O tratamento dos conhecimentos linguísticos em aulas publicadas no Portal do Professor

  • Cássia Fernanda de Oliveira Costa UFPE
  • Suzana Leite Cortez UFPE
Palavras-chave: Conhecimentos Linguísticos, Análise Linguística, Abordagem textual-discursiva, Portal do Professor, Ensino de português

Resumo

A necessidade de uma abor-dagem da gramática a favor da reflexão e dos usos linguísticos é amplamente discutida entre linguistas e educadores desde a década de 80. Nesse âmbito, surge a proposta teórico-metodológica da Análise Linguística (AL), que visa vincular o tratamento dos Conhecimentos Linguísticos (CL) ao trabalho com o texto. Apesar de defendidas por estu-diosos da língua e da educação – como Geraldi ([1984] 2006), Mendonça (2007), Ilari e Basso (2011), Bezerra e Reinaldo (2013) e Antunes (2014), que fundamen-tam teoricamente este trabalho – as mudanças em relação à abordagem dos CL ainda geram inquietações nos pro-fessores. Diante disso, propomo-nos a analisar aulas publicadas no Portal do Professor (plataforma on-line do Minis-tério da Educação voltada para docen-tes), no período de 2008 a 2016, para observar em que medida a proposta de trabalho com os CL por meio da AL tem influenciado as projeções dos docentes para suas aulas, bem como compreender o que eles entendem por “AL”. As análises evidenciaram que, mesmo categorizadas pelos professores-autores como de AL, as aulas apresentam diferentes abor-dagens dos CL, que vão da inclinação à normatividade gramatical à abordagem textual-discursiva, em que se destaca o trabalho com o texto a favor da reflexão e dos usos linguísticos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cássia Fernanda de Oliveira Costa, UFPE

Prof.ª substituta do Departamento de Letras da UFPE.

Mestra em Linguística pela UFPE.

 

Suzana Leite Cortez, UFPE

 

 

Referências

ANTUNES, I. Aula de Português: encontro e interação. São Paulo: Parábola, 2003.

ANTUNES, I. Gramática Contextualizada: limpando o “pó das ideias simples”. São Paulo: Parábola, 2014.

BEZERRA, B. G. Gêneros no contexto brasileiro: questões [meta] teóricas e conceituais. São Paulo: Parábola, 2017.

BEZERRA, M. A.; REINALDO, M. A. Análise Linguística: afinal, a que se refere?. São Paulo: Cortez, 2013.

BUNZEN, C. Ensino de Língua Portuguesa. In: FRADE, I. C. A. da S.; VAL, M. da G. C.; BREGUNCI, M. das G. de C. (orgs). Glossário Ceale: termos de alfabetização, leitura e escrita para educadores. Belo Horizonte: UFMG/Faculdade de Educação, 2014. DOI https://doi.org/10.31692/2526-7701.iicointerpdvagro.2017.00140

FRANCHI, C. Linguagem – Atividade Constitutiva. Cadernos de Estudos Linguísticos, n. 22, p. 9-39, 1977.

FRANCHI, C. Mas o que é mesmo “gramática”? São Paulo: Parábola, [1987] 2006.

GERALDI, J. W. O texto na sala de aula. São Paulo: Ática, [1984] 2006.

GERALDI, J. W. Portos de passagem. 4. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

ILARI, R.; BASSO, R. O português da gente, a língua que estudamos, a língua que falamos. 2 ed. São Paulo: Contexto, 2011.

KLEIMAN, A. B ; SEPULVEDA, C. Oficina de gramática: metalinguagem para principiantes. Campinas: Pontes Editores, 2012.

MARCUSCHI, L. A. Produção textual, análise de gêneros e compreensão. São Paulo: Parábola, 2008.

MENDONÇA, M. Análise linguística no ensino médio: um novo olhar, um outro objeto. In: BUNZEN, C. ; MENDONÇA, M. (org.). Português no ensino médio e formação do professor. São Paulo: Parábola, 2006, p. 199-226. DOI https://doi.org/10.11606/t.48.2013.tde-27062013-153602

MENDONÇA, M. Análise linguística: refletindo sobre o que há de especial nos gêneros. In: SANTOS ; C. F. ; CAVALCANTE, M. ; MENDONÇA, M. (org.). Diversidade textual: os gêneros na sala de aula. Recife/Belo Horizonte: MEC-CEEL/Autêntica, 2007.

NEVES, M. H. M. Que gramática estudar na escola? São Paulo: Contexto, 2015.

PERINI, M. Defino minha obra gramatical como a tentativa de encontrar respostas às perguntas: por que ensinar gramática? Que gramática ensinar? In: MOURA NEVES, H.; CASSEB-GALVÃO, V. (org). Gramáticas contemporâneas do Português: com a palavra, os autores. São Paulo: Parábola, 2014.

POSSENTI, S. Por que (não) ensinar gramática na escola. Campinas: Mercado das Letras, 1996. DOI https://doi.org/10.11606/issn.2176-9419.v0i2p265-271

POSSENTI, S. Gramática e política. In: GERALDI, J. W. (org). O texto na sala de aula. 5 ed. São Paulo: Ática, 1984, p. 47-56.

RANGEL, E. O. Livro didático de Língua Portuguesa: o retorno do recalcado. In: DIONISIO, A.; BEZERRA, M. A. (orgs). O livro didático de português: múltiplos olhares. 2. ed., Rio de Janeiro: Lucerna, 2001, p. 7-14. DOI https://doi.org/10.17771/pucrio.acad.16124

SANTOS, H. Representações sociais dos professores de língua portuguesa sobre o ensino gramatical. Tese (Doutorado em Linguística). Programa de Pós-Graduação em Linguística, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2017. DOI https://doi.org/10.18605/2175-7275/cereus.v9n3p66-80

SOARES, M. Concepções de linguagem e o ensino de língua portuguesa. In: BASTOS, N. B. (org.). Língua portuguesa – história, perspectiva, ensino. São Paulo: Educ, 1998. DOI https://doi.org/10.11606/d.48.2014.tde-05022015-142241

SOARES, M. Que professores de português queremos formar? Movimento, n. 3, p. 149-155, maio 2001.

Publicado
2019-10-08
Como Citar
DE OLIVEIRA COSTA, C. F.; CORTEZ, S. L. O tratamento dos conhecimentos linguísticos em aulas publicadas no Portal do Professor. Domínios de Lingu@gem, v. 13, n. 3, p. 1041-1081, 8 out. 2019.