Dialogismo e verbo-visualidade sobre o questionamento da arte no Brasil

um tema em três charges

Palavras-chave: Análise dialógica, Verbo-visualidade, Charge

Resumo

O objetivo deste artigo é analisar, por meio da teoria dialógica, três charges que materializam, na verbo-visualidade, reações ao questionamento do que é arte no Brasil. Foram sele-cionadas três charges que tiveram como tema o acontecimento no Museu de Arte Moderna (São Paulo) em setembro de 2017, analisadas de forma descritiva e interpretativa, com o suporte teórico da teoria dialógica do Círculo Bakhtiniano. A análise evidenciou as relações dialógicas e ideológicas, que são relações semânticas, estabelecidas entre as imagens e os recursos verbais nos textos, além de serem feitas relações possíveis entre as três charges.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Graziela Frainer Knoll, Universidade Franciscana (UFN)
Professora Adjunto na Universidade Franciscana (UFN), no curso de Publicidade e Propaganda; Doutora em Letras - Estudos Linguísticos (Universidade Federal de Santa Maria - UFSM); Mestre em Letras - Estudos Linguísticos (UFSM); Especialista em Tecnologias da Informação e da Comunicação Aplicadas à Educação (UFSM); Bacharel em Comunicação Social, Publicidade e Propaganda (UFSM); Licenciada em Letras, Língua Portuguesa (UFSM).

Referências

AMORIM, M. Vozes e silêncio no texto de pesquisa em ciências humanas. Cadernos de Pesquisa, n. 116, p. 7-19, julho/2002. DOI https://doi.org/10.1590/s0100-15742002000200001

BAKHTIN, M. M. Estética da criação verbal. 5. ed. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2010.

BITTI, P.; ZANI, B. A comunicação como processo social. Lisboa: Editorial Estampa, 1993.

BRAIT, B. Ironia em perspectiva polifônica. Campinas: Editora Unicamp, 1996.

BRAIT, B. Olhar e ver: verbo-visualidade em perspectiva dialógica. Bakhtiniana, São Paulo, v. 8, n. 2, p. 43-66, 2013. DOI https://doi.org/10.1590/s2176-45732013000200004

FARACO, C. A. Bakhtin e os estudos enunciativos no Brasil: algumas perspectivas. In: BRAIT, B. (org.). Estudos enunciativos no Brasil: histórias e perspectivas. Campinas: Pontes, p. 27-38, 2001. DOI https://doi.org/10.18309/anp.v1i14.417

FARACO, C. A. Interação e linguagem: balanço e perspectivas. Calidoscópio, v.3, n.3, p. 214-221, set./dez. 2005b.

FLORES, V.; TEIXEIRA, M. Introdução à Linguística da Enunciação. São Paulo: Contexto, 2005.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

HUTCHEON, L. Teoria e política da ironia. Belo Horizonte: UFMG, 2000.

KLEIMAN, A. Leitura: Ensino e pesquisa. São Paulo: Pontes, 2004.

MACHADO, I. Gêneros discursivos. In: BRAIT, B. (org.). Bakhtin: conceitos-chave. São Paulo: Contexto, 2005. DOI https://doi.org/10.22456/2238-8915.29520

PONZIO, A. A concepção bakhtiniana do ato – como dar um passo. In: BAKHTIN, M. Para uma filosofia do ato responsável. São Carlos: Pedro & João Editores, 2010. p. 9-38.

POSSENTI, S. Humor de circunstância. Filologia e Linguística Portuguesa, São Paulo, n.9, p. 333-344, 2007. DOI https://doi.org/10.11606/issn.2176-9419.v0i9p333-344

POSSENTI, S. Os humores da língua: análises linguísticas de piadas. Campinas, SP: Mercado de Letras, 1998. DOI https://doi.org/10.18309/anp.v1i6.339

PUBLICO.PT. Um nu, uma performance, uma criança: o Brasil das redes sociais em polvorosa. Portugal, 01/out./2017. Disponível em: https://www.publico.pt/2017/10/01/culturaipsilon/noticia/um-nu-uma-performance-uma-crianca-o-brasil-das-redes-sociais-em-polvorosa-1787295. Acesso em: 12 dez. 2017.

RABAÇA, C. A; BARBOSA, G. Dicionário de comunicação. São Paulo: Ática, 1987.

VOLOCHÍNOV, V. (M. Bakhtin). Marxismo e filosofia da linguagem: problemas fundamentais do método sociológico da linguagem. 13. ed. São Paulo: Hucitec, 2009. DOI https://doi.org/10.1590/2176-457336646

Publicado
2019-10-07
Como Citar
KNOLL, G. F. Dialogismo e verbo-visualidade sobre o questionamento da arte no Brasil. Domínios de Lingu@gem, v. 13, n. 3, p. 927-945, 7 out. 2019.