O alusivo na representação autobiográfica de Clarice Lispector em Um sopro de vida

  • Denise Gonzaga dos Santos Brito Universidade Estadual de Santa Cruz
  • Vânia Lúcia Torga
  • André Luis Pereira
Palavras-chave: Alusão, Memória, Autobiografia, Representação autobiográfica

Resumo

Este trabalho tem por objetivo investigar na obra literária Um sopro de vida, de Clarice Lispector, de que forma a escritora tensiona a relação entre narrativa ficcional e gênero autobiográfico, bem como o papel da alusão enquanto estratégia de leitura e de escrita no processo de representação autobiográ-fica. Para a construção deste trabalho, utilizamos a teoria da alusão, com base nos estudos realizados por Torga (2001, 2006), que a considera como estratégia mediadora dos movimentos da interdiscursividade, a qual se constitui no espaço da memória. Acreditamos que a tensão entre o gênero autobiográfico e a narrativa ficcional em Um sopro de vida, de Clarice Lispector, se dá através de estratégias linguístico-discursivas. A alusão atua no processo de representação autobiográfica fazendo um resgate do todo significativo, permitindo relacionar as partes do mosaico de sentidos que é a obra literária.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AMORIM, O. N. de. O desvio autobiográfico em Sinais de fogo, de Jorge de Sena. In: NIGRO, C. M. N.; BUSATO, S.; AMORIM, O. N. de (org.). Literatura e representações do eu: impressões autobiográficas. São Paulo: Ed. UNESP, 2010. DOI https://doi.org/10.7476/9788539304417.

ARFUCH, L. O espaço biográfico: dilemas da subjetividade contemporânea. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2010. DOI https://doi.org/10.22409/geographia2009.v11i22.a13587.

AUTHIER-REVUZ, J. Nos riscos da alusão. Tradução: Ana Vaz e Doris Arruda Carneiro da Cunha. Revista Investigações. v. 20, n. 2, jul./2007. Disponível em: http://www.revistainvestigacoes.com.br/Volumes/Vol.20.N.2_2007_ARTIGOSWEB/JacquelineAuthier-Revuz_NOS-RISCOS-DAALUSAO_Vol20-N2_Art01.pdf. Acesso em: 18 mar. 2010.

BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, 2010.

BUSATO, S. A memória do sujeito e a memória da linguagem: redes textuais. In: NIGRO, C. M. N.; BUSATO, S.; AMORIM, O. N. de (org.). Literatura e representações do eu: impressões autobiográficas. São Paulo: Ed. UNESP, 2010. DOI https://doi.org/10.7476/9788539304417.

CHEVALIER, J.; GHEERBRANT, A. Dicionário de símbolos: mitos, sonhos, costumes, gestos, formas, figuras, cores, números. Rio de Janeiro: J. Olympio, 1995.

ECO, U. Lector in fabula: a cooperação interpretativa nos textos narrativos. São Paulo: Perspectiva, 2008.

GOTLIB, N. B. Clarice: uma vida que se conta. 6. ed. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2009. DOI https://doi.org/10.11606/issn.2595-2501.rusp.1986.132205.

GRUPO DE ESTUDOS DOS GÊNEROS DISCURSIVOS - GEGE. Palavras e contrapalavras: glossariando conceitos, categorias e noções de Bakhtin. São Carlos: Pedro e João Editores, 2009.

KOSIK, K. Dialética do concreto. Tradução: Célia Neves e Alderico Toríbio. 6ª reimp. São Paulo: Paz e Terra, 1995.

LEJEUNE, P. O Pacto autobiográfico. Tradução: Jovita Maria Gerheim Noronha e Maria C. Guedes. Belo Horizonte: editora UFMG, 2008. DOI https://doi.org/10.12957/matraga.2017.30189.

LISPECTOR, C. Água viva. Rio de Janeiro: Rocco, 1998a.

LISPECTOR, C. A descoberta do mundo. Rio de Janeiro: Rocco, 1999d.

LISPECTOR, C. Um sopro de vida. Rio de Janeiro: Rocco, 1999s.

LISPECTOR, C. Entrevistas. Rio de Janeiro: Rocco, 2007.

MOSER, B. Clarice. São Paulo: Cosac Naify, 2009.

QUEIRÓS, B. C. Ler, escrever e fazer conta de cabeça. 2. ed. Belo Horizonte: Muguilin, 1996.

TORGA, V. L. M. “Aludir é melhor que nomear”: a leitura e a alusão no texto literário. In: A Cor das Letras: Revista do Departamento de Letras e Artes da Universidade Estadual de Feira de Santana. – n. 1 (1997). – Feira de Santana: UEFS, 1997. DOI https://doi.org/10.13102/cl.v8i1.1576.

TORGA, V. L. M. O movimento de sentido da alusão: uma estratégia textual da leitura de ler e escrever e fazer conta de cabeça de Bartolomeu Campos Queiroz. 2001. Dissertação (Mestrado em Linguística Aplicada) – Faculdade de Letras, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2001. DOI https://doi.org/10.26512/aguaviva.v2i1.10324.

TORGA, V. L. M. O Risco do Bordado de Autran Dourado: A alusão nos gêneros textuais: o romance e a tese. 2006. Tese (Doutorado em Letras: Linguistica) – Faculdade de Letras, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2006. DOI https://doi.org/10.5752/3157.

TORGA, V. L. M. Crônicas de Machado de Assis: pra quem sabe lê, um “pinguélê”. Encontro Regional da ABRALIC 2007, realizado entre os dias 23 a 25 de julho de 2007, na USP, São Paulo-Brasil. DOI https://doi.org/10.5962/bhl.title.110909. Disponível em: www.abralic.org.br/enc2007/anais/16/638.pdf. Acesso em: 22 nov. 2008.

Publicado
2019-10-08
Como Citar
BRITO, D. G. DOS S.; TORGA, V. L.; PEREIRA, A. L. O alusivo na representação autobiográfica de Clarice Lispector em Um sopro de vida. Domínios de Lingu@gem, v. 13, n. 3, p. 1142-1179, 8 out. 2019.