação na Região Sudeste. Uberlândia: INTERCOM, p. 1-15, 2015. DOI https://doi.org/10.1590/s1809-58442013000200005. Disponível em: https://bit.ly/2QrPyzt. Acesso em: 05 jan. 2019.

MOREIRA DE OLIVEIRA, J. A trajetória da gramaticalização de ir + infinitivo em Português. Revista Guavira Letras, n. 22, p. 66-79, 2016. DOI https://doi.org/10.21747/2183-9077/rapla11. Disponível em: https://bit.ly/2ArLr1l. Acesso em: 06 jan. 2019.

OLIVEIRA, A. S. Modalidade volitiva em língua espanhola nos discursos do Papa Francisco em viagem apostólica. 2017. 310 f. Dissertação (Mestrado em Linguística) – Programa de Pós-Graduação em Linguística, Universidade Federal do Ceará (UFC), Fortaleza, 2017. DOI https://doi.org/10.21680/1517-7874.2018v20n2id14243. Disponível em: http://bit.ly/2odUwqY. Acesso em: 14 dez. 2017.

Publicado
2019-10-08
Como Citar
OLIVEIRA, A. S. A modalidade volitiva no discurso de posse de Jair Bolsonaro. Domínios de Lingu@gem, v. 13, n. 3, p. 1211-1227, 8 out. 2019.