Olhares e dizeres sobre os afetos no processo de ensino/aprendizagem de inglês

uma análise do Platonismo como modelo de construção de inteligibilidade à luz da Psicologia Discursiva Crítica

  • Diego Candido Abreu Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro / Doutorando em Estudos da Linguagem
Palavras-chave: Psicologia Discursiva Crítica, Estudos do Discurso, Afeto, Platonismo, Virada Afetiva.

Resumo

O objetivo deste trabalho é gerar inteligibilidade acerca de como um conjunto de repertórios interpretativos assentados na filosofia platônica esquematiza discursivamente a reflexão de professores(as) de inglês sobre a influência dos afetos no processo de ensino/aprendizagem dessa língua. Com tal objetivo em vista e amparado teoricamente pelos preceitos da Psicologia Discursiva Crítica, me inclino sobre as construções discursivas de três docentes de inglês que alicerçaram seus posicionamentos acerca dos afetos no modelo teórico platonista. Por fim, discuto criticamente em que medida esse sistema filosófico está em (dis-/cons-) sonância com o entendimento contemporaneamente hegemônico acerca dos afetos, apontando os desdobramentos de tal (dis-)alinhamento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ABREU, D. C. Contra uma concepção insular das emoções: a virada afetiva em ASL como um eixo de desconstrução e reconstrução. Revista discente da UNIABEU. v. 5, n. 10, p. 14-25, 2017.

BARBOSA, S. M. A. D.; BEDRAN, P. F. Discurso e relações de poder na (re)construção da identidade profissional de professores de língua em uma comunidade de prática no ambiente digital. Horizontes de Linguística Aplicada, v. 15, p. 117-149, 2016.

BARCELOS, A. M. F.; COELHO, H. S. S. Language Learning and Teaching: What love's got to do with it? In: MACINTYRE, P.; GREGERSEN, T.; MERCER, S. (org.). Positive Psychology in SLA. 1ed. New York: Multilingual Matters, v. 1, p. 130-144, 2016.

BOURDIEU, P. A distinção: crítica social do julgamento. Porto Alegre: Zouk, 2007.

BUTLER, J. Gender trouble: feminism and the subversion of identity. London/New York: Routledge. Chapman & Hall, 1990.

DENZIN, N. K.; LINCOLN, Y. S. O planejamento da pesquisa qualitativa: teorias e abordagens. 2 ed. Porto Alegre: Artmed, 2006.

EDLEY, N. Analysing Masculinity: interpretative repertoires, ideological dilemmas and subject positions. In: WETHERELL, M.; TAYLOR, S.; YATES, S. J. (ed.). Discourse as Data: a guide to analysis. London: Sage and the Open University. 2001. p. 189‐228.

EDWARDS, D. Emotion discourse, Culture & Psychology, 5, pp. 271-291, 1999. DOI https://doi.org/10.1177/1354067X9953001

FORTENBAUGH, W. W. Aristotle on emotion. London: Academic Books, 1975.

FOUCAULT, M. As palavras e as coisas, São Paulo: Martins Fontes, 2002.

GARCEZ, P. M.; BULLA, G. S.; LODER, L. L. Práticas de pesquisa microetnográfica: geração, segmentação e transcrição de dados audiovisuais como procedimentos analíticos plenos. In: CAVALCANTI, M. C.; ZANOTTO, M. S. (org.). Trajetórias de pesquisa em Linguística Aplicada. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2014. DOI https://doi.org/10.1590/0102-445078307364908145

GEE, J. P. Discourse, small d, big D. In: K. TRACY; T. SANDEL; C. ILIE (ed). The International Encyclopedia of Language and Social Interaction. Wiley-Blackwell, International Communication Association, 2015. p. 1-5. DOI https://doi.org/10.1002/9781118611463.wbielsi016

GILBERT, N.; MULKAY, M. Opening Pandora’s box: a sociological analysis of scientists’ discourse. Cambridge: Cambridge University Press, 1984.

GONZALEZ-REY, F. Epistemología cualitativa y subjetividad. São Paulo: EDUC, 1997.

HARGREAVES, A. Emotional geographies of teaching. Teachers College records. Vol. 103, 2001. p. 1056-1080.

KNNUTTILA, S. Emotions in ancient and medieval philosophy. Oxford: Clarendon Press, 2004. DOI https://doi.org/10.1093/0199266387.001.0001

MORAES BEZERRA, I. C. R. Aprender a ensinar inglês: o que o afeto tem a ver com isso? Revista Soletras, nº 25, p. 257-281, 2013.

NICHOLSON, L.; SEIDMAN, S. Social postmodernism: beyond identity politics. Cambridge: Cambridge University Press, 1995. DOI https://doi.org/10.1017/CBO9780511520792

NUSSBAUM, M. The fragility of goodness. Journal of Philosophy n. 85, v.7, p. 376-383, 1988.

PAVLENKO, A. The affective turn in SLA: from “affective factors’ to ‘language desire’ and ‘commodification of affect’. In: BIELSKA, J.; GABRYS-BARKER, D. The affective dimension in second language acquisition. Salisbury, 2013. p. 5-61.

PLATÃO. República. Tradução de Carlos Alberto Nunes. 3 ed. Belém: UFPA, 2000.

PLATÃO. Fedro. Tradução por Carlos Alberto Nunes. Edição bilíngue. Pará: EDUFPA, 2010. (Col. Os diálogos de Platão).

PLATÃO. Diálogos – vol. VIII – Parmênides – Fílebo. Tradução de Carlos Alberto Nunes. Belém: Universidade Federal do Pará, 1974. (Coleção Amazônica; Série Farias Brito).

POTTER, J.; WETHERELL, M. Discourse analysis and the identification of interpretative repertoires. In: ANTAKI, C. Explaining and arguing: the social organization of accounts. London: Sage, 1994. p. 169-183.

RAJAGOPALAN. K. Sobre a instabilidade de gêneros. Boletim da ABRALIN, Fortaleza: Imprensa Universitária da UFC, v. 26, n.1, 2001.

REALE, G. Para uma nova interpretação de Platão. Tradução de Marcelo Perine. São Paulo: Edições Loyola, 1997.

SCHUTZ, P. A.; M. S. ZEMBYLAS (ed.). Advances in teacher emotion research. Dordrecht: Springer. 2009. DOI https://doi.org/10.1007/978-1-4419-0564-2

SILVA, F. V.; BARBOSA, M. S. M. F. Até que o ghosting os separe: a produção de subjetividade em discursos sobre o amor virtual. Calidoscópio Vol. 14, n. 2, p. 265-275, 2016. DOI https://doi.org/10.4013/cld.2016.142.09

VYGOTSKY, L. S. The teaching about emotions. Historical-psychological studies. In: RIERBER, R. (Ed.); HALL, M. J. (trad.). The collected works of L. S. Vygotsky (Vol. 6: Scientific Legacy). New York: Plenum, 1999. p. 71–235.

WETHERELL, M. Positioning and interpretative repertoires: conversation analysis and post-structuralism in dialogue. Discourse and society, vol. 9, n. 3, p. 387-412, 1998. DOI https://doi.org/10.1177/0957926598009003005

Publicado
2019-02-03
Como Citar
ABREU, D. C. Olhares e dizeres sobre os afetos no processo de ensino/aprendizagem de inglês. Domínios de Lingu@gem, v. 13, n. 1, p. 257-287, 3 fev. 2019.