A importância da documentação e descrição linguística para revitalização de línguas ameaçadas

  • Bruna Lima-Padovani Universidade Federal do Pará
  • Camille Cardoso Miranda Universidade Estadual de Campinas
  • Jeanne Barros Barros Universidade Federal do Pará
Palavras-chave: Documentação, Descrição, Revitalização, Línguas Indígenas

Resumo

Pesquisas linguísticas que visam à documentação e à descrição são de extrema importância para a revitalização de línguas ameaçadas. São estudos que beneficiam as comunidades, fortalecendo suas línguas e culturas e auxiliando também no conhecimento científico dessas comunidades. Este artigo faz uma breve reflexão acerca da importância da documentação e da descrição para a revitalização de línguas que estão ameaçadas de extinção. São apresentados, ainda, exemplos de ações de valorização e de revitalização da língua Apurinã (Aruák), falada no sudoeste do estado do Amazonas. Discutem-se tais fatores com vistas à promoção da valorização das línguas e culturas indígenas do Brasil.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AIKHENVALD, A. Y. Arawak. In: STRAZNY, P. (ed.). Encyclopedia of Linguistics. New York: Fitzroy Dearborn, 2005. p. 81-84.

AUSTIN, P. K. Current issues in languages documentation. In: AUSTIN, P. K. (ed.). Language Documentation and Descripition. v. 7. Londres: SOS, 2010. p. 12-33.

AUSTIN, P. K.; SALLABANK, J. Language endangerment. Cambridge University Press, New York, 2011. 581 p.

CORRÊA, G. G. As reformas educacionais brasileiras: programas de ensino em Ciências e seriação escolar. 1997. 201 f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Centro de Ciências Humanas e Artes, Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 1997. DOI https://doi.org/10.5327/z2176-947820160027.

CUNHA, R. B. Políticas de línguas e educação escolar no Brasil. Educar, n. 32, Curitiba, p. 142-159, 2008. DOI https://doi.org/10.1590/s0104-40602008000200011.

DALBY, A. Language in Danger: The Loss of Linguistic Diversity and the Threat to our Future. New York, Columbia University Press. 2003. In: DRUDE, S. Documentação Linguística: o formato de anotações de textos. Estudos Linguísticos, XXXV, p. 27-51, 2006.

DRUDE, S. Documentação Linguística: o formato de anotações de textos. Estudos Linguísticos, XXXV, p. 27-51, 2006.

FACUNDES, S. da S. The Apurinã (Arawak) Language of Brazil. SUNY-Buffalo: Tese de Doutorado, 2000, p. 702.

FACUNDES, S. da S.; VIRTANEN, P. K.; FREITAS, M. F. P. de; LIMA-PADOVANI, B. F. S. de; COSTA, P. N. Issues on language revitalization and engagements in the Amazon: The case of Apurinã. In: BRUNN, S. D.; KEHREIN, R. Handbook of the Changing World Language Map. Melbourne: Springer Nature, 2018. DOI https://doi.org/10.1007/978-3-319-73400-2_35-1.

HIMMELMANN, N. P. Language Documentation: What is it and what is it good for? In: GIPPERT, J.; HIMMELMAN, N.; MOSEL, U. (org.). Essentials of Languages Documentation. Berlin: Mouton de Gruyter, 2006. 437 p.

HIMMELMANN, N. P. Documentary and descriptive linguistics. Linguistics, Ruhr-Universität Bochum, v. 36, p. 95-161, 1998. DOI https://doi.org/10.1515/ling.1998.36.1.161.

HINTON, L; HALE, K. The Green Book of Language Revitalization in Practice. Academic Press, 2001.

LADEIRA, M. E. De “povos grafos” a “cidadãos analfabetos”: as concepções teóricas subjacentes às propostas educacionais para os povos indígenas no Brasil. In: CUNHA, M. C.; CESARINO, P. N. (org.). Políticas culturais e povos indígenas. São Paulo: Unesp, 2016. DOI https://doi.org/10.5380/cra.v19i2.58555.

LIMA-PADOVANI, B. F. S. Levantamento Sociolinguístico do Léxico da Língua Apurinã e sua contribuição para o conhecimento da cultura e história Apurinã (Aruák). Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal do Pará, Belém, 2016. f. 192. DOI https://doi.org/10.20873/uft.2179-3948.2019v10n1p161.

MOORE, D.; GABAS, N. J. O Futuro Das Línguas Indígenas Brasileiras. Saturno. DOI https://doi.org/10.28998/0103-6858.2000n25p13-29. Disponível em: http://saturno.museu-goeldi.br/lingmpeg/portal/downloads/publicacoes/denny-futudo-das-linguas-indigenas-brasileiras.pdf. Acesso: 25 abr. 2018.

MOORE, D.; GALUCIO, A. V.; MOORE; GABAS, N. J. Desafio de documentar e preservar línguas. Scientific American Brasil. v. 3, p. 36-43, 2008. Edição Especial.

MOORE, D.; GALUCIO, A. V. Perspectives for the documentation of indigenous language in Brazil. In: BÁEZ, G. P.; ROGERS, C.; LABRADA, J. E. R. (org.). Language Documentation and Revitalization in Latin American Contexts. 1 ed. Berlin: De Gruyter, v. 295, p. 29-58, 2016. DOI https://doi.org/10.1515/9783110428902.

MUFWENE, S. S. The Ecology of Language Evolution. Chicago: Cambridge University Press, University of Chicago, 2001. 274 p.

MÜHLHÄUSLER, P. Assessing the demage: structural and lexical effects. In: Linguistic Ecology: language change and linguistic imperialism in the Pacific region. London; New York: Routledge, 1996. p. 269-310. DOI https://doi.org/10.4324/9780203211281.

RODRIGUES, A. Línguas indígenas brasileiras. Brasília: Laboratório de Línguas Indígenas da UnB, 2013. p. 29. DOI https://doi.org/10.11606/d.18.2010.tde-22122010-154505. Disponível em: http://www.laliunb.com.br. Acesso em: 02 mar. 2018.

SCHIFFMAN, H. F. Linguistic culture and Language Policy. London; New York: Routledge, 1996.

SEKI, L. Perspectivas para os estudos linguísticos no Brasil. Boletim da ABRALIN, 12. Campinas: IEL/Unicamp, 1991. p. 7-24.

SEKI, L. A Linguística Indígena no Brasil. Delta, vol. 15, nº Especial, 1999. p. 257-290.

SEKI, L. A linguística Indígena do Brasil. Delta, vol. 15, n. 5, 2009. p. 257-290.

SILVA, W. de L. Apresentação: estudos linguísticos de línguas indígenas brasileiras. ReVEL, 2009. p. 1-8.

SPOLSKY, B. Language Policy. Cambridge: Cambridge University Press, 2004.

WOODBURY, A. C. Language Documentation. In: AUSTIN, P. K.; SALLABANK, J. (org.). Language documentation and archiving. New York: Cambridge University Press, 2011. p. 159-186. DOI https://doi.org/10.1017/cbo9780511975981.009.

Publicado
2019-10-07
Como Citar
LIMA-PADOVANI, B.; MIRANDA, C. C.; BARROS, J. B. A importância da documentação e descrição linguística para revitalização de línguas ameaçadas. Domínios de Lingu@gem, v. 13, n. 3, p. 900-926, 7 out. 2019.