Políticas linguísticas no Brasil

da dominação dos nativos ao silenciamento dos imigrantes

  • Rubiamara Pasinatto UFRGS
Palavras-chave: Língua, Políticas Linguísticas, Língua Portuguesa

Resumo

 A língua é um corpo simbólico-político que está presente nas relações sociais e, consequentemente, na história das sociedades. As condições de funcionamento da língua Portuguesa ao longo dos séculos no Brasil não são homogêneas, haja vista que desde a chegada dos portugueses “às terras tupiniquins”, são registrados momentos históricos e políticos distintos, os quais contribuíram de maneira diferente para a fixação do idioma lusitano. Cabe lembrar que grande parte delas atuou para o silenciamento dos idiomas daqueles que viviam aqui, processo que aconteceu diante de práticas coercitivas e xenófobas. Diante disso, este artigo discute as principais ações do Estado que serviram como base para a tentativa de criação de uma unidade linguística no Brasil.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rubiamara Pasinatto, UFRGS
Doutoranda no Programa de Pós-Graduação e Letras na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

Referências

BRASIL. Decreto n. 19.402, de 14 de novembro de 1930. Disponível em: http://legis.senado.gov.br/legislacao/ListaNormas.action?numero=19402&tipo_norma=DEC&data=19301114&link=s. Acesso em: 2 abril 2017.

BRASIL. Decreto-Lei n 1.545 de 25 de agosto de 1939. Disponível em: http://www2.camara.leg.br/legin/fed/declei/1930-1939/decreto-lei-1545-25-agosto-1939-411654-publicacaooriginal-1-pe.htm. Acesso em: 2 abril 2017.

BECKER, C. F. A grammar of the German language. London: Printer University of London, 1930.

BORGES, L. C. A língua geral: revendo margens em sua deriva. In: FREIRE, J. R. B.; ROSA, M. C. (org.). Línguas Gerais: política linguística e cctequese na América do Sul no período colonial. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2003, p. 113- 132.

CÂMARA DOS DEPUTADOS. Biblioteca Digital. Directorio, que se deve observar nas povoaçoens dos indios do Pará, e Maranhão. Lisboa, 1758. Disponível em: http://bd.camara.gov.br/bd/handle/bdcamara/1929. Acesso em: 31 mar. 2017.

CAMINHA, P. V. de. Carta a El Rei D. Manuel. Dominus: São Paulo, 1963.

CÉSARIE, A. O Discurso sobre o colonialismo. Tradução Noémia de Sousa. Lisboa: Sá da Costa Editora, 1978.

CHAGAS, M. P. Literatura brazileira – José d’Alencar. In: CHAGAS, M. P. Novos ensaios críticos. Porto: Casa da viúva Moré, 1867. p. 212-213.

COLOMBO, C. Diários da Descoberta da América. Tradução Milton Tersson. Porto Alegre: L&PM, 2010.

DIAS, L. F. O nome da língua no Brasil: uma questão polêmica. In: ORLANDI, E. P. (Org.). Construção do Saber Metalingüístico e Constituição da Língua Nacional. Campinas, SP: Pontes, 2001, p. 185-198.

FONSECA, S. G. Os caminhos da história ensinada. Campinas, SP: Papirus, 1993.

GUIMARÃES, E. Sinopse dos estudos do português no Brasil: A gramatização brasileira. In: GUIMARÃES, E.; ORLANDI, E. P. Língua e Cidadania. Campinas, SP: Pontes, 1996.

MASON, C. P. English Grammar – The Principles of Grammatical Analysis. Londres: Bell & Sons. 1879. Disponível em: http://archive.org/details/englishgrammari01masogoog. Acesso em: 14 jun. 2018.

ORLANDI, E. P. Terra à vista: o discurso do confronto: velho e novo mundo. São Paulo: Cortez; Campinas: Editora da Universidade Estadual de Campinas, 1990.

ORLANDI, E. P. Apresentação. In: ORLANDI, E. P. (org.). História das Idéias Lingüísticas: Construção do Saber Metalingüístico e Constituição da Língua Nacional. Campinas/Cáceres: Pontes/Unemat, 2001, p. 7-20.

ORLANDI, E. P. Teorias da linguagem e discurso do multilingüismo na contemporaneidade. In: ORLANDI, E. P. (org.). Política Lingüística no Brasil. Campinas, SP: Pontes, 2007, p. 53-62.

ORLANDI, E. P. Lexicografia discursiva. In: ORLANDI, E. P. Língua e conhecimento linguístico: para uma história das ideias. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2013.

ORLANDI, E. P. GUIMARÃES, E. Formação de um espaço de produção lingüística: a gramática no Brasil. In: ORLANDI, E. P. (org.) Construção do Saber Metalingüístico e Constituição da Língua Nacional. Campinas, SP: Pontes, 2001, p. 21-38.

RIBEIRO, J. Grammatica Portugueza. São Paulo: Teixeira & Irmãos Editores, 1885. Disponível em: http://bibdig.biblioteca.unesp.br/handle/10/26054. Acesso em: 31 jul. 2017.

RIBEIRO, J. A Procellaria: 17 de Abril de 1887. In: Cartas Sertanejas; Procellarias. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo: FUNDAP., 2007, p. 85-94.

WHITNEY, W. D. Essential Grammar of English. Boston: Harvard College Library, 1879.

ZANDWAIS, A. Linguagem e ensino: saberes linguísticos e literários dominantes em compêndios escolares. Organon, v. 17, n. 35, p. 19-38, 2003.

ZANDWAIS, A. Ler o Acontecimento. Memória Nacional e Construção Identitária no Estado Novo: formas de significar o sujeito imigrante através de dispositivos jurídico-políticos. In: SANTOS, S. S. B. dos. (org.). Teorias e Práticas de Leitura: olhares e percepções. 1ªed. São Paulo: Editora Terracota, 2012, v. 1, p. 49-67.

ZANDWAIS, A. Como caracterizar uma nação: entre domínios históricos e discursivos. In: PETRI, V.; DIAS, C. (org.). Análise de Discurso em Perspectiva. Teoria, método e análise. Santa Maria, RS: Editora UFSM, 2013.

ZANDWAIS, A. O Sistema da Língua, o Diálogo e o Discurso. Conexão Letras, v. 16, Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2016. p. 95-107.

Publicado
2019-02-03
Como Citar
PASINATTO, R. Políticas linguísticas no Brasil. Domínios de Lingu@gem, v. 13, n. 1, p. 149-174, 3 fev. 2019.