Conhecimento de domínio na interpretação simultânea

um estudo exploratório do processo de interpretação de estudantes

  • Cecília Franco Morais Universidade Federal de Uberlândia
  • Marileide Dias Esqueda Universidade Federal de Uberlândia
Palavras-chave: Interpretação Simultânea, Conhecimento de Domínio, Formação de Intérpretes, Esforço cognitivo

Resumo

Esta pesquisa analisa o papel exercido pelo conhecimento de domínio na compreensão e no desempenho de tarefas de interpretação simultânea. Estudantes de duas turmas do Curso de Graduação em Tradução da Universidade Federal de Uberlândia responderam a um questionário e atuaram em uma sessão de interpretação simultânea. Os questionários foram analisados quanto à crença dos participantes, ao passo que as sessões foram gravadas e analisadas quanto ao esforço cognitivo despendido (i.e., omissões, adições, head starts, pausas, erros de significação e de sequência lógico-temporal). Os resultados apontam algumas mudanças nos conhecimentos declarativo e procedimental dos alunos após o recebimento de formação teórica e prática sobre interpretação simultânea. Porém, esse conhecimento não foi suficiente para ajudá-los a encontrar estratégias de interpretação que evitassem um alto nível de esforço cognitivo. Os resultados desta pesquisa contribuem tanto para os estudos processuais quanto para a formação de intérpretes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALVES, F. Tradução, cognição e contextualização: triangulando a interface processo-produto no desempenho de tradutores novatos. D.E.L.T.A., São Paulo, v. 39, p. 71-108, 2003. DOI https://doi.org/10.1590/s0102-44502003000300006.

BARIK, H. C. A description of various types of omissions, additions and errors of translation encountered in simultaneous interpretation. In: LAMBERT, S.; MOSER-MERCER, B. (ed.). Bridging the gap: Empirical research in simultaneous interpretation. Amsterdam: John Benjamins, 1994. p. 121-137. DOI https://doi.org/10.1075/btl.3.12bar.

DA SILVA, I. A. L. Conhecimento experto em tradução: aferição da durabilidade de tarefas tradutórias realizadas por sujeitos não-tradutores em condições empírico-experimentais. 2007. 272 f. Dissertation (Master’s in Linguistic Studies). Graduate Program in Linguistic Studies, Faculdade de Letras, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2007. DOI https://doi.org/10.24873/j.rpemd.2017.07.018.

ERICSSON, K. A. Expertise in interpreting: An expert-performance perspective. Interpreting: International Journal of Research and Practice in Interpreting, Amsterdam, v. 5, n. 2, p. 187-220, Jan. 2000. DOI https://doi.org/10.1075/intp.5.2.08eri.

ESQUEDA, M. D.; OLIVEIRA, K. I. Crenças e concepções do tradutor em formação. Tradução em Revista, Rio de Janeiro, n. 14, p. 137-164, Sept. 2013. DOI https://doi.org/10.17771/pucrio.tradrev.22051.

FARRINGTON-DARBY, T.; WILSON, J. R. The nature of expertise: a review. Applied Ergonomics, [s.l.], v. 37, n. 1, p.17-32, Jan. 2006. DOI https://doi.org/10.1016/j.apergo.2005.09.001.

GILE, D. Errors, omissions and infelicities in broadcast interpreting: Preliminary findings from a case study. In: ALVSTAD, C.; HILD, A.; TISELIUS, E. (ed). Methods and strategies of process research: Integrative approaches in Translation Studies. Amsterdam: John Benjamins, 2011. p. 201-218. DOI https://doi.org/10.1075/btl.94.15gil.

GILE, D. Testing the Effort Models’ tightrope hypothesis in simultaneous interpreting: A contribution. Hermes, Journal of Linguistics, Aarhus, n. 23, p. 153-172, 1999. DOI https://doi.org/10.7146/hjlcb.v12i23.25553.

GONÇALVES, J. L. Teoria da Relevância, cognição e competência do tradutor. In: ALVES, F.; GONÇALVES, J. L. (org.). Relevância em tradução: Perspectivas teóricas e aplicadas. Belo Horizonte: Faculdade de Letras da UFMG, 2006. p. 185-202.

HALE, S.; NAPIER, J. Research methods in interpreting: A practical resource. London: Bloomsbury Academic, 2013.

HAMBRICK, D. Z.; ENGLE, R. W. Effects of domain knowledge, working memory capacity, and age on cognitive performance: An investigation of the knowledge-is-power hypothesis. Cognitive Psychology, [s.l.], v. 44, n. 4, p. 339-387, June 2002. DOI https://doi.org/10.1006/cogp.2001.0769.

KOBUS, D. A.; PROCTOR, S.; HOLSTE, S. Effects of experience and uncertainty during dynamic decision making. International Journal of Industrial Ergonomics, [s.l.], v. 28, n. 5, p. 275-290, Mar. 2001. DOI https://doi.org/10.1016/s0169-8141(01)00022-1.

LEDERER, M. Translation: The interpretive model. New York: Routledge, 2003.

LEE, T. Ear voice span in English into Korean simultaneous interpretation. Meta, Montreal, v. 47, n. 4, p. 596-606, Dec. 2002. DOI https://doi.org/10.7202/008039ar.

LI, X. Are interpreting strategies teachable? Correlating trainees’ strategy use with trainers. The Interpreters’ Newsletter, Trieste, n. 18, p. 105-128, 2013.

LIU, M.; SCHARLLERT, D. L.; CARROLL, P. J. Working memory and expertise in simultaneous interpreting. Interpreting: International Journal of Research and Practice in Interpreting, Amsterdam, v. 1, n. 6, p.19-42, 2004. DOI https://doi.org/10.1075/intp.6.1.04liu.

MOSER-MERCER, B.; FRAUENFELDER, U. H.; CASADO, B.; KUENZLI, A. Searching to define expertise in interpreting. In: DIMITROVA, B. E.; HYLTENSTAM, K. (ed.). Language processing and simultaneous interpreting: Interdisciplinary perspectives. Amsterdam: John Benjamins Publishing Company, 2000. p. 1-21. DOI https://doi.org/10.1075/btl.40.09mos.

PAGANO, A. Crenças sobre a tradução e o tradutor: revisão e perspectivas para novos planos de ação. In: ALVES, F.; MAGALHÃES, C. M.; PAGANO, A. Traduzir com autonomia: estratégias para o tradutor em formação. São Paulo: Editora Contexto, 2000. p. 9-28. DOI https://doi.org/10.11606/issn.2317-9651.v0i14p198-225.

PAGURA, R. A interpretação de conferências: interfaces com a tradução escrita e implicações para a formação de intérpretes e tradutores. D.E.L.T.A, São Paulo, v.19, n. spe., p. 209-236, 2003. DOI https://doi.org/10.1590/s0102-44502003000300013.

PIO, S. The relation between ST delivery rate and quality in simultaneous interpretation.In: RICCARDI, A.; VIEZZI, M. (ed.). The Interpreters’ Newsletter. Trieste: Università di Trieste, 2003. p. 69-100.

PÖCHHACKER, F. Introducing Interpreting Studies. London/New York: Routledge, 2004.

RODRIGUES, C. C. O ensino da tradução: entre a possibilidade e a necessidade. Estudos Linguísticos, Taubaté, v. 33, p. 79-83, 2004.

SCARDAMALIA, M.; BEREITER, C. Literate expertise. In: ERICSSON, K. A.; SMITH, J. (Ed.). Toward a general theory of expertise: Prospects and limits. New York: Cambridge University Press, 1991. p. 172-194.

SCHILPEROORD, J. It’s about time: Temporal aspects of cognitive processes in text production. Utrecht: USI & C, 1996.

SELESKOVITCH, D. Interpreting for international conferences. Washington, DC: Pen and Booth, 1978.

SHLESINGER, M. Interpreting as a Cognitive Process: How can we know what really happens? In: TIRKKONEN-CONDIT, S.; JÄÄSKELÄINEN, R. (ed.). Tapping and mapping the processes of translation and interpreting: Outlooks on empirical research. Amsterdã: John Benjamins, 2000. p. 3-15. DOI https://doi.org/10.1075/btl.37.03shl.

SOARES, E. B. A interpretação oral inglês-português no contexto religioso: Um estudo exploratório do perfil do intérprete e do processo de interpretação. 2015. 90 f. Senior thesis (Bachelor in Translation). Instituto de Letras e Linguística, Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2015. DOI https://doi.org/10.24849/j.geot.2015.133.06.

TIMAROVÁ, S. Interpreting process research: paradigms and methods. In: GÖPFERICH, S.; ALVES, F.; MEES, I. M. (ed.). New Approaches in Translation Process Research. Copenhagen: Samfundslitteratur, 2010. p. 133-150.

TIMAROVÁ, S.; DRAGSTED, B.; HANSEN, I. G. Time lag in translation and interpreting: A methodological exploration. In: ALVSTAD, C.; HILD, A.; TISELIUS, E. (ed.). Methods and strategies of process research: Integrative approaches in Translation Studies. Amsterdam: John Benjamins Publishing Company, 2011. p. 121-146. DOI https://doi.org/10.1075/btl.94.10tim.

TISELIUS, E. The development of expertise - or not: Three simultaneous interpreters’ development over time. In: TISELIUS, E. Experience and Expertise in Conference Interpreting: An Investigation of Swedish Conference Interpreters. Thesis (Doctorate’s in Linguistic Studies). Department of Foreign Languages, University of Bergen, city of Bergen, 2013. p. 169-193.

TISELIUS, E.; JENSET, G. B. Process and product in simultaneous interpreting: What they tell us about experience and expertise. In: ALVSTAD, C.; HILD, A.; TISELIUS, E. (ed.). Methods and strategies of process research: Integrative approaches in Translation Studies. Amsterdam: John Benjamins Publishing Company, 2011. p. 269-300. DOI https://doi.org/10.1075/btl.94.20tis.

TREISMAN, A. M. The effects of redundancy and familiarity on translating and repeating back a foreign and a native language. British Journal of Psychology, London, v. 56, n. 4, p. 369-379, Nov. 1965. DOI https://doi.org/10.1111/j.2044-8295.1965.tb00979.x.

VIANNA, B. Teoria da Relevância e interpretação simultânea. In: ALVES, F.; GONÇALVES, J. L. (org.). Relevância em tradução: Perspectivas teóricas e aplicadas. Belo Horizonte: Faculdade de Letras da UFMG, 2006. p. 185-202.

Publicado
2019-07-09
Como Citar
MORAIS, C. F.; ESQUEDA, M. D. Conhecimento de domínio na interpretação simultânea. Domínios de Lingu@gem, v. 13, n. 2, p. 604-634, 9 jul. 2019.