Do gênero ao hipergênero, do hipergênero ao sistema de hipergenericidade

um estudo sobre o funcionamento discursivo do Facebook

  • Breno Rafael Martins Parreira Rodrigues Rezende Universidade Federal de Uberlândia
Palavras-chave: Análise do Discurso, Gênero do Discurso, Hipergênero, Sistema de hipergenericidade.

Resumo

Neste artigo, que é fruto de uma pesquisa de mestrado ligada ao Programa de Pós-graduação em Estudos Linguísticos, da Universidade Federal de Uberlândia, apresentamos alguns resultados provenientes da análise discursiva que empreendemos em torno da rede social Facebook. Para tanto, valemo-nos do arcabouço teórico-metodológico da Análise do Discurso de linha fancesa, especialmente dos conceitos de gênero do discurso e hipergênero postulados por Dominique Maingueneau (2006, 2008b, 2010). Com efeito, o que pudemos demonstrar é que a rede social Facebook apresenta um comportamento discursivo distinto em relação a outros websites, implicando, assim, a formulação de novas categorias de análise. Em virtude disso, postulamos o conceito de sistema de hipergenericidade, que permitiu demonstrar que a pretensa "liberdade" enunciativa da Web, pelo menos no que diz respeito a essa rede social, não se aplica, uma vez que as identidades discursivas de suas páginas se inscrevem em um processo de legitimação que não é sem margens e que depende da relação que elas estabelecem com aquilo que nelas é posto a circular, especialmente sob a forma de compartilhamentos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Breno Rafael Martins Parreira Rodrigues Rezende, Universidade Federal de Uberlândia
Doutorando em Estudos Linguísticos pela Universidade Federal de Uberlândia e Mestre em Estudos Linguísticos pela mesma instituição. Membro efetivo do Círculo de Estudos do Discurso - CED. Suas pesquisas relacionam o quadro teórico-metodológico da vertente francófona da Análise do Discurso, a AD, aos textos que circulam na Web.

Referências

DEBRAY, R. Curso de midiologia geral. Petrópolis, RJ: Vozes, 1993. 417 p.

MAINGUENEAU, D. Cenografia epistolar e debate público. In: POSSENTI, S.; SOUZA-E-SILVA, M. C. (org.). Cenas da enunciação. São Paulo: Parábola Editorial, 2008b. p. 115-135.

MAINGUENEAU, D. Gênero do discurso e cena de enunciação. In: MAINGUENEAU, D. Discurso e análise do discurso. Trad. Sírio Possenti. São Paulo: Parábola Editorial, 2015. p. 117-130.

MAINGUENEAU, D. Mídium e discurso. In: MAINGUENEAU, D. Análise de textos de comunicação. 5 ed. Trad. Cecília P de Souza-e-Silva. São Paulo: Cortez Editora, 2008a. p. 71-83.

MAINGUENEAU, D. O quadro genérico. In: MAINGUENEAU, D. Discurso literário. São Paulo: Editora Contexto, 2006. p. 229-246.

MAINGUENEAU, D. Hipergênero, gênero e internet. In: MAINGUENEAU, D. Doze conceitos em Análise do Discurso. São Paulo: Parábola Editorial, 2010. p. 129-138.

MAINGUENEAU, D. Gênese dos discursos. Tradução de Sírio Possenti. São Paulo: Parábola Editorial, 2008c. 184 p.

PÊCHEUX, M. O discurso: estrutura e acontecimento. Tradução de Eni Orlandi. Campinas: Pontes, 1990. 68p.

POSSENTI, Sírio. Os limites do discurso: ensaios sobre discurso e sujeito. São Paulo: Parábola Editorial, 2009. 213 p.

REZENDE, B. R. M. P. R. Polêmica discursiva e intertextualidade: em pauta o compartilhamento de notícias na rede social. In: PERcursos Linguísticos. V. 6. N. 13. Vitória: UFES, 2016/02 (Revista Eletrônica).

REZENDE, B. R. M. P. R. Hipergênero e sistema de hipergenericidade: análise do funcionamento discursivo do Facebook. Uberlândia: Universidade Federal de Uberlândia, 2017 (Dissertação de Mestrado).

SAUSSURE, F. Curso de Linguística Geral. 28 ed. BALLY, C.; SECHEHAYE, A. (org.). São Paulo: Cultrix, 2012. 312 p.

ZATI, P. O funcionamento da comunidade discursiva construída em torno das fanfictions. Uberlândia: Universidade Federal de Uberlândia, 2016 (Dissertação de Mestrado).

Publicado
2019-02-03
Como Citar
REZENDE, B. R. M. P. R. Do gênero ao hipergênero, do hipergênero ao sistema de hipergenericidade. Domínios de Lingu@gem, v. 13, n. 1, p. 109-132, 3 fev. 2019.